Estoril: No futebol virtual, a ambição por títulos é bem real
Equipa de Esports do Estoril foi apresentada no Estádio António Coimbra da Mota. Foto: Estoril Praia SAD.

Estoril: No futebol virtual, a ambição por títulos é bem real

NACIONAL16.11.202323:49

Equipa de Esports dos canarinhos é detentora da Taça da Liga e tem conquistas internacionais no currículo, ambicionando conquistar todos os títulos nacionais na presente época

Não é apenas no futebol propriamente dito que o Estoril disputa a Liga principal e, neste caso, apresenta uma ambição ainda maior – no que aos Esports dizem respeito, os canarinhos têm uma tradição rica e a ambição de vencer todas as competições, defendendo inclusivamente o título da Taça da Liga (Taça eLiga), disputada precisamente no mesmo fim-de-semana e local no qual o FC Porto arrecadou o título da Taça da Liga em futebol, em Leiria. Um Estoril que é uma verdadeira força a temer neste registo, o que muito orgulha o seu capitão e fundador, Pedro Mota.

Nos Esports, o Estoril forma a sua equipa em parceria com a 22 Esports, participou em diversas competições nacionais e internacionais e venceu várias delas, como explica o responsável. «Com o Estoril Praia, começámos logo no nosso segundo ano a sermos campeões europeus na Europa League de Pro Clubs 2020 e também semifinalistas da Liga dos Campeões, também na parte de Pro Clubs. No 1x1, que é o mais conhecido em Portugal, fomos à Masters da FPF – na altura, não haviam as competições da eLiga», elencou, com orgulho.

Na época passada, o Estoril/22 Esports garantiu ainda a presença nas finais da Supertaça em Pro Clubs e da eLiga, parecendo por isso correr sobre rodas, com uma divisão harmoniosa de naming e responsabilidades - «Estoril Praia para a eLiga, tudo o que seja FPF ou europeu é com a 22 Esports», explica Pedro Mota, que anunciou ainda que as camisolas do Estoril serão vistas com ainda maior frequência visto que, indica, «este ano haverão algumas mudanças porque a eLiga, em princípio, também prevê possíveis provas europeias».

Pedro Mota, ou .gnomo, como é conhecido no mundo virtual, aponta os canarinhos, via dos resultados conseguidos, como candidatos a representar Portugal nessas inéditas competições. «Há que ter um lugar na eLiga e, dependendo dos resultados, consegue-se um lugar nas provas europeias», determina, esperançoso e realizado com o projeto de Esports do Estoril, que se reveste de um êxito que, na sua grande parte, se atribui a Bruno Gonçalves - ou Insert, como o mundo dos Esports o conhece, que revolucionou o futebol virtual do Estoril/22 Esports.

Insert assume funções de treinador e lidera uma equipa estruturada que faz da continuidade a sua principal arma. «O Insert já está connosco desde o início, mas no Pro Clubs. Entretanto, decidimos que ele passaria para treinador principal de 1x1, mantivemos o Diogo Silva e o Pedro Pinheiro na altura e contratámos o Peter, sendo que os jogadores principais eram o Diogo e o Peter», apresentou, sublinhando a aposta nestes jogadores de Esports que está a revelar-se certeira.

Ambos os jogadores ostentam pergaminhos, não apenas em Portugal como além-fronteiras, bastando olhar aos resultados: Peter Gonçalves ou, mais concretamente, Peter16, já terminou no top 16 em Europeus por três ocasiões e também alcançou os play-offs do Mundial 2023, em Londres, ao passo que Diogo ostenta o estatuto de vice-campeão nacional da FPF. 

Dois casos que Insert considera verdadeiros exemplos de formação nos Esports tal como acontece no futebol, sendo esse o procedimento do Estoril para compor o seu plantel ao invés de fazer investimentos mais avultados. «Esse é o nosso modus operandi – depois de os recrutarmos e analisarmos, percebemos internamente que ferramentas devemos utilizar para potenciar o talento de cada jogador. São formados para competirem internamente com os jogadores mais experientes e depois chegarem à competição», descreveu, dedicado.

Insert explica que os fundamentos do futebol virtual são muito semelhantes aos do real. «São momentos muito curtos em que o jogador passa por momentos de stress muito elevado, está até comprovado que melhores índices físicos estão associados a uma melhor performance desportiva, mesmo no mundo virtual. Passa muito por potenciar os nossos atletas, analisar os nossos adversários e a única diferença, grande neste aspeto, é a capacidade que temos de analisar três e quatro adversários contra os quais jogaremos no mesmo dia», comparou.

O treinador não escondeu, por fim, as pretensões da equipa para a temporada que se avizinha. «Mais visibilidade, mas também mais responsabilidade no que fazemos no dia-a-dia e para nós não há outra forma de olhar para a competição, a não ser defender o nosso título e dar o nosso melhor nos nossos treinos e nos nossos jogos e portanto o caminho não pode ser outro. Queremos chegar às fases finais de todas as competições, pois acredito que o mais importante para uma equipa é estar presente nas finais», propôs, confiante sobre o trabalho realizado.