Rui Silva: «Fui sempre poupado e dei sempre muito valor ao dinheiro»

A BOLA FORA Rui Silva: «Fui sempre poupado e dei sempre muito valor ao dinheiro»

NACIONAL20.10.202113:52

Da Maia para a Madeira, da Madeira para Espanha e de Espanha para o mundo. A história do guardião - internacional português - que chegou ao Bétis de Sevilha no verão depois de três anos felizes ao serviço do Granada.


- À hora que te ligo, o que estás a fazer?
 

- Estava a descansar. O treino de hoje foi mais intenso e quando é assim aproveito para descansar um bocado a seguir ao almoço.

- Vi o vídeo do teu pedido de casamento no Instagram da Inês e tenho de te dar os parabéns. A ideia foi tua ou as amigas da noiva deram uma ajuda?
 

- Zero! Foi tudo da minha cabeça. Já estava a pensar no pedido de casamento desde as férias, sabia que a família da Inês iria estar cá nessa altura. Pensei fazer num barco ou noutro sítio diferente, mas as restrições do Covid-19 atrapalharam um bocado e acabou por ser em casa com a família dela, alguns familiares da minha parte e um ou outro amigo. O meu amigo Nuno Ribeiro (que é cantor) também aceitou fazer parte da surpresa e foi giro. A Inês diz que eu tive muito tempo para pensar, porque já namorámos há quase dez anos. Estava sempre a queixar-se que eu não era romântico e não a surpreendia, mas a verdade é que o fiz na hora H. Marquei pontos [risos].

- Em junho, assinaste um contrato válido por cinco épocas com o Bétis, de Sevilha. Não vou perguntar como está a ser a adaptação, porque já levas três anos na Andaluzia [Granada] e imagino que seja uma zona porreira para viver…
 

- A diferença de Granada para Sevilha é pouca. Sevilha é uma cidade maior, com mais história e muito bonita. Também está mais perto de Portugal, o que acaba por amenizar as saudades. Gostamos muito de viver no sul de Espanha e estamos deliciados com a cidade. Outra coisa incrível é o clima: estamos em outubro e temos trinta graus.

- Adotaste alguns costumes?
 

- Por falar continuamente espanhol, às vezes sai-me um gracias ou um hola quando vou a Portugal, sobretudo nas portagens. De resto continuamos a ser muito portugueses. Não gostamos, por exemplo, de comer tarde como os espanhóis. Aqui, o normal é almoçar às duas e meia, três horas e jantar às nove e meia, dez da noite. Para mim não dá. Não gosto, porque fico com a sensação que passei o dia todo no restaurante.

- O teu nome esteve em alta no mercado, graças ao bom desempenho em Granada. De que forma é que o Bétis te convenceu?
 

- Em Granada, não conseguimos chegar a um acordo para a renovação. Foram três anos de muito sucesso, mas senti que tinha atingido tudo aquilo que seria possível. Foi um clube muito importante para o meu crescimento, mas percebi que tinha de dar o passo seguinte. O Bétis apareceu como um projeto aliciante, também devido ao estilo de jogo da equipa, gostava de os ver jogar. O facto de já conhecer a liga espanhola e de já estar adaptado à Andaluzia também pesou. Quando saí do Nacional para o Granada precisei do meu tempo, senti muita diferença não só no idioma mas também no dia a dia. E sabia que um novo projeto noutro país iria roubar-me tempo para essa adaptação. Aqui a novidade era só a equipa. Mas fui bem recebido. Temos um grupo humano espetacular e o William [Carvalho] também ajudou na integração.

- O que mais te surpreendeu no Bétis, um dos clubes com mais adeptos na Liga Espanhola?
 

- Foi sem dúvida a grandeza. É um clube com uma massa adepta enorme e exigente. Jogamos em casa sempre com 30, 35, 40 mil espectadores e um ambiente incrível. Quando saímos do treino, costumamos ter umas cem pessoas à nossa espera para nos cumprimentar ou tirar uma fotografia. É uma realidade à qual não estava habituado.

- E lidas bem com essa maior visibilidade?
 

- No início, foi estranho - lá está, não estava habituado. Agora é tranquilo. Quando saio do treino ou mesmo do jogo, gosto de parar para dar um bocado de atenção às pessoas. Não quero que pensem que sou arrogante ou mal-educado e também sei que essa interação é importante para os adeptos. Mas confesso que já aconteceu sair e seguir sem parar depois de um jogo menos conseguido. Sei que não é bonito, mas às vezes as coisas não correm bem, estamos chateados e sem cabeça para falar ou sorrir.

- Vamos recuar um bocado no tempo para percebermos melhor a tua história. És natural da Maia, onde fazes a formação, mas entretanto vais para o Nacional da Madeira, no último ano de júnior. Como é que se proporcionou?
 

