Volta a Portugal Carvalho destapa «tentativa de desestabilização» e 'Fred' de consciência tranquila

MAIS DESPORTO19.08.202322:04

António Carvalho (ABTF-Feirense) protagonizou o ‘mistério’ do dia na Volta a Portugal, ao revelar, no final, ter sofrido um episódio que interpretou como tentativa de desestabilização antes da mítica etapa da Senhora da Graça, e que pretende levar o caso – não desvendado na íntegra, só foi polvilhando algumas pistas - «até às últimas consequências»

«Vinha a sofrer, muitas das vezes com as pernas a rebentar durante a subida, mas só pensava ‘tenho de fazer isto’, por mim, pela minha família, pelo presidente [do Feirense] e por todas as pessoas que me apoiam e apoiaram. O que se passou? Não irei falar: foi algo de muito grave, alguém me tentou desestabilizar para o dia deste sábado e desta etapa. Não se faz isso nem ao pior inimigo», foi a acusação não plenamente concretizada deixada aos jornalistas no Monte Farinha pelo corredor de 33 anos, natural de São Paio de Oleiros.

Instado a desvendar o mistério e o caso, Carvalho só deixou a porta entreaberta. «O que se passou? Envolve a minha situação profissional, tem a ver com a minha família, e, acima de tudo, com a minha profissão. Não sei quem o fez, nem eu nem a equipa. Eu, a equipa e os patrocinadores iremos levar isto até às últimas consequências, por ser algo tão grave e me tentarem desestabilizar. E aproveito para dizer a seja quem for que fez isso que a Volta a Portugal não é nada mais, nada menos, acima do que somos como pessoas. Acima de tudo, estamos nós, enquanto pessoa. E estão as nossas famílias. A Volta é simplesmente, apesar de todos os portugueses a adorarem, simplesmente mais uma corrida».

«Ameaças à família ou riscarem-me o carro? Se me riscassem o carro, nem que fossem €50 mil ou €100 mil, pouco me diria, ou nada. Foi mais grave. Não foi ameaça. Nada mais vou revelar. Já falei com o meu diretor desportivo, ainda na sexta-feira. Este sábado, dei conhecimento do sucedido ao presidente e ao patrocinador. Falámos os quatro, e eles apoiaram-me a 100 por cento. E isso é que é o mais importante. Irei pensar na etapa de domingo, mas não vou mentir que durante este dia e na corrida esse teme me veio à cabeça. Estou de consciência tranquila. Só pensava ‘como é que alguém tem coragem para fazer o que fizeram a uma pessoa’? Quem o fez, não pode ter escrúpulos, nada deve ter», foi tudo quanto revelou a propósito o terceiro classificado na Volta-2022.

«Em relação a Viana do Castelo e a domingo, vou dar tudo de mim, independentemente de ser segundo, terceiro, décimo… ou mesmo último. Disse isso a todos os que me apoiaram antes da partida da etapa, em Paredes: não quero saber do resultado, quero dar o máximo de mim, como fiz neste dia. Cheguei à Senhora da Graça no limite dos limites. Cheguei mesmo exausto, mas no ‘crono’ irei dar o melhor de mim pelos patrocinadores que apoiam este projeto e por todos os que me têm apoiado nas vitórias, que não são muitas, mas sobretudo nas derrotas», concluiu quem foi nono na tirada que acabou no Monte Farinha, a 1m38s de James Whelan, e é agora quarto da geral, a 1m06s de Colin Stussi.

Já Frederico Figueiredo (GlassDrive-Q8-Anicolor), segundo na Volta-2022, recordou, no final, o coletivismo dentro da equipa numa etapa em que até quase ao final esteve no grupo de candidatos a vencê-la, mas ‘rebocou’ o russo Artem Nych, seu companheiro de equipa, que partia para a tirada melhor classificado.

«A ideia era eu atacar numa zona e passar para o grupo da frente. A descer o Alvão, os fugitivos ganharam tempo, já tinham três minutos à melhor. O Jimmy [James Whelan] estava na corrida pela vitória na etapa outra vez. Guardei energias para a Senhora da Graça. O Artem [Nych] passou aqui um momento menos bom: esperei por ele porque também estava a discutir o pódio e pode vencer a Volta. Não guardo rancores, é o que é: é ciclismo. Há valores dentro de uma equipa que se devem cumprir»

«Se estou desiludido com esta Volta? Não saio desiludido. Vinha com um grande objetivo, mas no dia da serra da Estrela [Torre] as coisas acabaram por não sair, devido, também, a muitas situações, muitas marcações, e depois fiquei um pouco bloqueado. Depois, também um dia menos bom a nível geral da equipa. Tentámos dar a volta na etapa da Guarda, foi mais um dia em que pensávamos sempre no Frederico», disse o corredor da Glassdrive-Q8-Anicolor, 12.º classificado na 9.ª e penúltima etapa da Volta, este sábado, e sétimo da classificação geral, a 2m01s do líder, Colin Stussi (Vorarlberg).

«Pensarem em mim para vencer a Volta e esta prova acaba por ser o preço de ter feito um ano muito positivo. Mas a época não é só a Volta, não é só uma corrida. Estou contente por estar mais um ano na luta da Volta e ter contribuído para o espetáculo», concluiu ‘Fred’, de consciência tranquila.

Nas últimas 24 horas

Saída de Di María? «Vamos aproveitar, no final da época logo se vê»
Schmidt aponta recuperação de Bah para janeiro e não pensa em mercado para já
Troca de culpas na seleção espanhola: voltou do intervalo só com 10, ninguém sabe porquê,... e perdeu
Gundogan explica palavras duras após clássico: «Sempre que critico a equipa, começo por mim»
H.C. Araújo e Padel 365 vencem no Porto a A Bola Padel Corporate League

Vídeos

«Mister, vai ter de pagar». Conceição conta como foi multado
Nacional01.12.202313:19
«Mister, vai ter de pagar». Conceição conta como foi multado
Adeptos do LASK Linz até apoiam à vez
Internacional30.11.202321:32
Adeptos do LASK Linz até apoiam à vez
Vale tudo, até atirar bolas de neve
Internacional30.11.202321:26
Vale tudo, até atirar bolas de neve
Sporting aquece para a Atalanta (vídeo)
Futebol30.11.202317:36
Sporting aquece para a Atalanta (vídeo)

Últimas Notícias

Saída de Di María? «Vamos aproveitar, no final da época logo se vê»
Saída de Di María? «Vamos aproveitar, no final da época logo se vê»
Schmidt aponta recuperação de Bah para janeiro e não pensa em mercado para já
Schmidt aponta recuperação de Bah para janeiro e não pensa em mercado para já
Troca de culpas na seleção espanhola: voltou do intervalo só com 10, ninguém sabe porquê,... e perdeu
Troca de culpas na seleção espanhola: voltou do intervalo só com 10, ninguém sabe porquê,... e perdeu
Gundogan explica palavras duras após clássico: «Sempre que critico a equipa, começo por mim»
Gundogan explica palavras duras após clássico: «Sempre que critico a equipa, começo por mim»