Proença: «FPF? Falta mais de um ano...»
Pedro Proença eleito líder da Associação Europeia de Ligas

Proença: «FPF? Falta mais de um ano...»

NACIONAL02.12.202312:09

Pergunta não surpreendeu Pedro Proença; resposta foi evasiva... mas sem fechar portas

Seria sempre tema incontornável, mas acabou mesmo por se tornar objeto da primeira pergunta colocada ao presidente da Liga Portugal e da European Leagues. Em 2024 Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol, termina o terceiro mandato e não poderá recandidatar-se. O nome de Pedro Proença tem surgido como hipótese para uma candidatura ao órgão máximo do futebol português. 

«European Leagues é oportunidade que eventualmente não se repetiria»

2 dezembro 2023, 12:05

«European Leagues é oportunidade que eventualmente não se repetiria»

Na última quinta-feira o presidente da Liga Portugal foi eleito líder da Associação Europeia de Ligas, ou European Leagues. Horas depois juntou responsáveis editoriais dos três diários desportivos portugueses para uma conversa sobre o cargo, os seus significados e o futuro que antevê. Ficam as ideias de Pedro Proença, 53 anos

Pedro Proença sabe-o e não mostrou surpresa perante a questão. Mas foi cauteloso, assegurando não estar «a ser político» na resposta: «Existe um presidente da Federação neste momento, que está em plena execução do seu mandato. Ainda estamos, diria, a mais de um ano das eleições para a Federação. E eu sou presidente da Liga. Deixem que vos diga que, como alguém já afirmou uma vez, estou na minha cadeira de sonho. Verdadeiramente. Muitíssimo satisfeito com aquilo que estou hoje a fazer. Muito dificilmente sairia desta minha função. Mas se há um mês e meio me dissessem que eu seria presidente da European Leagues também diria que não estava no meu horizonte. O presidente da Federação Portuguesa de Futebol está a fazer um trabalho extraordinário e neste momento não é um tema que seja equação. Até porque, sejamos honestos, e acho que temos todos muita experiência nisto: mais de um ano pela frente, em termos desportivos ou políticos, é uma imensidão. As oportunidades vão aparecendo. Os momentos são os momentos. Volto a dizer: se há dois meses me dissessem que ia estar no Comité Executivo da UEFA por inerência de ser presidente da European Leagues responderia ‘isso é uma ideia maluca’. Vou cumprir o meu sonho de fazer uma carreira internacional como dirigente, como tive a felicidade de fazer como árbitro. Além disso, e apesar de a Liga ser hoje uma estrutura que responde ao que lhe é solicitado, eu direi que ainda é necessário andar por aqui. Qualquer projeção além disto direi que é prematura. Quando já se falava desta hipótese de presidir à European Leagues o presidente da Bundesliga perguntou-me se eu não estava a pensar ser candidato a presidente da Federação Portuguesa de Futebol. Lembro-me de pensar assim - ‘Isto na verdade é o mesmo que me perguntarem se amanhã serei CEO da Eurodisney!’. Estou bem, e o lugar de presidente da Liga é muitíssimo apetecível...»