A nova jóia do Ajax fez com que o pai vestisse a camisola do eterno rival

A nova jóia do Ajax fez com que o pai vestisse a camisola do eterno rival

INTERNACIONAL06.12.202315:45

Com 17 anos, Jorrel Hato já capitaneou o Ajax e já se estreou pela seleção, curiosamente em Portugal. Como foi o seu percurso até chegar ao topo do futebol holandês e tornar-se um dos jogadores mais cobiçados da Europa?

Jorrel Hato é defesa, tem apenas 17 anos e já é uma das figuras do Ajax. Apesar da má forma do clube holandês que, a pouco e pouco, tem recuperado, Hato já é um titular habitual e já foi, inclusivamente, o capitão de equipa. Como surgiu este percurso do atleta, e que em criança até torcia pelo rival Feyenoord?

A formação

Jorrel Hato cresceu, desde os três anos, a cerca de um quilómetro de De Kuip, o estádio do Feyenoord. Este é, inclusivamente, o clube que o pai apoia desde que chegou aos Países Baixos, ainda adolescente, proveniente de Curaçau. 

Embora tenha crescido como adepto do Feyenoord, e existam fotos dele com essa camisola vestida, Jorrel nunca jogou no Feyenoord, apenas numa filial amadora do clube que, segundo diz o pai ao jornal Rijnmond, «não achava que ele era suficientemente bom». Representava o Sparta Roterdão quando, aos 12 anos, o Ajax bateu à porta. «Tive de pensar, mas não foi uma decisão muito difícil. Passei lá um bom tempo, deram-me espaço para ser quem sou», disse, do seu antigo clube, à página Voetbal Nieuws.

 Os dirigentes do Sparta revelam um misto de orgulho e desilusão, já que esta foi mais uma instância em que o clube de Amesterdão alicia os seus melhores talentos. O chefe de formação do clube de Roterdão, Dolf Roks, descreveu, também ao Rijnmond, que já na altura, «ele estava um passo à frente dos outros, não só fisicamente, mas também com a bola nos pés.»

A chegada à equipa principal

Jorrel sempre jogou nos escalões acima da sua idade e, aos 16 anos, durante um encontro com o Den Bosch, para a Taça da Holanda, fez a estreia na equipa principal. Estávamos em janeiro de 2023, e Hato tornava-se assim o terceiro mais jovem de sempre a atuar pelo Ajax, apenas atrás de Ryan Gravenberch e Clarence Seedorf. Poucos dias depois veio o primeiro jogo para o campeonato, na vitória por 5-0 frente ao Cambuur, em que jogou 17 minutos. As suas prestações iam convencendo, assim como a sua mentalidade de jogador, «sempre pronto a aprender», e nos últimos encontros da época foi titular a lateral esquerdo.

Hato tornou-se o terceiro mais jovem de sempre a jogar pelo Ajax (IMAGO)

Hoje, tem lugar indiscutível no onze, como central ou lateral esquerdo. Apesar de John van't Schip ser o quarto treinador que encontra desde a sua estreia, e do momento menos bom que o Ajax tem ultrapassado, é difícil dizer, para quem vê as exibições da equipa, que seja por causa do jovem central. Jogou todos os minutos de competição, excepto os dois encontros frente ao Ludogorets do playoff de apuramento para a Liga Europa.  A 14 de novembro, no encontro frente ao Almere City, Bergwijn foi substituído e passou-lhe a braçadeira, tornando Hato no mais jovem capitão da história do Ajax.

Primeiro golo e aposta com o pai

Como referido anteriormente, o pai é um adepto assumido do Feyenoord. «A maior parte dos meus amigos é do Feyenoord. Às vezes brincam: 'como é que ele te pôde fazer uma coisa destas?'. Já fiz uma aposta com ele, só visto a camisola do Ajax quando marcar o primeiro golo.»

Se tiver cumprido com a sua palavra, o pai de Hato já terá uma camisola do seu rival envergada. Isto porque o jovem central estreou-se a marcar no encontro do passado dia 25 de novembro, frente ao Vitesse (que foi, diga-se, uma jogada de belo efeito, sobretudo se tivermos em conta que foi conduzida por um defesa). E fez questão, na celebração, de procurar pelo pai. «Pensei nele quando marquei! Se vires o meu festejo, vês que estou a procurá-lo, ele agora sabe o que tem de fazer», disse, na entrevista rápida ao canal neerlandês NOS.

A primeira internacionalização

Em setembro, Jorrel Hato estreou-se pela seleção sub-21 dos Países Baixos, mas não tardaria a dar o salto maior. Dois meses depois, e devido às lesões de jogadores como van de Ven ou Matthijs de Ligt, Ronald Koeman precisou de chamar mais um defesa, e a escolha recaiu sobre o jovem central. Para além de ser convocado pela primeira vez, teve direito aos seus primeiros minutos na goleada por 6-0 frente a Gibraltar, em jogo disputado no Estádio Algarve.

Jorrel Hato estreou-se pela seleção dos Países Baixos frente a Gibraltar (IMAGO)

O futuro de Hato e a cobiça dos tubarões

Um jovem de 17 anos, vindo de uma escola de renome como a do Ajax e a «nadar na piscina grande» tão novo, é o alvo ideal para observação de vários clubes de topo. Nos últimos tempos, vários rumores de transferências vão aparecendo, com clubes como Real Madrid, Chelsea, Liverpool ou Arsenal vistos como candidatos a abrir os cordões à bolsa para garantir os serviços do central. 

Nos dias que correm, em que se vêem valores exorbitantes pelo mercado fora, uma transferência milionária de Jorrel Hato não seria, de todo, descabido. E quem sabe se esse «salto» não estará para breve? Para já, o próximo encontro é para a Eredivisie e, nem de propósito, contra o Sparta de Roterdão, o seu primeiro clube.