Mão cheia de nada…

OPINIÃO15.09.202206:30

Afirmam-se planos, mas tudo se manterá semelhante porque falta estruturar as medidas para otimizarmos o desporto nacional

N UMA grande entrevista num jornal diário, o Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, abordou várias questões, divulgou projectos e intenções, ficando a impressão de que mudanças estruturais vão sendo adiadas e, por agora, apenas momentos de cosmética.
Por muito que se afirmem planos para melhorar, tudo se manterá semelhante porque falta estruturar as medidas que possam contribuir, de facto, para optimizarmos o desporto nacional e em particular o futebol, sobre o qual falou bastante, mas sem concretizar estratégias, apenas levantando desejos. Como principal mudança, a criação obrigatória do “gestor de segurança”, em todos os clubes. Com a experiência de dirigente desportivo de clube dos distritais, poderia e deveria ir muito mais além e concretizar um plano geral coerente e eficaz, partilhando responsabilidades e não sobrecarregando esse novo protagonista, para assumir o combate à violência. Assim, talvez consiga retirar os poucos agentes policiais que ainda vão aos estádios para manter a segurança pública, passando a responsabilidade para esse novo gestor. Continuamos a ter esse vício de acrescentar, criando regras e instituições que se atropelam quando, somente depois de ouvir o universo de clubes de várias divisões e das respectivas Associações Distritais de Futebol, se deveria incluir todos na mesma responsabilidade. Por outro lado, é urgente investir verbas sustentáveis para zonas desportivas qualificadas por todo o país: objectivo para aumentar e qualificar o número de praticantes desportivos. Até a formação de treinadores precisa urgentemente de enquadramento mais ajustado, sob a direção das respectivas federações, em vez de uma estrutura central/governamental, para todas as modalidades que anula a especificidade! Sobre os cursos de treinadores, não se compreende a sua limitação de abertura (deixar que seja a UEFA a definir o número de cursos, é invasão inaceitável em cada país), quando deveria funcionar a lei da oferta e da procura, na dependência de cada Federação: limitar cursos quando há candidatos com habilitações para prosseguir, não se compreende o fecho da torneira a não ser que seja útil às instituições… Da entrevista ficou a não prioridade de reduzir o IVA dos bilhetes para o futebol, o compromisso assumido pelo anterior homólogo no qual está definida a centralização dos direitos televisivos nos campeonatos profissionais, até à época 2028/29. O Secretário de Estado anunciou que está para sair um conjunto de decisões para a prevenção e combate contra a violência no desporto. A medida mais original (que esperamos não seja a única) será a eventual nomeação do gestor de segurança em todos os clubes, com formação ministrada pelas forças de segurança, sob a tutela da Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto, assim como generalizar o regulamento de prevenção e combate à violência com as respectivas sanções muito bem definidas, para não deixar alçapões. De facto, em Portugal há uma tradição crescente de comportamentos de violência inclusive nos escalões de formação por parte dos adultos e não basta afirmar que o futuro gestor de segurança dos clubes visitados e o árbitro, serão os responsáveis do jogo. A argumentação é clara mas a sua concretização torna-se falaciosa porque não há meios para implantar essa segurança e falar é muito mais fácil do que fazer. Criminalizar a pirotecnia e agravar as coimas, são somente uma pequena parte do muito que falta fazer. Como se conseguirá identificar os clubes como cúmplices dos adeptos e claques, que usam a pirotecnia? Por outro lado, Sua Excelência falou também da chegada das bicicletas para os alunos do segundo ciclo para aprenderem a circular na rua, já neste ano lectivo. Entre tantas carências, as bicicletas são prioridade? Essa a grande diferença de entendimento sobre as urgências das escolas. Claro que os detentores de cargos públicos têm de revelar periodicamente que estão a agir nas suas competências contudo, seria preferível identificar as medidas concretas, claras e podem ter a certeza de que a própria acção falará por si e pelo que possa ter sido esquecido ou desenvolvido.
 

FOOTBALL TALKS

PERSONALIDADES que ocupam cargos cimeiros do futebol mundial abordaram várias questões. A decisão mais sonante terá sido o apoio do Presidente da UEFA à candidatura de Espanha e Portugal para organizar o Mundial 2030: esperada e sem surpresa, tendo como objectivo o regresso do Mundial à Europa. Essas organizações desportivas aportam benefícios, podem ser factor de crescimento desportivo e económico, mas a sustentabilidade é uma parte imprescindível da equação. Dado importante é a subida desde 2010 do orçamento da FPF (perto dos 40 milhões) e no presente um aumento exponencial (100 milhões), segundo o Presidente da FPF, graças a uma gestão profissionalizada e eficaz. O Presidente do Sporting afirmou: «Temos um país cada vez mais marginal na Europa, com pouco poder de compra, com um regime fiscal altíssimo e temos receitas muito inferiores às de outras ligas. No dia em que o Sporting, Benfica e FC Porto não conseguirem fazer as vendas que têm feito, não terão capacidade orçamental para competir na Europa. Temos feito trabalho extraordinário em formar e potenciar jogadores para serem depois transferidos». A radiografia está feita (já vem de trás), mas falta ainda a preciosa terapêutica de solução. Como nota final, ficou o aviso de que o endividamento é um risco para a sobrevivência dos clubes. Só com entendimento e envolvimento na mesma direcção se podem criar planos que permitam reformular as competições com coerência e sem experimentalismos de fuga para sempre, que podem aproximar o precipício… E tudo começa quando os presidentes dos clubes souberem remar para o mesmo lado: eles são essenciais e determinantes.
 

