Petit: «Vamos dar uma boa resposta»
Axadrezados não vencem há quatro partidas (Foto: IMAGO)

Petit: «Vamos dar uma boa resposta»

NACIONAL02.12.202314:24

Treinador do Boavista sublinha que a equipa «quer muito voltar às vitórias» após a eliminação da Taça de Portugal; cinco elementos do plantel vão falhar o duelo com o Arouca, por lesão, e outros quatro estão em dúvida

Na conferência de imprensa de antevisão ao Boavista-Arouca, a contar para a 12.ª jornada da Liga, Petit mostra-se confiante no regresso aos triunfos para os axadrezados, quatro encontros depois.

Após a queda da Taça de Portugal, aos pés do adversário de amanhã, o técnico dos boavisteiros não quer revelar muito acerca da equipa que vai defrontar os arouquenses: «Não vou abrir muito o jogo. Vou meter o Daniel (Sousa) a pensar, porque temos algumas ausências e tivemos de fazer muitas mudanças no jogo da Taça de Portugal. Temos alguns jogadores que podem estar, podem não estar. Temos ainda um treino amanhã, e, como digo, um dia faz alguma diferença. Vamos ver a resposta que vão dar e meter o melhor onze para dar uma vitória aos nossos adeptos».

O plantel das panteras tem sofrido uma razia nas últimas semanas, com várias lesões e queixas físicas a afastarem jogadores da competição. Cinco atletas estão de fora da partida frente aos arouquenses (Luís Santos, Augusto Dabó, César, Vincent Sasso e Miguel Reisinho), e quatro saíram do jogo a contar para a Taça com queixas (Bozeník, Martim Tavares, Salvador Agra e Rodrigo Abascal).

Boavista: eliminação da Taça deixa marcas e agrava onda de lesões

27 novembro 2023, 16:38

Boavista: eliminação da Taça deixa marcas e agrava onda de lesões

Além do desaire que ditou o afastamento da prova rainha, os axadrezados regressaram de Arouca com o lote de lesionados mais extenso; Bozenik, Agra e Abascal saíram com problemas físicos; Martim Tavares vai ser reavaliado e poderá ser baixa por mais tempo

Sobre as dificuldades de gerir uma equipa assolada por lesões, o treinador frisa que tal «faz parte do futebol» e que «os treinadores gostam de ter sempre o plantel todo à disposição, para a competitividade não só no jogo, como também nos treinos»: «Temos tido algumas dificuldades nesse sentido, na questão das lesões. Amanhã temos mais um treino, e vamos ver aquilo que é melhor para a equipa. Como treinadores, temos de trabalhar com aqueles que estão a 100 por cento, para darem uma boa resposta, e é isso que vai acontecer amanhã. É um jogo onde queremos muito voltar às vitórias, queremos mudar este ciclo que não está a ser positivo da nossa parte. Queremos minimizar os erros dos últimos jogos, que têm custado alguns pontos e no último caso, a Taça de Portugal. É nisso que nós trabalhamos e nos focamos, trabalhamos sempre com a mesma seriedade e amanhã vamos defrontar um adversário, que defrontámos no último jogo, para a Taça. Agora, para o campeonato, queremos dar uma boa resposta».

Petit cumpriu, recentemente, dois anos no comando técnico dos axadrezados, um momento especial para o treinador que pode servir de mote para inverter o ciclo negativo de resultados: «Os melhores momentos são quando consegues ganhar, é sinal de que a semana foi positiva, que o trabalho foi bem feito. Nós trabalhamos durante a semana, com sol, com chuva ou com frio. Preparámos aquilo que é o nosso processo e também o adversário, os pontos fortes e menos fortes que eles têm. Vamos tentar chegar ao jogo, tentar conquistar os três pontos e fazer com que os adeptos de orgulhem da equipa. É uma marca boa para mim, em termos pessoais, mas o mais importante, acima de tudo, é amanhã entrarmos com convicção e com a ambição de conquistarmos os três pontos, é esse o nosso objetivo», sublinha.

Daniel Sousa cumprirá o segundo encontro à frente do Arouca, depois da estreia que ditou a passagem na Taça de Portugal, precisamente diante das panteras. Petit afirma que a equipa técnica analisou o trabalho do ex-técnico do Gil Vicente quando estava no comando dos gilistas: «Nós tínhamos visto um pouco daquilo que ele trabalhou, e bem, no Gil Vicente, num 4x3x3 . Nós não fomos muito surpreendidos porque tínhamos visto aquilo. Também não teve muito tempo de trabalho, apenas 15 dias. Andaria sempre à volta do 4x3x3 ou do 4x4x2. Foi o que aconteceu, mas nós tomámos muito conta do jogo, entrámos muito bem no jogo e não fomos surpreendidos. Um ou outro pormenor custou-nos a vitória, tem sido assim nos últimos jogos. Mas analisámos, vimos aquilo que foi positivo e negativo, e vamos tentar não cometer esses erros amanhã. Quando somos uma equipa forte, os adversários também têm muitas dificuldades. Vamos jogar em nossa casa, perante os nossos adeptos e queremos muito voltar às vitórias. É essa a ambição e aquilo que tem sido dito aos jogadores.  Custa chegar a casa com a tristeza de não conseguir os três pontos, mas faz parte da nossa profissão, bons momentos, maus momentos. Temos de saber ultrapassá-los, minimizar os erros e valorizar aquilo que tem sido feito».

Os boavisteiros não vencem para o campeonato desde a 5.ª jornada, quando bateram o Chaves (4-1), mas Petit deixa uma garantia: «Quem me conhece sabe que não viro a cara à luta. Sempre foi assim, desde que sou treinador há oito anos».