Estrela: Gestão muscular nos gémeos obriga Miguel Lopes a parar
Miguel Lopes (de vermelho) concentrado no túnel de acesso do Estádio José Gomes, na Amadora. Foto: Maciej Rogowski/Imago.

Estrela: Gestão muscular nos gémeos obriga Miguel Lopes a parar

NACIONAL10.10.202315:33

Miguel Lopes falhou a deslocação ao Casa Pia por gestão muscular, estando ainda em dúvida a sua utilização no embate com o Vila Meã, pela Taça de Portugal

O Estrela da Amadora aproveita este momento de maior descompressão competitiva para recuperar os elementos que se encontram lesionados e que, por esse motivo, não constituíram opção no passado domingo, na deslocação a Rio Maior para uma partida bem-sucedida frente ao Casa Pia (vitória por 1-0). 

As ausências de Bruno Brígido (não deve voltar antes de fevereiro), Léo Cordeiro (acelera a recuperação e está em dúvida para a Taça de Portugal, no dia 21) e Vitó (caminha a passos largos para a recuperação) eram já conhecidas, juntando-se ainda Régis N’Do, como A BOLA deu conta esta segunda-feira e também Miguel Lopes, muito embora o veterano defensor não padeça de qualquer lesão.

O departamento médico aconselhou Miguel Lopes a parar devido a sobrecarga muscular, que indiciava um elevado risco de lesão nos gémeos. Desta forma, o jogador de 36 anos falhou a convocatória para o embate com o Casa Pia e está a ser gerido pelos responsáveis clínicos dos tricolores com todo o cuidado de forma a que o atleta recupere os níveis físicos pretendidos para que possa treinar-se com normalidade e competir sem quaisquer riscos de lesão muscular e consequente paragem.

Um processo que não é novo e que, por exemplo, tem vindo a ser efetuado no último mês e meio pelo Estoril relativamente a Eliaquim Mangala, num caso que pode servir como termo de comparação para Miguel Lopes na Reboleira. Face ao fim-de-semana sem competição ao nível de clubes, o experiente defesa - lateral de origem, mas que há cerca de um ano se converteu em central numa linha de três – poderá afastar a fadiga acumulada e regressar progressivamente à total integração no plantel.

Em função da sensibilidade da situação, o Estrela não pretende acelerar timings e avançar com prazos para o regresso, que apenas terá lugar quando o defensor, um dos capitães de equipa dos amadorenses, tiver a sua condição próxima dos 100%. Desta forma, está em dúvida para a deslocação a Vila Meã, referente à 3.ª eliminatória da Taça de Portugal e nesta altura não é líquida a sua utilização nessa partida.