JOGOS DE 3 EM 3 DIAS

Ofutebol (o desporto em geral) é um universo de ambição legítima, mas não vemos isso nas entidades que deveriam ser exemplares e não o conseguem ser. Na jornada 6 da nossa Liga, o FC Porto revelou coragem, alguma ansiedade e procurou superar cansaço físico e emocional. Chaves deu boa réplica mas exagerou nas faltas e simulações. Marcando cedo, os azuis e brancos conseguiram o 1-0, numa jogada iniciada por João Mário, com Martinez a assistir Taremi que, de cabeça, faturou mais um golo e sofreu falta muito dura. Segunda parte começou com Chaves a tentar impedir o jogo do FC Porto procurando retirar a bola ao adversário. Contudo, as substituições reforçaram a dinâmica do dragão que regressou à intensidade com eficácia. Taremi ganhou a bola, assistiu Evanilson e assim surgiu o 2-0. Perto do fim, André Franco estreou-se a marcar: 3-0. Não se recupera imediato de um jogo e arbitragem de Madrid com consequências marcantes: as injustiças têm de servir para fortalecer. Para além disso, há aprendizes de rotulagem que escolheram o ponta de lança do FC Porto para lhe colarem uma imagem falsa, julgando que o enfraquecem: erro enorme porque o iraniano é um dos melhores marcadores e tem noção de que é essencial para o clube que representa. O Sporting goleou, mas Neto sofreu lesão que desejamos não seja grave e que consiga recuperar o mais breve possível. O Benfica conseguiu mais uma vitória por 1-0 e deve reconhecer que as vitórias também se conseguem com sorte.
Champions: No Dragão, o FC Porto (sem Taremi, expulso em Madrid!) perdeu por 0-4 com o Club Brugge, numa noite em que tudo correu mal e não pode esquecida mas superada em breve. O Sporting, num jogo muito disputado e equilibrado, venceu em Alvalade o Tottenham, com dois golos excelentes nos últimos minutos. Em Itália, o Benfica mais organizado, começou a perder mas acabou vencendo por 2-1 uma Juventus sem ligação e sem pressão.
 

ANTECIPAR O FUTURO

Ainvasão da Ucrânia pela Rússia levantou inúmeras questões e desafios, entre os quais a energia. Na conjuntura actual, há uma incerteza global que tem como consequência a escalada de preços. Na Alemanha, a respectiva Liga debate com outras entidades essa questão essencial. O Union Berlim apresentou proposta inovadora: o campeonato alemão passaria a disputar-se no Verão (como já é usual nos países escandinavos) e a pausa entre campeonatos passaria para os meses de maior rigor no Inverno. Como os preços da energia são uma incógnita, a Bundesliga começaria a disputar-se entre maio e agosto e no inverno (no defeso) não era necessário iluminar mais cedo os estádios nem aquecer os relvados. Evitava-se as flutuações dos preços da energia e reduzia-se a necessidade do gás da Rússia. Por outro lado, nos clubes das cidades com mais tempo de sol (por exemplo o Friburgo) a tecnologia usada, permite sustentabilidade e evita a flutuação de preços da energia, graças aos milhares de painéis solares que a produzem. Como o estádio do Friburgo, só o do Galatassaray supera os megawatts do estádio alemão. Na mesma perspectiva, a liga inglesa e a italiana defendem a diminuição dos jogos à noite e a redução dos sistemas de iluminação dos estádios antes e depois dos jogos.
Por outro lado, os estádios do mundial do Catar, beneficiam de sistema de refrigeração que manterá as temperaturas entre os 24 e 26 graus, inclusive no exterior, com tecnologia que usa energia solar e reduzindo bastante o seu consumo. Para grandes males, grandes remédios. Mais uma evidência de que o futebol é um universo em movimento…
 

REMATE FINAL

Nuno Raposo, no jornal A Bola, escreveu (“OUTRO PONTO DE VISTA”,11.09.2022): «O que devia ficar de Taremi devia ser apenas os golos e as vitórias que oferece aos dragões (…) que começou cedo a desenhar para cedo tranquilizar uma equipa em plena odisseia campeonato/Liga dos Campeões. Porque Taremi é sempre um atleta fantástico».

«Faltam quatro jogos, temos de assumir a responsabilidade de representar um clube com peso e história na competição e temos de honrar o clube que defendemos. Se assim não o fizermos, não podemos representar este clube, a começar por mim», afirmou Sérgio Conceição após a derrota no Dragão com o Brugge.

Algumas transferências enfraqueceram clubes, sem as devidas contratações.

Após o jogo da Champions no Dragão, a viatura onde seguia a esposa de Sérgio Conceição e dois filhos, foi apedrejada junto ao Museu do FC Porto: investigação e responsabilização!

Vídeos

shimmer
shimmer
shimmer
shimmer