- Eu comecei a integrar o plantel sénior do Maia com 16, 17 anos e isso acabou por chamar a atenção. O Maia era um clube com visibilidade e com muita gente a assistir aos jogos. Eu já tinha ido treinar a outros clubes, mas não fiquei. Um dia, um empresário falou-me da possibilidade do Nacional e passado pouco tempo estava tudo acertado: um contrato de cinco anos, o meu primeiro como profissional.

- Foste sozinho? Quais foram os maiores obstáculos dessa primeira experiência fora de casa?
 

- No início foi bastante difícil. Tinha 18 anos, acabado de terminar o 12.º ano e de começar a namorar com a Inês. Passado umas semanas, estava a treinar na Madeira como profissional de futebol. Calhou ser tudo na mesma altura e lembro-me que no início tinha muitas saudades de casa e da Inês. Mas foi uma experiência enriquecedora que me preparou para a vida.

- Li numa entrevista que vivias na Choupana no espaço destinado à formação…
 

- Sim, o Nacional tinha excelentes condições, desde o alojamento à alimentação. O único senão é que vivíamos na Choupana, lá em cima, e era mais longe para ir ao centro. No início não tinha carta nem carro, pedia muitas vezes boleia aos jogadores mais velhos, outras vezes ia na carrinha do clube.

- E governavas-te bem com o salário?
 

- Fui sempre poupado e dei sempre muito valor ao dinheiro. Gosto de estar preparado para o futuro. O facto de viver na academia do Nacional permitia-me juntar dinheiro: não gastava em alojamento nem em alimentação e isso para mim era perfeito.

- Esse miúdo que aterrou na Madeira acreditava que aos 27 anos estaria neste momento incrível da carreira?


- Antes de mais, obrigado! Diria que não, não só pela dificuldade do futebol, mas por coisas que aconteceram na parte pessoal. Há muita coisa que influencia a carreira de um jogador e que pode desviar o rumo. Dou graças a Deus por ter conseguido manter o foco, também pela estabilidade familiar que tive. Sinceramente, não contava estar neste patamar aos 27 anos. Já atingi muitos objetivos, mas ainda tenho muita coisa para conquistar.

- Qual é o ponto chave da tua carreira?
 

- Penso que foi a última época na Madeira, quando fui verdadeiramente aposta na baliza. Nas duas temporadas anteriores, jogava quando o primeiro guarda-redes se lesionava ou estava castigado, ou seja, não tinha continuidade. Em 2016, fui aposta do treinador Manuel Machado e do clube. Lembro-me que à terceira jornada, contra o Benfica, fiz um jogo menos bom e, no dia a seguir, o Nacional contratou um guarda-redes emprestado pelo FC Porto. Quando vi as notícias, fiquei com a sensação que algo não ia correr bem. Eu confiava nas minhas capacidades, mas também sabia como é que o futebol funciona. O mercado estava a fechar e eu falei logo com os meus agentes para ver a possibilidade de sair. Mas, no dia seguinte, o mister chamou-me ao balneário dele e disse para eu estar tranquilo, porque iria continuar a apostar em mim. Aquelas palavras foram muito importantes. Ganhei confiança e fiz cinco meses muito bons que me abriram as portas do Granada, em janeiro.

- Granada deu-te uma história bonita e o passaporte para a Seleção. É na seleção que vives o auge?
 

- Sim! Representar o país é o momento de maior orgulho e de motivação máxima que qualquer jogador quer atingir.

- Estiveste no Euro-2020. Já sabias que ias ser convocado ou ficaste a saber na hora em que o selecionador fez o anúncio?
 

- Olha, soube dez minutos antes. A Federação envia um email para o clube e se o clube for rápido a ver e a transmitir a informação, eu consigo saber um pouco antes; caso contrário só sei na conferência de imprensa. Por exemplo, quando fui convocado pela primeira vez para a Seleção A, soube em direto pela televisão. Foi um momento único! Estava a ver com a Inês e quando o meu nome apareceu, agarrámo-nos um ao outro a chorar. Chorei muito! Nessa altura, há muitos pensamentos que vêm ao de cima.

- Estar presente num Europeu deve ser indescritível, mas quais são os melhores momentos, aqueles que se contam à família num almoço de domingo?
 

- Olha, da experiência do Euro guardei muita coisa, foi mesmo inesquecível. O convívio que tínhamos nas refeições era muito bom, às vezes ficávamos uma hora, uma hora e meia na conversa. O grupo era unido e era incrível estar ali com muitos dos meus ídolos e conhecê-los de perto. Outra coisa que me lembro era de ir para o treino e ver ali a comunicação social pronta para transmitir aqueles primeiros minutos que eu costumava ver em casa. Agora eu estava ali e não no sofá. E depois o caminho até ao estádio, o momento de cantar o hino, o grito no balneário. São momentos impagáveis. Tudo isso arrepia e emociona.

