Pinto da Costa: «Villas-Boas achou que eu ia morrer mais cedo»
Pinto da Costa (Foto: Atlantico Press/IMAGO)

Pinto da Costa: «Villas-Boas achou que eu ia morrer mais cedo»

NACIONAL30.11.202320:27

Presidente do FC Porto falou à margem do Congresso de Agências de Viagem e Turismo, na Alfândega do Porto

Pinto da Costa esteve esta quinta-feira presente como orador, na companhia do ex-autarca Ribau Esteves e da ex-secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, no Congresso da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), que se realizou na Alfândega do Porto. Na ressaca da AG do clube, onde as contas foram aprovadas pelos sócios, o dirigente máximo dos portistas falou à margem do evento e foi duro com André Villas-Boas, lembrando que o treinador disse, no passado, que nunca se candidataria contra ele. «Isso só prova aquele ditado: 'nunca digas nunca'. Se calhar achou que eu ia morrer mais cedo, mas ainda vai ter de esperar para ir ao meu funeral», atirou, em declarações reproduzidas pela RTP. 

Sobre o desafio feito por Villas-Boas à SAD para devolver os prémios da época passada (1,6 milhões de euros), o líder portista foi direto ao assunto: «Estava era à espera que ele devolvesse os prémios que ganhou no FC Porto. Foi um fait-diver para criar algum stress, mas ninguém ligou ao que ele disse porque o que fez foi apelar ao voto contra as contas do clube, mas a maioria aprovou e quem se absteve, num sinal de bom senso, significa que não aprovava as contas mas não queriam criar um problema ao clube. O voto contra perdeu e foi uma derrota escusada de Villas-Boas. Se fosse à assembleia pedir para aprovar as contas e elas fossem reprovadas era uma derrota minha», assumiu. O dirigente não duvida que AVB vai às urnas: «Penso que sim, por todo o trabalho que ele tem feito, tem pessoas a trabalhar para ele, tem um gabinete de comunicação já a trabalhar há muito tempo. Se andasse com este trabalho todo e não fosse para se candidatar era tolinho.»

[André Villas-Boas] tem pessoas a trabalhar para ele, tem um gabinete de comunicação já a trabalhar há muito tempo. Se andasse com este trabalho todo e não fosse para se candidatar era tolinho.

Sem timing ainda definido para apresentar a sua candidatura - «Não desvendei a data porque ainda não decidi, quando o fizer, comunicarei primeiro a decisão aos meus dirigentes», avisou –, Pinto da Costa afirma que no mercado de inverno o FC Porto não terá necessidade de vender. «Não temos essa necessidade, mas se aparecerem propostas irrecusáveis... Ainda só recebemos 20 milhões de euros dos 60 milhões de euros do Otávio, por isso estamos tranquilos», afirmou.