Estoril – Farense: Dois candidatos a terminar o ano em beleza
O Estádio António Coimbra da Mota antes do aquecimento para o jogo entre o Estoril e o FC Porto, pela Taça da Liga em futebol. Foto: DR.

Antevisão Estoril – Farense: Dois candidatos a terminar o ano em beleza

NACIONAL30.12.202308:00

Canarinhos e algarvios têm representado dois bons exemplos de qualidade e resultados promissores nos tempos mais recentes, procurando terminar 2023 a confirmá-lo

Será na Linha de Cascais, mais precisamente no Estádio António Coimbra da Mota, que se defrontam duas equipas que têm vindo a impressionar nas últimas semanas e que pretendem terminar o ano civil da melhor forma: o Estoril pela qualidade exibicional e a cadência de resultados que tem demonstrado especialmente nos últimos dois meses, e o Farense pela consistência e capacidade defensiva que tem demonstrado nas últimas duas jornadas, nas quais salvaguardou duas igualdades importantes para as suas aspirações.

O Estoril ocupa uma posição estranhamente incómoda tendo em conta as boas prestações e resultados que tem realizado (14.º), algo apenas justificável pelo periclitante início de temporada que levou a que os canarinhos surgissem em outubro no último posto da classificação da Liga. Com apenas uma derrota nas últimas cinco jornadas disputadas, o Estoril mostra boas credenciais, mas terá de voltar a confirmá-las e vencer sob possibilidade de regressar aos lugares de despromoção no final da jornada.

Já o Farense, em posição mais tranquila – oitavo posto, partilhando o sétimo com o Famalicão – encontra nesta jornada mais um aliciante: em função de os famalicenses terem defrontado esta sexta-feira o Benfica e não evitado a derrota (3-0), o seu lugar na tabela está à mercê de um resultado positivo dos algarvios, que apenas precisam de empatar para conquistaram o sétimo posto e isolarem-se relativamente aos já referidos minhotos e também o Arouca, que na quinta-feira goleou o Estrela da Amadora, na Reboleira (4-1).

ESTORIL

A passagem de Vasco Seabra pelo comando técnico do Estoril tem-se pautado pelo sucesso: agarrou o comando técnico da equipa com esta em situação complicada, no último posto e em crise de resultados, para melhorar a eficácia defensiva e até aprimorar a qualidade exibicional, com apenas quatro derrotas em doze jogos disputados, agregando todas as competições. Desta forma, o emblema da Linha de Cascais mantém-se em competição em ambas as Taças e mantém uma (curta) margem sobre os lugares de descida.

Os bons resultados permitiram ainda fazer crescer alguns jogadores no capítulo da confiança e neste momento o Estoril detém várias opções válidas para todos os setores do terreno, permitindo ao técnico escolher em consciência e sem receio de diminuir a capacidade competitiva do conjunto.

Onze provável (3x4x3): Marcelo Carné, Bernardo Vital, Eliaquim Mangala e Pedro Álvaro; Rodrigo Gomes, Jordan Holsgrove, Mateus Fernandes e Tiago Araújo; Rafik Guitane, João Marques e Cassiano.

Lesionados: Erick Cabaco e Alex Soares.

Figura - Rafik Guitane

Com Vasco Seabra ou, ainda antes, com Álvaro Pacheco, a sua influência não se discute. Presente nas 14 jornadas realizadas na Liga, titular em todas elas, o francês tem sido protagonista ainda antes de o Estoril florescer com o seu bom futebol. A sua colocação na ala direita, jogando com o pé contrário (é canhoto) assenta-lhe na perfeição e isso reflete-se nas últimas semanas, nas quais tem rubricado exibições de excelência e chamado a atenção de emblemas de ambições superiores em função do seu futebol requintado e rendilhado, que agrada à vista do espectador…e dá vitórias ao Estoril.

O que disse Vasco Seabra na antevisão à partida:

FARENSE

O histórico algarvio parece ter subido da Liga 2 para um regresso sereno e abençoado ao escalão principal. Cedo se afastou de correrias na luta pela manutenção e deu muito que fazer a todos os grandes do nosso futebol.

Destacam-se certamente o triunfo contundente aplicado ao SC Braga, em setembro (3-1) e o recente empate em pleno Estádio da Luz frente ao Benfica, que representou uma verdadeira ode ao saber sofrer, com muito mérito do guarda-redes Ricardo Velho, que defendeu praticamente tudo o que havia para defender e segurou um importante ponto. Para motivar o conjunto de Faro relativamente a esta deslocação, José Mota olha para o seu grupo e vê-o quase completamente desanuviado em termos de lesionados – apenas Zé Luís será baixa certa.

Onze provável (4x3x3): Ricardo Velho, Pastor, Zach Muscat, Gonçalo Silva e Talocha; Cláudio Falcão, Fabrício Isidoro e Mattheus Oliveira; Mohamed Belloumi, Marco Matias e Bruno Duarte.

Lesionado: Zé Luís

Figura - Talocha

A experiência angariada nos seus 34 anos e num percurso a pulso, que contou com passagens no Campeonato de Portugal e na Liga 2, mas boa parte do tempo em passagens consistentes por diversos emblemas de primeiro escalão. Boavista e Gil Vicente – apenas para precisar os anos mais recentes – apostaram na sua segurança na lateral esquerda e deram-se bem, com o Farense a não hesitar em apostar nele para consumar o regresso à primeira. Consumado o regresso, soma 14 jogos em 14 jornadas e cada extremo que o enfrenta sabe que pela frente terá um desafio muito difícil de suplantar.

O que disse José Mota na antevisão à partida: