Estrela – Boavista: Ausências de parte a parte em busca por vitória retemperadora
O treinador Sérgio Vieira gesticula no decorrer de um jogo para o Estrela da Amadora pela Liga de futebol. Foto: Atlantico Press/Imago,

Antevisão Estrela – Boavista: Ausências de parte a parte em busca por vitória retemperadora

NACIONAL10.12.202308:00

Tricolores e axadrezados partilham a ambição de pôr termo a sequências sem vitórias mesmo afetados por muitas ausências devido a lesão

Conhecidos pela sua vasta tradição, os dois conjuntos estão também próximos na classificação e separados por apenas três pontos - o Estrela, 12.º classificado, soma 12 pontos, ao passo que o Boavista, nono colocado, tem neste momento 15 - e o objetivo dos dois competidores será o de pôr termo a séries negativas de resultados já este domingo, pelas 15h30.

O jogo será conduzido pelo árbitro Iancu Vasilica, da AF Vila Real,  com Hugo Miguel (AF Lisboa) e Francisco Pereira (AF Santarém) como VAR e AVAR, respetivamente, reservando um histórico de confrontos rico - 32 embates - no qual o Boavista venceu por mais vezes, num total de 14. Porém, no que respeita ao Estádio José Gomes o emblema da Cidade Invicta apenas cantou vitória por duas vezes desde o arranque do século.

Na verdade, há 17 anos que o Boavista não vence em casa dos tricolores, mais precisamente quando venceu por 1-0 pelos oitavos de final da Taça de Portugal, a 8 de fevereiro de 2006, com um golo solitário de Hélder Rosário. Um incentivo histórico que parece abonar em favor do Estrela, que não perdeu nenhum dos últimos dois confrontos diretos com o seu adversário deste domingo.

Um incentivo histórico que parece abonar em favor do Estrela, que não perdeu nenhum dos últimos dois confrontos diretos com o seu adversário deste domingo.

ESTRELA DA AMADORA

Face às adversidades com que se tem deparado, o Estrela da Amadora tem cumprido um percurso sereno. Ainda assim, o indicador de que não soma vitórias há já mais de um mês, desde que, também na Reboleira, derrotou o Famalicão por 1-0, deixará alerta os responsáveis do clube amadorense.

O registo ofensivo do Estrela não é, também. famoso - partilha com o Famalicão o estatuto de segundo ataque menos produtivo da Liga - e tem sido na estabilidade a defender que os tricolores mais têm impressionado ao partilharem com o último classificado Arouca a oitava melhor defesa da prova (17 golos sofridos).

A tarefa estrelista tem ainda sido dificultada pelos muitos lesionados que se têm refletido em ausências na convocatória. Nas últimas semanas, Sérgio Vieira tem estado a contas com nove lesionados e já chegou a constatar mais de uma dezena de ausências. Só o tempo dirá se, perante o Boavista, o Estrela contará com um leque de opções mais vasto...

Sistema: 3x4x3

Equipa provável: Wagner Dida, Hevertton Santos, Kialonda Gaspar e Erivaldo Almeida; Jean Felipe, Léo Cordeiro, Vitó e João Reis; Léo Jabá, Ronald e Kikas.

Lesionados: Bruno Brígido, António Filipe, Johnstone Omurwa, Pedro Mendes, Mansur, Miguel Lopes, Pedro Sá, Aloísio Souza e Ronaldo Tavares. 

Figura: Ronald. Sendo certo que não tem estado no ataque do Estrela a verdadeira mais-valia da equipa, o brasileiro tem sido um indiscutível para Sérgio Vieira nas alas ofensivas - 12 jogos, sempre titular. Rápido e atrevido no 1x1, será fundamental para o desequilíbrio ofensivo junto da defesa adversária, especialmente na transição rápida.

Sérgio Vieira, treinador do Estrela da Amadora: «Até ao último instante, existirá ponderação do que será o melhor a ser decidido. No que refere ao corpo humano, o desporto e a medicina já nos provaram que há sempre algo por descobrir. Não é matemático e temos de ser ponderados. O fator tempo ajuda nessa ponderação, até ao último instante, de poder arriscar ou não. Podem acontecer entradas na convocatória e novidades para este jogo».

BOAVISTA 

O início de campeonato foi retumbante, com a liderança da competição por algumas jornadas...mas a pantera parece ter abrandado, apresentando-se em percurso descendente nos seus resultados no imediato e tendo em atenção as últimas semanas.

Numa perspetiva mais vasta no tempo, verifica-se que o Boavista já não vence para o campeonato há cinco jornadas e nas últimas quatro os axadrezados não somaram um único ponto. E a mais recente amostra foi a mais preocupante: derrota por 4-0 frente ao Arouca, lanterna vermelha da Liga...e no Bessa.

Um score que prejudicou de imediato o registo da defensiva boavisteira, que passou a ser a quarta mais batida de toda a Liga (24 golos). Ofensivamente, o rendimento do emblema do Bessa é mais regular e este pontifica como oitavo ataque mais produtivo da prova, com 19 golos apontados.

Tal como o Estrela, o Boavista tem sido fustigado por lesões, que afetam seriamente o setor defensivo: Petit corre o risco de apresentar uma equipa sem centrais de raiz, visto que Rodrigo Abascal apenas terá realizado um treino antes da partida de domingo, ficando a expectativa sobre a sua evolução até ao arranque da partida.

Sistema: 4x3x3 

Equipa provável: João Gonçalves, Salvador Agra, Rodrigo Abascal, Filipe Ferreira e Bruno Onyemaechi; Ibrahima Camara, Seba Pérez e Gaïus Makouta; Bruno Lourenço, Martim Tavares e Robert Bozénik. 

Figura: Salvador Agra. O seu conhecimento da realidade competitiva poderá ser fundamental para retirar o Boavista da atual situação. Em função dos problemas físicos que têm afastado o titular na lateral direita, Pedro Malheiro, e a inexperiência de Gonçalo Almeida (que ainda não soma minutos na presente temporada) foi adaptado na posição e tal pode voltar a repetir-se na Reboleira. Como lateral ou como externo, irá certamente acrescentar rotação ao flanco direito.

Petit, treinador do Boavista: «Nunca é fácil trabalhar debaixo de resultados negativos, mas temos de saber reagir. No ciclo positivo que tivemos trabalhámos bem e jogámos bom futebol, mas sabíamos do risco de perder dois ou três jogadores fulcrais. Temos de arranjar soluções e tentar minimizar os erros individuais que nos causaram algumas derrotas. Temos de passar das palavras às ações».