Rafael Leão: «Scudetto foi o melhor momento da minha carreira»
Rafael Leão com o equipamento alternativo do AC Milan. Foto: IMAGO/ABACAPRESS

Rafael Leão: «Scudetto foi o melhor momento da minha carreira»

INTERNACIONAL28.12.202319:42

Craque português confessa que quer voltar a sentir as mesmas emoções de quando levantou o troféu

Rafael Leão quer voltar a saborear a conquista do campeonato italiano. O extremo do Milan concedeu uma entrevista ao canal de Youtube da Serie A e, entre outros temas, garantiu que sente a equipa unida e que que ambiciona chegar ao patamar dos grandes nomes do Milan.

«O Scudetto foi o melhor momento da minha carreira», revelou o jogador, que, nessa mesma temporada, foi distinguido como melhor jogador do campeonato. «Há muito tempo que o desejava, tal como todos os adeptos do Milan. Ganhá-lo novamento ao fim de 12 anos é um sonho tornado realidade. Nunca esquecerei quando fomos ao Piazza Duomo, foi incrível e quero revivê-lo o mais rapidamente possível», confessou.

A época dos rossoneri tem estado aquém do desejado — ocupam o terceiro lugar da Serie A e desceram da Liga dos Campeões para a Liga Europa —, mas o extremo vê um grupo unido: «Sou muito amigo dos meus colegas de equipa. Saímos juntos, o ambiente no balneário é ótimo. Divertimo-nos juntos, acho que somos um grupo muito unido.»

A nível pessoal, o número 10 confessou que alcançar o patamar das grandes lendas da história do clube é um objetivo. «O Milan teve jogadores fantásticos no passado e eu estou a tentar chegar a esse nível. É difícil, mas acho que estou no caminho certo», disse, acrescentando que ver os troféus ganhos pelo clube no passado o motiva a ser «um jogador melhor e criar algo maravilhoso para os adeptos», para os ver «a festejar todas as épocas».

Leão deixou ainda juras de amor aos adeptos: «Não há nada melhor do que jogar em casa, especialmente num lugar como San Siro. É difícil exprimir em palavras, acho que o sentimento que tenho não pode ser descrito numa só palavra. Os adeptos são fantásticos, espero que nunca mudem, porque precisamos deles.»