Sérgio Conceição: quando uma renovação deixa mais dúvidas que certezas
Pinto da Costa e Sérgio Conceição (DR/FC Porto)

Sérgio Conceição: quando uma renovação deixa mais dúvidas que certezas

NACIONAL30.04.202401:30

Treinador não é conclusivo sobre o tema; vai explicar contrato até 2028 em breve; reunião com André Villas-Boas antes ainda da final da Taça de Portugal

Um contrato renovado até 2028 não devia suscitar dúvidas a ninguém, independentemente do timing e das razões, profissionais ou de coração, que levaram Sérgio Conceição a chegar a acordo com Pinto da Costa para a extensão da ligação, a dois dias da eleição para os Órgãos Sociais do FC Porto. Mas com a derrota de Pinto da Costa nas urnas, e sabendo-se que há uma cláusula que permite anular o contrato a custo zero, um manto denso de dúvidas (e poucas certeza) desceu sobre o tema.

«Os sócios são soberanos, temos de respeitar e sentarmo-nos como o novo presidente, o André. Sentar-me-ei com ele, sou funcionário do clube, para o bem comum que é o FC Porto», afirmou o treinador, no final do clássico com o Sporting, abordando ainda a sua renovação: «Entendo o espanto. Se calhar é o timing mas vão saber o motivo e vou dizê-lo a quem de direito.»

O primeiro dado objetivo é justamente este: a total disponibilidade de Conceição para se reunir com Villas-Boas depois deste tomar posse, o que tem de acontecer até dia 12. O presidente eleito quer antecipar a data, até porque há uma diferença temporal significativa, que pode ser de três ou quatro semanas, entre a tomada de posse no clube e na SAD. Isso não será, em princípio, relevante, a conversa com o técnico acontecerá sempre antes da final da Taça de Portugal, frente ao Sporting, marcada para 26 de maio, no Estádio Nacional, mesmo que Pinto se mantenha em funções na SAD até lá.

Quanto ao timing da renovação, que irá dizê-lo a «quem de direito», Sérgio Conceição não estava a falar de AVB, mas para fora, para o contexto do universo azul e branco, a quem explicará a decisão. Quando? Só Conceição saberá, mas é do interesse do técnico que o ruído provocado pelo estrondoso desfecho da eleição, e a mudança de líder ao cabo de 42 anos, não interfere na preparação da partida da Taça.

MAIS OU MENOS PODER?

Aqui chegamos a outro dado objetivo: seja qual for a conclusão a que chegue depois de falar com Villas-Boas, Sérgio Conceição está empenhado em fechar a temporada 2023/24 com um título, depois de uma campanha interna bem abaixo das suas expectativas. Já na Liga dos Campeões, o desempenho foi bem acima do esperado, em função das armas que tinha: o FC Porto foi eliminado nos oitavos de final pelo Arsenal, nas grandes penalidades, num percurso que se traduziu na entrada de 63.5 milhões nos cofres da SAD.

Conceição quer, naturalmente, perceber a orientação do projeto desportivo dos portistas e se difere do quadro de dificuldades que enfrentou desde que assumiu o comando, em 2017. Há uma estrutura montada, com Andoni  Zubizarreta como diretor desportivo e Jorge Costa, de quem o técnico foi outrora próximo, no papel de diretor para o futebol profissional, além de outros elemento dedicados à causa. «Uma estrutura funcional, bem estruturada, com cargos bem delineados na formação, no scouting, na performance e no seu todo, na direção desportiva. Muitas vezes substitui o papel do treinador para que ele possa dedicar-se apenas à função específica que é orientar a equipa», situou Villas-Boas, em entrevista ao Observador, juntando, ainda a propósito de Conceição: «Foi um treinador muito interventivo e com muito poder numa organização. Acontece também fruto das suas competências e do que ganhou, provavelmente substituiu-se a muitas pessoas dentro da estrutura. Foi diretor desportivo, foi diretor de scouting, foi motivador, foi diretor de comunicação…»

Na festa da sua eleição, AVB garantiu não ter «substituto para Sérgio Conceição» e, no final do clássico frente ao Sporting, até elogiou a estratégia do treinador: «As circunstâncias do jogo acabam por acontecer por distrações que acabam por penalizar o resultado, mas a equipa esteve muito bem preparada. Não merecia este desfecho.»

TROFÉUS E RECORDES

Treinador com mais jogos (375) vitórias (270) e troféus (10) ao serviço do FC Porto é também aquele que está há mais anos consecutivos no comando dos azuis e brancos, detendo o recorde de pontos na Liga, 91, obtido na edição 2021/2022, naquele que foi o 30.º título de campeão nacional na história do clube. Foi campeão em três ocasiões (2017/18, 2019/20, 2021/22), venceu três Taças de Portugal (2019/20, 2021/22, 2022/23), três Supertaças (2018/19, 2020/21, 2022/23) e deu a primeira e até agora única Taça da Liga ao FC Porto (2022/23).

Depois do adeus do presidente com mais títulos e longevidade do futebol mundial, faltam dar alguns passos para compreender o futuro do treinador do FC Porto com mais troféus, e, também ele, um caso singular, por estar há tanto tempo no comando da equipa.

Vídeos

shimmer
shimmer
shimmer
shimmer