Estoril moralizado, mas sem excesso de confiança: «Não jogamos sozinhos»
O treinador do Estoril Praia, Vasco Seabra, abraçado a Rafik Guitane, com Raúl Parra (à esquerda) e Koba Koindredi (à direita) nas proximidades. Foto: Atlantico Press/Imago.

Estoril moralizado, mas sem excesso de confiança: «Não jogamos sozinhos»

NACIONAL09.12.202316:38

Vasco Seabra mostrou-se satisfeito pelo momento favorável que os canarinhos atravessam, mas garantiu não existir euforia no grupo de trabalho, que apenas se foca na receção ao Desportivo de Chaves, marcada para este domingo

Somente três dias após o Estoril ter alcançado um histórico e moralizador apuramento para a final four da Taça da Liga com uma vitória sobre o FC Porto (3-1), Vasco Seabra apenas aponta ao próximo adversário, o Desportivo de Chaves, e uma exibição condizente de forma a somar vitória perante um adversário que soma precisamente os mesmos pontos que os canarinhos no campeonato.

«A seguir à vitória no Dragão (pela Liga, há pouco mais de um mês) fizemos um excelente jogo contra o Casa Pia e continuo a achar que fizemos um excelente jogo contra o Mafra. Apenas foi um jogo difícil porque o Mafra foi muito capaz e temos a certeza de que não jogamos sozinhos e por isso há adversários que nos colocam em fragilidade e em momentos difíceis durante muitas partes do jogo», alertou o treinador do emblema da Amoreira.

Na conferência de imprensa de antevisão à receção aos transmontanos, agendada para a noite deste domingo, Vasco Seabra assinalou que a atitude e o compromisso para cada jogo terão de ser inegociáveis para que o conjunto se mantenha na rota dos resultados positivos.

«A nossa atitude e predisposição, a nossa forma de enfrentar as coisas e o nosso comportamento, tudo isso nós controlamos e para isso temos de sentir que terminamos o jogo de cabeça erguida, independentemente do que acontecer. É isso que tem que ver connosco e é a parte em que nós estaremos ligados», prometeu, garantindo não existir no seio do plantel qualquer sensação de euforia desmedida.

«Nunca há tempo para euforias. Nem para depressões, nem para euforias. Há tempo para equilíbrio e para sabermos que o nosso foco tem de estar no nosso limite, está no nosso melhor. O que aconteceu na quarta-feira já ficou lá, já não vai mexer em nada no que vamos fazer e sabemos que teremos pela frente um adversário muito difícil, que nos vai exigir concentração máxima», antecipou, com cautelas.

Para derrotar o Desportivo de Chaves, Vasco Seabra assegura ser necessário «estarmos no nosso melhor e no nosso foco máximo» e que continuará a colher os frutos de liderar um plantel vasto em opções capazes de dar boa resposta quando chamados a jogo, como tem provado com as constantes trocas em todos os setores nos tempos mais recentes.

«Essa é a alegria de um treinador, poder dizer está aqui. Joga e desfruta do jogo por aquilo que tens apresentado nos treinos, mostra que tens capacidade para fazê-lo.’ Isso tem sido um mérito dos jogadores e é um caminho que queremos seguir”, garantiu Vasco Seabra, que mostrou o seu apreço pelos adeptos do Estoril e o carinho que têm dedicado ao plantel que comanda.

Visivelmente agradecido, o treinador estorilista assinala que os seus jogadores sentem o apoio que provém das bancadas e que tal contribui para uma predisposição ainda mais positiva para cada jogo. «Traz-nos uma dinamização ainda maior os jogadores sentirem esse ‘calor’, esse apoio, que ainda agora no último jogo, que é sempre um jogo difícil para nós conseguirmos também ter superioridade nas bancadas, sentimo-lo. Sentimos sempre um apoio muito grande e só temos de correr ainda mais por eles e valorizar o apoio deles», incentivou, feliz pela harmonia que se tem verificado entre grupo de trabalho e massa adepta.