Di María volta ao onze para recuperar a Argentina
Ángel Di María em ação no último jogo da Argentina, frente ao Uruguai (Foto: Sebastian Frej/IMAGO)

Di María volta ao onze para recuperar a Argentina

NACIONAL18.11.202317:28

Benfiquista apontado à titularidade, no Brasil, depois da derrota frente ao Uruguai

Ángel Di María é uma das soluções para a Argentina voltar às vitórias, no Estádio Maracanã. De acordo com a imprensa local, em particular o jornal Clarín, tudo aponta para que o selecionador nacional Lionel Scaloni devolva ao extremo benfiquista o estatuto de titular, depois de ter sido suplente utilizado frente ao Uruguai, sexta-feira, partida que os campeões do mundo perderam por 0-2, no La Bombonera, casa do Boca Juniors, em Buenos Aires.

É grande a expectativa à volta do grande clássico da América do Sul. O Brasil está numa posição muito debilitada, ocupando a 5.ª posição do grupo de qualificação para o Mundial-2026 da Conmebol, com apenas sete pontos conquistados, menos cinco que os rivais - em 2023, foram tantos os jogos que os brasileiros não venceram como aqueles que ganharam (três vitórias, um empate e quatro derrotas).

Para a albiceleste, que continua a liderar o grupo, apesar da derrota frente à equipa de Ugarte e Darwin Núñez, ganhar no Rio de Janeiro e fragilizar ainda mais o Brasil é um ponto de honra e daí esperar-se uma equipa de gala, com a presença de Di María na formação inicial. 

Talismã no Maracanã

Será o regresso do esquerdino de 35 anos ao Maracanã, depois de ter sido o herói dos argentinos a 11 de julho de 2021, na final da Copa América. A Argentina venceu, no palco histórico, a equipa da casa, por 1-0, com o golo a ser apontado por Di María. Foi a única vez que o futebolista natural de Rosario marcou diante dos canarinhos, em oito partidas realizadas, num percurso que começou em 2010.

Se nada de extraordinário suceder, o autor de um dos golos na final da albiceleste no Mundial-2022, no Catar, será então titular na madrugada de quarta-feira (horário de Lisboa, noite de terça-feira no Rio de Janeiro), tal como Otamendi.

O desaire frente ao Uruguai foi a segunda derrota da Argentina nos últimos 50 jogos. A outra ocorreu com Arábia Saudita, na estreia no Mundial no Médio Oriente, o tal jogo em que Messi exigiu à equipa mostrar que era «um grupo de verdade». Mesmo que não tenha o mesmo caráter dramático, os argentinos exigem o regresso aos triunfos. E com Di María no onze.