Porque o médio defensivo no Brasil é chamado de volante
Dunga, à esquerda, o volante da seleção campeã do mundo em 1994 (Foto: Bildbyran/IMAGO)

Porque o médio defensivo no Brasil é chamado de volante

INTERNACIONAL01.02.202423:03

Cabeça de área é outra designação para o habitual trinco

Cabeça de área ou volante. Esse é o nome que se dá ao médio defensivo no futebol brasileiro.

Se cabeça de área é mais ou menos percetível a que se refere, ou seja, ao posicionamento defensivo do trinco na proteção à sua área, já volante tem uma explicação não tão linear. Nem que seja porque não há automóveis no relvado.

A designação deriva de Carlos Volante, médio argentino que representou o Flamengo nas décadas de 30 e 40. Era uma altura em que muitos futebolistas chegavam do outro lado da fronteira para desempenhar a sua profissão. 

Volante era um jogador raçudo, de forte marcação e energia contagiante, que sempre incentivava os colegas a não desistirem da jogada. Tornou-se o perfil ideal para um determinado tipo de jogador, uma referência para todos os que jogavam na sua posição.

«Vais fazer de Volante» tornou-se também numa espécie de homenagem.

No Flamengo, foi campeão carioca em 1939, 1942 e 1943, ano em que terminou a carreira. Tornou-se treinador no Brasil e orientou o Internacional, bicampeão gaúcho em 1947 e 1948, o Vitória, campeão baiano em 1953 e 1955, e o Bahia, pelo qual venceu a Taça Brasil de 1959. 

Depois, voltou para a Itália, onde já tinha representado o Nápoles, Livorno e Torino, e fixou-se em Milão. Faleceu a 9 de outubro de 1987, mas o seu nome permanece até hoje.