Quanto custaram os nórdicos do Benfica
Andreas Schjeldrup, extremo das águias

Quanto custaram os nórdicos do Benfica

NACIONAL07.09.202312:04

Fredrik Aursnes, Andreas Schjelderup e Casper Tengstedt representam um investimento global acima dos €38 milhões

A SAD do Benfica, no Relatório e Contas de 2022/2023, divulgado na quarta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), esclareceu os investimentos feitos em várias contratações e explicou as operações financeiras que permitiram colocar na Luz o extremo norueguês Andreas Schjelderup e o ponta de lança dinamarquês Casper Tengstedt, em janeiro.

Schjelderup foi contratado com somente 18 anos ao emblema dinamarquês Nordsjaelland e o negócio ficou fechado por €14,030 milhões.

Casper Tengstedt, de 23 anos, chegou do Rosenborg e a operação com o clube norueguês fixou-se em €10,051 milhões.

As verbas apresentadas em relatório englobam a aquisição dos direitos desportivos e financeiros dos jogadores, assim como os encargos da SAD dos encarnados com serviços de intermediação e mecanismo de solidariedade, além da totalidade das variáveis possíveis pelo cumprimento de objetivos.

No domínio das apostas em jogadores nórdicos para o plantel, ficou igualmente claro o gasto do Benfica na contratação de Fredrik Aursnes ao Feyenoord, em 2022 – o médio norueguês, de 27 anos, custou €14,668 milhões, contando também os possíveis bónus por objetivos e restante custo de toda a operação

No que diz respeito ao retorno desportivo imediato, os três jogadores estão em planos distintos.

Aursnes fez uma última época, de estreia, muito boa (3 golos e 3 assistências em 42 jogos) e é um dos imprescindíveis nas habituais equipas titulares de Roger Schmidt.

Casper Tengstedt praticamente não teve utilização na segunda metade da temporada passada, mas ficou no plantel e nesta já marcou um golo, o primeiro na vitória por 2-0 frente ao E. Amadora, na 2.ª jornada da Liga. Porém, a concorrência no ataque é muito forte e o espaço para o dinamarquês parece reduzido. Para o lugar de ponta de lança correm também o brasileiro Arthur Cabral e o croata Petar Musa e ambos parecem estar à frente de Tengstedt.

Finalmente, Andreas Schjelderup. O extremo norueguês, de 19 anos, agora em representação dos sub-21 do seu país, fez uma pré-temporada muito interessante, mas percebeu que com Di María, Neres, João Mário, Aursnes, Tiago Gouveia  e Gonçalo Guedes para as alas as suas possibilidades de ter minutos seriam poucas. Pediu para sair e seguiu para o ponto de partida – foi cedido ao Nordsjaelland até final desta temporada, sem opção de compra.

O Benfica continua a apostar muito neste jogador. Admitia, no entanto, vender o passe de Andreas já em agosto, mas nunca por valores inferiores a €15 milhões.

De qualquer forma, a cedência ao Nordsjaelland acabou por ser uma boa solução para todas as partes, como, aliás, explicou Rui Costa, presidente do Benfica, quando esta semana detalhou a atuação dos encarnados no mercado de verão – emprestar o jovem permite subtrair  €2,5 milhões ao valor que o Benfica tinha acordado pagar pela contratação.