Sporting-Gil Vicente: Leões em assalto à liderança isolada
Paulinho e Gyokeres (IMAGO)

ANTEVISÃO Sporting-Gil Vicente: Leões em assalto à liderança isolada

NACIONAL04.12.202308:15

Equipa de Alvalade pode aproveitar empate do Benfica, mas, para isso, tem de levar a melhor sobre o visitante de Barcelos

O jogo de encerramento da 12.ª jornada da Liga, marcado para as 20.15 horas desta segunda-feira, em Alvalade, pode mexer na liderança do campeonato. 

O Sporting entra para este jogo com menos um ponto do que o Benfica, que escorregou em casa do Moreirense (1-1) e, em caso de vitória, os leões reassumem a liderança da prova. Mas, desengane-se quem pense que são favas contadas. 

É certo que o Gil Vicente ainda não venceu fora de portas esta época, mas, os jogos com os grandes servem sempre de motivação extra para os jogadores, que na montra de Alvalade querem ficar bem expostos. 

Diga-se que Cláudio Pereira (AF Aveiro) será o árbitro do encontro, assistido por Hugo Ribeiro e José Mira. Vasco Santos e Nélson Cunha desempenham funções de VAR e AVAR

Cláudio Pereira vai ser o árbitro do Sporting-Gil Vicente (IMAGO/Pedro Loureiro/Avant Sports)

SPORTING

Os leões atravessam ciclo de verdadeira roda-viva, com sete jogos até final do ano de capital importância. Envolvidos em várias frentes, os leões são postos à prova, já seguiram em frente na Taça de Portugal, após goleada imposta ao Dumiense (8-0), empataram com a Atalanta e hipotecaram o primeiro lugar do Grupo D da Liga Europa, seguem-se dois jogos de Liga que, diga-se, são ossos duros de roer: Gil  Vicente, em Alvalade, e visita ao V. Guimarães. 

Depois novo jogo europeu, com os polacos Strum Graz, no último jogo da fase de grupos da Liga Europa, e nova prova de fogo na Liga: receção ao FC Porto, adversário direto na corrida ao título. Em véspera de consoada, outra prova: Taça da Liga, num encontro em casa do Tondela, em que os leões têm de pontuar para garantir presença no play-off.

Mas, foquemo-nos no jogo de amanhã. O Sporting não vai querer desperdiçar oportunidade de ouro para ficar isolado na liderança do campeonato e vai puxar dos galões para amealhar os três pontos. 

As estatísticas estão do lado da equipa verde e branca que, das 22 vezes que já defrontou o Gil Vicente em Alvalade, em jogos referentes ao campeonato, venceu 19, empatou dois e perdeu apenas uma vez, mais concretamente a 2 de novembro de 2002, à 9.ª jornada da época 2002/2003, com o malogrado Vítor Oliveira no comando técnico da equipa de Barcelos, que ganhou por 3-0, com  golos de Manoel (2’), Gaspar (20’) e Paulo Alves (89’).

Mas, já diz a sabedoria popular, da teoria à prática vai muita coisa. Portanto, os leões precisam de concentração máxima para retomar os trilhos da vitória, de modo a garantir o primeiro lugar, com dois de vantagem sobre o segundo classificado. 

No que à equipa diz respeito, já se sabia que Rúben Amorim não pode contar com Daniel Bragança (traumatismo na anca esquerda) e Iván Fresneda (operado ao ombro esquerdo), mas, ontem, na conferência de Imprensa, o treinador leonino revelou que Gyokeres sofreu um toque num joelho e, apesar de ter sido dado como apto clinicamente, estava em dúvida na titularidade. 

Sistema:  3x4x3

Onze provável: Adán; Diomande, Coates e Gonçalo Inácio; Ricardo Esgaio, Morita, Hjulmand e Nuno Santos; Edwards, Gyokeres e Pedro Gonçalves 

Lesionados: Daniel Bragança e Iván Fresneda 

A figura - Gyokeres

Desde que chegou a Alvalade, o sueco depressa se tornou na referência do ataque leonino. Com 896 minutos, em 10 jogos na Liga, já marcou sete golos, sendo o melhor marcador dos verdes e brancos. Um físico impressionante, muita agressividade ofensiva e remate fácil são algumas das características que levam Gyokeres a ter grande influência na equipa, o que faz dele uma peça imprescindível para Rúben Amorim, que , como já foi referido, ainda não sabe se pode contar com o sueco no onze titular de logo à noite.

