«Sinto-me em casa no Liverpool»
Diogo Jota ao serviço do Liverpool, contra o Newcastle. Foto: IMAGO/Colorsport

«Sinto-me em casa no Liverpool»

INTERNACIONAL04.01.202421:45

Atacante português chegou aos 50 golos pelo gigante de Inglaterra e agradeceu o apoio dos adeptos no jogo em que voltou da lesão (e marcou), frente ao Burnley

Diogo Jota está de volta aos jogos pelo Liverpool, depois de uma ausência prolongada devido a lesão. O atacante português regressou em grande, ao ter contribuído com um golo na vitória frente ao Burnley, e com uma assistência contra o Newcastle. Em entrevista ao site oficial do Liverpool, o avançado falou sobre a lesão nesta fase da época, a ausência de Salah em janeiro (vai representar o Egito na CAN), 50 golos pelos reds e outros temas.

Ausente das convocatórias de Klopp durante um mês, Jota considera que dezembro «é provavelmente o pior mês para se lesionar, devido à quantidade de jogos que a equipa tem». De qualquer forma, mostrou-se contente por a equipa ter conseguido obter resultados positivos: «Pelo menos, a equipa em campo estava a conseguir os três pontos, apesar de não termos conseguido vencer duas vezes em casa, o que foi talvez o pior, mas mesmo assim conseguimos evitar a derrota e conseguimos estar no topo do campeonato. Volto agora e quero ajudar, especialmente este mês em que perdemos mais dois jogadores, [Wataru] Endo e Mo, precisamos de todos em forma e prontos para ajudar.»

Jurgen Klopp não vai poder contar com Mohamed Salah, uma vez que o extremo vai representar o seu país no CAN. Não obstante, Jota acredita que a equipa vai conseguir dar uma boa resposta perante a ausência da estrela principal: «Se bem me lembro, estivemos muito bem há dois anos, mas nunca é fácil porque a equipa está habituada a ter o Mo naquela ala direita e sabemos o perigo que ele representa para o adversário. Só a sua presença, mesmo sem tocar na bola, é suficiente.»

«Não vamos ter isso, é uma certeza, por isso temos de nos adaptar. Por outro lado, sei que temos qualidade neste plantel para fazer com que a sua ausência pareça que não está a acontecer, e espero que assim seja. Sabemos que com ele será mais fácil, mas estamos todos prontos para tentar», reiterou.

Sobre o seu golo no jogo em que regressou após ausência por lesão, o atacante disse aos canais do Liverpool: «Contei esta história, mas foram 24 horas especiais, porque não estava à espera de fazer parte do plantel. Estava com a família em casa no Natal e disse: "Olhem, não podem viajar amanhã porque vou fazer parte da equipa contra o Burnley, por isso quero que vocês estejam lá comigo e, já agora, vou marcar». E acrescentou: «Mudámos tudo, eu também tinha este festejo preparado, e fiquei muito contente quando a bola entrou. Acho que o Jurgen disse, e fez todo o sentido, que eu sou um rapaz cheio de convicção, e isso é verdade. Foi um momento especial para mim e para a minha família e todos ficaram felizes no final.»

Sobre o apoio dos adeptos do Liverpool e a receção que lhe fizeram no jogo frente ao Burnley, o atacante disse que «é um sentimento de orgulho», agradecendo por o reconhecerem como «uma parte importante da equipa».

«Assim que saio para aquecer, viram-me e começaram a cantar. Sentimos que tudo está no lugar certo naquele momento e só queremos entrar em campo e fazê-los sorrir no final, como eu fiz. Foi uma noite perfeita, embora estivesse muito frio!», frisou.

Diogo Jota contra o Burnley. Foto: IMAGO/News Images

O golo que selou a vitória nesse jogo foi também o 50.º ao serviço do Liverpool. O ex-FC Porto referiu que «na altura não sabia, não tinha consciência de que seriam 50, mas é uma boa marca», acrescentado que «apesar da lesão» e do tempo que esteve de fora, é «um feito e mais um motivo de orgulho». E prosseguiu: «De certeza que não sou o mesmo jogador que entrou em campo pela primeira vez há três ou quatro anos. Penso que estou melhor agora, compreendo melhor o jogo, sinto-me em casa e sempre que entro em campo sei o que significa para estes adeptos e o que tenho de fazer para ajudar a equipa a ganhar jogos de futebol, e isso, no fim de contas, é o que todos querem.»

Por fim, o jogador garantiu que se sente pronto para dar o seu contributo no que resta da época: «Estou fresco, sim, mas é óbvio que é uma quebra de ritmo. Joguei 10 minutos contra o Burnley e meia hora contra o Newcastle, por isso ainda estou a evoluir e espero que na taça possa jogar mais alguns minutos. Ainda estamos a construir o nosso projeto; embora eu possa estar fresco, há aquele ritmo que obviamente se perde quando se fica de fora durante um período de tempo.»