Rui Silva: «Não nos deslumbramos, porque queremos mais!»
Rui Silva garante que a vitória sobre a Noruega não vai tirar o foco à Seleção (IMAGO)

Rui Silva: «Não nos deslumbramos, porque queremos mais!»

ANDEBOL18.01.202421:00

Capitão da Seleção afasta cenário de euforia após vitória sobre a Noruega

Pouco mais de 24 horas depois de Portugal surpreender e vencer (37-32) a favorita Noruega no primeiro jogo da Main round do Europeu, A BOLA falou com o capitão dos Heróis do Mar, Rui Silva, e em vez de euforia encontrou… serenidade. A mesma tranquilidade com o central de 30 anos lidera o ataque de Portugal nas situações mais intensas. E que, assegura, é extensível a todos os companheiros.

«A equipa está muito motivada, mas com noção de que ainda só fizemos um jogo. É bom jogar sobre vitórias, mas já festejámos e isso ficou para trás. Agora vamos ter uma Eslovénia muito dura pela frente», antecipa.

Nesse sentido, Rui Silva entende o alerta deixado pelo selecionador, Paulo Jorge Pereira, imediatamente após o a vitória frente ao conjunto nórdico, pedindo aos atletas que não mantenham o foco para evitar a alternância exibicional que às vezes acontece após triunfos marcantes. 

«Estamos todos alertados porque depois de uma grande vitória, ficamos expectantes pelo que pode vir a seguir. Mas estamos num nível muito alto, com jogos muito intensos a cada 48 horas. Nada está feito, temos uma batalha muito dura e precisamos de estar no nosso melhor», receita.

Até porque uma vitória sobre a Noruega não assegura o objetivo traçado desde o início da competição e que passa pela conquista de uma vaga para o torneio pré-olímpico. «Com a experiência que temos vindo a ganhar em grandes competições, já não nos deslumbramos. Depois do que fizemos, temos de continuar no mesmo rumo porque ambicionamos mais e sabemos que a qualidade de todas as equipas é muito alta», reforça. 

A experiência de que fala o jogador começou em 2020. Antes disso, Portugal esteve 14 anos longe de grandes competições e daí para cá esteve em todas. E basta recuar quatro anos para encontrar uma situação muito semelhante à agora vivida pela Seleção. 

Rui Silva voltou após lesão e foi fundamental para a vitória de Portugal sobre a Noruega (IMAGO)

Nesse ano, Portugal também entrou na Main round com uma vitória surpreendente frente à Suécia, então vice-campeã europeia, e no jogo seguinte perdeu com… a Eslovénia. E isso é algo que o capitão garante estar na memória coletiva. 

«Toda a gente se lembra do que aconteceu em 2020. Falámos sobre isso, mas nem precisamos. Porque tal como com a Noruega a última vitória de Portugal tinha sido numa geração anterior à nossa, também não me lembro da última vez que ganhámos à Eslovénia [em 2011, no apuramento para o Euro2012]. E isso está também nos objetivos deste grupo: vencer adversários que há muito tempo Portugal não consegue derrotar», revela.

Depois de terem vencido o grupo D, ficando à frente da Noruega, os eslovenos perderam na abertura da segunda fase com a Suécia, mas Rui Silva não acredita que isso faça diminuir a confiança do adversário. 

«Acredito que até aumenta os níveis de alerta porque eles sabem que têm a oportunidade de lutar pelos primeiros lugares, como fizeram em 2020, quando chegaram às meias-finais e vêm com fome para nos vencer», realça, descrevendo o rival. «São uma equipa com jogadores muito experientes e matreiros. Taticamente, são muito bons e têm individualidades que fazem diferença», termina.