Antevisão do treinador Rúben Amorim: «O principal objetivo é regressar aos triunfos, a nossa grande prioridade, digamos assim. Preparámos ao máximo taticamente este jogo contra um treinador que ganhou cá no ano passado. Jogam muito bem, com três jogadores muito rápidos na frente, que depende também do avançado e as características da equipa mudam um bocadinho. Têm médios-centros que jogam muito bem, muito bons com a bola, e isso pode criar-nos problemas quando não temos bola. Portanto, um jogo complicado, mas queremos e precisamos de voltar às vitórias para seguirmos o nosso caminho.»

GIL VICENTE

A equipa de Barcelos vem de um ciclo de resultado periclitantes: ainda não conseguiu duas vitórias consecutivas (ganhou o último jogo com o Serpa, por  1-0, para a Taça de Portugal), ainda não conseguiu pontuar fora de casa (perdeu os seis jogos já realizados na qualidade de visitante) e só tem mais um golo marcado do que sofrido (23-22). 

Vítor Campelos é um treinador que se pode dizer que já ganhou em Alvalade, mais concretamente na época passada, quando orientava o Chaves, e pretende repetir a façanha. Os seus jogadores estão motivados, encontram no jogo desta noite uma boa oportunidade para se mostrarem e, claro está, cada ponto é bem-vindo rumo ao objetivo da manutenção (o Gil ocupa a 13.ª posição, apenas com mais um ponto do que os clubes da linha de descida). 

O médio Fujimoto, de 24 anos, foi apontado ao Sporting, mas Rúben Amorim descartou essa possibilidade. Ainda assim, mereceu elogios do treinador Vítor Campelos: «Quando cá cheguei lancei um repto ao Fujimoto porque estava a faltar-lhe golos e assistências. Creio que nesta altura já marcou mais golos e assistências e ainda temos muitas jornadas pela frente. É um jogador com bastante qualidade, ainda é jovem, ainda pode evoluir, trabalha muito bem, e ainda vai atingir patamares mais altos. Há momentos em que surgiu interesses noutros jogadores. Todos os treinadores gostam de ter os melhores jogadores, mas percebo que haja vontade de ter os melhores jogadores. Gostava de contar com o Fujimoto, mas tenho de estar preparado para perdê-lo.»

No que à equipa a apresentar em Alvalade diz respeito, o central Gabriel Pereira tem feito treino condicionado e está em dúvida, enquanto o avançado angolano Depú continua entregue ao departamento médico fazer tratamento, devido a lesão na coxa esquerda. Mas, nem tudo são más notícias para Vítor Campelos. Alipour regressou à competição na última terça-feira, tendo joga cerca de meia hora pelos sub-23– vitória por 4-2 frente ao Torreense. Recorde-se que o avançado iraniano esteve afastado dos relvados durante nove meses, na sequência de uma lesão no tendão de Aquiles do pé esquerdo. 

Sistema: 4x2x3x1

Onze provável: Andrew Silva; Zé Carlos, Gabriel Pereira, Rúben Fernandes e Kiko Pereira; Maxime Dominguez e Pedro Tiba; Murilo Souza, Fujimoto e Félix Correia; Roko Baturina

Lesionado: Depú

A figura - Félix Correia

O extremo, de 22 anos, formado no Sporting, que está em Barcelos emprestado pelos italianos da Juventus, tem-se destacado. É um desequilibrador no ataque, que não tem medo de ir cima dos defesas. Já marcou dois golos e fez duas assistências em sete jogos, tendo igualado o registo verificado em toda a época passada, ao serviço do Marítimo.

Antevisão do treinador Vítor Campelos: «O Sporting é uma equipa forte, não tem muitas fragilidades, mas, como é óbvio, não há equipas perfeitas e claro que não vou divulgar aquilo que podemos explorar. Sei o que é vencer em Alvalade, isso aconteceu no ano passado, apesar de ser por outra equipa. Sabemos que para vencer em casa dos grandes temos de ser muito concentrados durante todo o jogo, mais do que os noventa minutos e também, em determinados momentos, temos de ter uma pontinha de sorte.»