Duarte Gomes analisa arbitragem do Barcelona-FC Porto
Daniele Orsato (Foto: Fotostyk/IMAGO)

Duarte Gomes analisa arbitragem do Barcelona-FC Porto

INTERNACIONAL28.11.202323:59

Especialista A BOLA falha num trabalho competente

Daniele Orsato deslocou-se ao Olimpic Lluis Companys, para dirigir o FC Barcelona-FC Porto.
Massimiliano Irrati desempenhou a função de VAR. 

Orsato tem 48 anos e quase 30 de carreira. No seu currículo conta com jogos marcantes, como a final da Champions League de 2019/20. Foi considerado (pela IFFHS) o melhor árbitro do mundo no ano civil de 2020.

Na Catalunha, fez um trabalho competente. Apesar de um ou outro equívoco, é notória a forma como sabe dirigir jogos deste nível.

Segue análise técnica aos lances mais relevantes do encontro: 

15' A bola tocou em Orsato e mudou de posse (do FC Porto para o Barça), obrigando o internacional italiano a efetuar um lançamento de bola ao solo. Este tipo de situações resultam quase sempre de má colocação momentânea do árbitro. Foi o que aconteceu.

26' Golo bem anulado ao FC Porto. No momento do desvio de cabeça de Evanilson, Taremi estava mais perto da linha de baliza adversária do que o penúltimo defensor (o último era o guarda-redes). Boa decisão do árbitro assistente, validada pelo VAR. 

27' Alan Varela efetuou carrinho deslizante com algum risco, dividindo o toque na bola com De Jong. A entrada do médio argentino foi dura e no limite para a advertência.

30' O FC Porto inaugurou o marcador: no momento do remate de Galeno à baliza adversária, Pepê (mais à direita) estava em posição legal. O jogador brasileiro fez a recarga com sucesso. Mais descaído à esquerda estava Evanilson, que estando em fora de jogo posicional, não tocou na bola nem interferiu na ação dos adversários. Golo bem validado. 

32' O Barcelona empatou na sequência de finalização bem sucedida de João Cancelo, a concluir jogada legal do ataque blaugrana

36' Fábio Cardoso abraçou ostensivamente De Jong, impedindo-o de sair a jogar. A infração, não sendo perigosa, foi antidesportiva e bem punida com a primeira advertência da partida. 

37' Desta vez foi o médio neerlandês a devolver a cortesia, no caso agarrando Evanilson que o tinha driblado em velocidade. Daniele Orsato manteve a coerência (e acerto), exibindo o cartão amarelo ao jogador do Barcelona.

44' Inaki Pena saíu ao cruzamento, desviando a bola com a luva direita. Na sequência desse movimento, o guarda-redes catalão tocou no rosto de Fábio Cardoso, que disputou com ele o lance aéreo. A intervenção de Pena não teve nada acima ou a mais do que o normal naquela circunstância. Lance bem analisado pela equipa de arbitragem. 

52' Erro de Orsato, ao não detetar infração subtil de Inigo Martinez sobre Evanilson. O defesa espanhol tentou desviar a bola, mas atingiu apenas o pé direito do adversário, depois deste tentar o passe para Taremi. A imprudência do espanhol devia ter valido um pontapé-livre direto favorável ao FC Porto, perto da área do Barça e em zona frontal.

56' João Mário impediu a rotação (e progressão) de João Félix, agarrando o adversário pela camisola. Foi bem advertido pela sua ação antidesportiva. 

59' João Félix pontapeou o pé de Pepê, já depois do adversário passar por si e sem que a bola estivesse em disputa. A abordagem negligente do português foi bem sancionada com cartão amarelo. 

71' No momento do passe de Pepe, Evanilson estava ligeiramente adiantado, em posição irregular. O avançado brasileiro isolou-se e rematou com perigo, mas o lance foi depois bem anulado pelo árbitro assistente. 

74' João Cancelo foi mais rápido no drible e acabou por ser derrubado por Pepê de forma antidesportiva. Esteve bem o árbitro italiano ao mostrar-lhe o merecido cartão amarelo. 

76' Corte de risco mas legal de Ronald Araújo sobre Galeno, perto da área da equipa da casa. O central brasileiro do Barcelona tocou apenas na bola, não cometendo falta sobre o seu adversário. 

90' Francisco Conceição efetuou tackle deslizante à bola, sendo depois pisado na perna direita por abordagem tardia e negligente de Baldé. Orsato não se apercebeu, mas a infração justificava advertência. 

Nota 7: trabalho competente