- Com tanta emoção e adrenalina há o risco de esquecer a letra do hino?
 

- Não, isso é impossível! O hino é um dos momentos mais altos e aquilo sai naturalmente. Outro momento bonito que me estou a lembrar agora: no aquecimentos dos três jogos da fase de grupos, tocou A Minha Casinha dos Xutos e Pontapés e foi brutal. Os nossos adeptos a cantar… Foi mesmo espetacular!

- Conta-me lá um segredo: há uns anos disseram-me que o Cédric era o jogador mais vaidoso do grupo. Quem é que agora leva esse prémio para casa?
 

- Eu cheguei a apanhar o Cédric num estágio e por acaso reparei que ele trazia o secador de casa e tudo. Não sei se é o mais vaidoso, mas vou dizer o Rui Patrício, que é bastante. Ele gosta de ajustar o cabelo e fica ali algum tempo [risos].

- Dizem que a posição de guarda-redes é solitária, mas pessoalmente olho para o guarda-redes como um líder. Concordas com a versão solitária ou sentes-te mais um boss a empurrar a equipa?
 

- Antigamente, o guarda-redes tinha menos interferência no jogo, hoje penso que é diferente, o que o torna menos solitário e mais valorizado. E penso que é assim que deve ser, porque é um elemento fundamental da equipa. É como dizes: comanda desde trás e tem de ter essa liderança. É importante na construção do jogo e na linha de passe que dá à defesa. O único senão, na minha opinião, é que um guarda-redes passa de bestial a besta num instante. É uma posição ingrata.

- A Inês sofre nos jogos…
 

- Ela diz que são os noventa minutos mais sufocantes da semana [risos]. Em casa, às vezes comento com ela um lance ou outro, mas ela não se lembra. Quando fui jogar pela primeira vez ao Santiago Bernabéu, ela foi com alguns familiares e o engraçado é que saiu de lá e não se lembrava de nada. A ideia era desfrutar por ser um jogo grande, mas ela fica muito nervosa, mais do que eu que vou jogar [risos].  

- Voltando à liderança: consegues dar umas duras nos defesas quando é preciso? Ao Pepe é mais complicado [risos]?
 

- Bem, eu sei que não se deve olhar a nomes, mas é complicado chamar a atenção de um ídolo, de uma referência. Estás ali ao lado dele e queres parecer bem, não queres que  pense mal de ti. Mas se for para ajudar a equipa tem de ser.

- Quem é o guarda-redes que te enche mais o olho no campeonato português?
 

- Sinceramente estou a gostar muito do Adán [Sporting]. A época passada foi incrível e também tem estado muito bem no arranque desta. Tem-me surpreendido muito.  

- Se tivesses oportunidade de voltar a jogar um jogo, qual escolhias?
 

- O meu primeiro jogo pela Seleção: Portugal - Israel, ganhámos 4-0. Foi o mais especial de todos. Não queria que o jogo acabasse. Só fiquei com pena que não houvesse público nas bancadas.

Nas últimas 24 horas

Filho de Carlos Martins assina pelo Sporting
Diogo Ribeiro conta que antes de chegar à final e bater recordes teve dias com vómitos e nadou mal disposto
FC Porto vence SC Braga e segue em frente na Taça de Portugal
Francisca Martins: «Sabia que era possível bater o recorde»
Destaques do Chaves: Kelechi a pregar no deserto

Vídeos

Bernardo deu camisola a jovem e adeptos do City aplaudiram
Internacional10.12.202317:14
Bernardo deu camisola a jovem e adeptos do City aplaudiram
Comunicado do Conselho de Arbitragem? «Já o devia ter feito mais vezes»
Nacional10.12.202316:49
Comunicado do Conselho de Arbitragem? «Já o devia ter feito mais vezes»
«Não há um sportinguista que não esteja traumatizado quando vê João Pinheiro»
Nacional10.12.202316:29
«Não há um sportinguista que não esteja traumatizado quando vê João Pinheiro»
Com colegas de equipa destes, quem precisa de inimigos?
Internacional10.12.202313:05
Com colegas de equipa destes, quem precisa de inimigos?

Últimas Notícias

Filho de Carlos Martins assina pelo Sporting
Filho de Carlos Martins assina pelo Sporting
Diogo Ribeiro conta que antes de chegar à final e bater recordes teve dias com vómitos e nadou mal disposto
Diogo Ribeiro conta que antes de chegar à final e bater recordes teve dias com vómitos e nadou mal disposto
FC Porto vence SC Braga e segue em frente na Taça de Portugal
FC Porto vence SC Braga e segue em frente na Taça de Portugal
Francisca Martins: «Sabia que era possível bater o recorde»
Francisca Martins: «Sabia que era possível bater o recorde»