Famalicão: três na (previsível) luta a dois no eixo da retaguarda
Riccieli, capitão de equipa, é um dos defesas-centrais à disposição de Armando Evangelista nesta nova etapa do técnico
Foto: IMAGO

Famalicão: três na (previsível) luta a dois no eixo da retaguarda

NACIONAL24.03.202420:04

Armando Evangelista sempre gostou, ao longo da sua carreira, de jogar com uma linha defensiva a quatro, ou seja, com uma dupla de centrais; Riccieli, Enea Mihaj e Justin de Haas são os candidatos; capitão regressou à titularidade nos últimos três encontros, mas... com três 'torres'

É uma das dúvidas maiores do novo Famalicão: que linha defensiva irá privilegiar Armando Evangelista? A quatro, com dois centrais? Ou a cinco, com três elementos no eixo?

Se olharmos ao passado do técnico, então podemos afirmar, com grande dose de certeza, que Evangelista vai optar por uma defesa dita tradicional: dois laterais e dois centrais.

Afinal, foi (quase) sempre assim que se apresentaram as equipas treinadas pelo sucessor de João Pedro Sousa no emblema minhoto. Não quer dizer que Evangelista não possa, agora, ter outras ideias e alterar o seu modelo preferencial, logicamente. Até porque, tal como defendem os treinadores, os sistemas dependem muito dos jogadores à disposição dos líderes.

Ora, se a escolha for, digamos, mais tradicional, então o Famalicão irá alinhar com uma defesa a quatro no reduto do Gil Vicente, no dérbi minhoto da próxima sexta-feira (15.30 horas), que marca a estreia do anterior técnico do Goiás (Brasil) no banco do emblema de Vila Nova.

E, nesse sentido, há três vagas para dois lugares: Riccieli, Enea Mihaj e Justin de Haas. Qual será a dupla?

Sabendo-se que, por norma, quando um treinador entra numa equipa com a época em andamento gosta sempre de acercar-se de alguns jogadores com mais experiência competitiva e até peso no balneário, Riccieli encaixa na perfeição nestas premissas e pode ser o primeiro dos escolhidos. Afinal, estamos, apenas e só, a falar do capitão de equipa... O número 15 regressou ao onze nas últimas três jornadas, depois de um período de menor fulgor, mas nessas partidas o Famalicão apresentou-se com três... torres.

Além disso, refira-se, dos três nomes já mencionados, o brasileiro é aquele que mais tempo de jogo tem na presente temporada em todas as competições (19 jogos e 1373 minutos).

Caso o número 15 ocupe uma das vagas no eixo, como é expectável, então resta saber quem será o seu parceiro de setor. E aqui a luta promete ser acérrima entre Enea Mihaj e Justin de Haas, dois jogadores que também já deram provas mais do que suficientes do seu valor.

O internacional albanês - que até está, por estes dias, ao serviço da sua seleção (jogou os 90 minutos na derrota por 0-3 diante do Chile, na passada sexta-feira, e poderá somar mais uma internacionalização já amanhã, quando a Albânia defrontar a Suécia, em novo amigável - terá, em termos teóricos, alguma vantagem para poder figurar no onze inicial, mas a escolha não se afigura nada fácil para Evangelista.

Justin de Haas também já ganhou o seu espaço por direito próprio (tem, aliás, mais jogos e mais minutos que Enea Mihaj) e é um fortíssimo candidato a fazer dupla com Riccieli no eixo da retaguarda.

A terceira opção, embora menos provável, passa por um duo formado por Enea Mihaj e Justin de Haas no centro da linha defensiva, sendo que, caso seja essa a escolha do técnico, então o sacrificado passa a ser Riccieli.

Recorde-se, a título de curiosidade, que o defesa-central que iniciou a época e que ainda soma, por esta altura, mais jogos e minutos pelo Famalicão... já não mora no clube.

Otávio, que no passado mês de janeiro foi vendido ao FC Porto (12 milhões de euros por 80% do passe), deixou os minutos com 19 partidas realizadas, num total de 1464 minutos. Mas o brasileiro já não entra nestas contas e é, atualmente, um titular indiscutível na equipa azul e branca.