Eleições, SC Braga candidato ao título, Eriksson: tudo o que disse Sérgio Conceição
Sérgio Conceição (IMAGO)

Eleições, SC Braga candidato ao título, Eriksson: tudo o que disse Sérgio Conceição

NACIONAL13.01.202412:55

Técnico do FC Porto na conferência de imprensa de antevisão à partida diante do SC Braga

Sérgio Conceição destacou os pontos fortes do SC Braga, que considera «um assumido candidato» ao título, abordou a semana que pode marcar o início da corrida à presidência do FC Porto, e lembrou ainda Eriksson, na antevisão ao duelo dos dragões frente aos arsenalistas, que marca o fecho da primeira volta da Liga.

- Que SC Braga espera encontrar amanhã?

- «Esperamos uma equipa que, neste momento, é segunda classificada nos jogos fora, com um ataque e um processo ofensivo muito capaz e competente. Espera-nos um jogo difícil, como tem sido nos últimos anos, contra uma equipa cada vez mais assumida como candidata ao título. Cabe-nos fazer um bom jogo e principalmente ganhá-lo.»

- Acabou de colocar o SC Braga entre os candidatos ao título. FC Porto ainda só defrontou esses candidatos como visitante, é a primeira vez que o vai fazer como visitado...

- «Não trabalhamos para dar sinais de força, trabalhamos para ganhar os jogos. As equipas que defrontámos e que estão à nossa frente foram dois jogos diferentes, sempre com uma atitude positiva e onde, nos dois jogos, houve uma atitude comum, ficámos em inferioridade numérica. O jogo de amanhã terá a sua história e a sua vida. Temos que ser muito competentes em todos os momentos e também nas bolas paradas, onde o SC Braga é muito fortíssimo e já fez mais de uma dezena de golos. Temos de estar atentos e explorar fragilidade do SC Braga. Temos de preparar o jogo para darmos uma boa resposta e ganharmos o jogo.»

- Semana de tiro de partida para as eleições no FC Porto. Como associado do FC Porto, que temas espera ver debatidos neste período de pré-campanha? 

- «Toda a gente espera que o associado fique neste momento de parte agora e que fale o treinador do FC Porto, estão mais preocupados com o jogo de amanhã que é muito importante para a nossa caminhada, do que com o associado Sérgio Conceição.»

- Em função do que o FC Porto fez na Amoreira, isso faz com que haja menos margem para mexer no onze? SC Braga só venceu um jogo frente aos 'grandes' nos últimos tempos.

- «Os jogos são todos diferentes, dependendo das estratégias e do que os jogadores fazem em campo. Nós estamos preparados para um SC Braga forte, mas vamos olhar para as fragilidades deles e nós também as temos. O jogo da Amoreira já passou, foi um jogo a eliminar na 2.ª competição interna mais importante. Houve coisas positivas, outras que não correram tão bem, e eu já partilhei isso com os jogadores porque dissecámos esse jogo dessa forma, olhando para o que foi o positivo e o negativo quando a equipa tinha e não tinha a bola. A partir daí, define-se a estratégia procurando perceber quais os pontos fortes da equipa que vamos defrontar amanhã - que são muitos - e os jogadores que encaixarem na estratégia estarão no onze inicial. Sabendo que os jogos hoje têm mais de 100 minutos e que os reforços que estão no banco e o plano traçado possa funcionar. Tem tudo a ver com a estratégia, com as diferentes equipas que vamos defrontar, e depois também percebendo que há o próprio jogo e temos que ter gente para dar sempre uma resposta positiva e que possa ser uma mais-valia. Estatísticas? É um número, não ligo muito. O que vejo é mais no geral. O que os últimos anos me dizem é que o SC Braga tem sido muito competitivo no campeonato e na Europa.»

- Que balanço faz da primeira volta do campeonato, FC Porto é a segunda melhor defesa do campeonato. Problema está no ataque? Há mais seis equipas com mais golos marcados... Isso explica o terceiro lugar? 

- «O balanço faço-o com todo o gosto se ganhar o campeonato. Também o farei com certeza se isso não acontecer. Vamos trabalhar para que, em maio, o balanço possa ser feito e o clube possa estar feliz.»

- Como foi ser treinado por Sven-Göran Eriksson? 

- «Foi um prazer enorme, foi um treinador marcante na minha carreira enquanto jogador. Um homem com uma educação acima da média, um fantástico líder, muito calmo e tranquilo. E que os jogadores adoravam. Ganhámos muitos títulos juntos e eu espero que a vitória mais importante da vida dele seja agora, estou a torcer para que isso aconteça, não só eu mas muita gente no futebol, independentemente da cor clubística.»

- Vítor Baía falou recentemente sobre alguma arrogância dos árbitros nos jogos do FC Porto. Tem notado isso? 

- «Não tenho que comentar as palavras do nosso administrador. O que sei é que há exemplos de outras equipas que, por vezes, vêm no final dos jogos falar de algumas trocas de palavras que acontecem durante o jogo. Isso é normal desde que não se ultrapasse determinado limite. Mas acho que seria bom para o futebol, quando metem os áudios cá para fora, no fundo aquilo que convém, se calhar era conveniente meter algumas conversas dos árbitros para os jogadores e dos jogadores para os árbitros. Aí iam perceber que não é fácil estar-se dentro de campo enquanto árbitro e enquanto jogador.»

- FC Porto fez mais pontos o ano passado no mini-campeonato entre os quatro primeiros. É isso que está a fazer a diferença agora? 

- «O ano passado perdemos o campeonato por dois pontos. Já tive a oportunidade de dizer que por vezes estivemos em vantagem perante os nossos rivais e depois aconteceu algo que não queríamos, e o contrário já aconteceu. Obviamente que nestes jogos são três pontos que se ganham e três que não deixamos o adversário ganhar, mas depois há todo um campeonato para se jogar. Amanhã é o jogo mais importante porque é o próximo, mas é preciso regularidade e solidez.»