A fé que cresce em Alvalade
Eduardo Quaresma festeja segundo golo (Foto: Maciej Rogowski/IMAGO)

A fé que cresce em Alvalade

OPINIÃO12.02.202408:00

Humildade, confiança e talento estão na base do sucesso do Sporting nesta temporada

O Sporting foi melhor do que o SC Braga? Sem dúvida. Justificou ganhar? Obviamente. É digno de toda a tinta que tem feito correr pelo grande arranque de temporada? Até de mais ainda! Está tudo certo. 

O trabalho de Rúben Amorim é extraordinário (e basta recordar a época passada para justificá-lo), o impacto de Gyokeres enorme num contexto como o português e a sucessão de triunfos embala os leões para uma crença crescente na conquista do título. 

O triunfo poderá, pela sua expressão e por não ser um acidente e sim consequência natural de algo bem feito, dar força interna a uma caminhada imparável. Importantes para o sucesso até aqui têm sido a humildade e a confiança. 

A modéstia não tem existido apenas no (sempre apurado) discurso, mas ainda na travagem a fundo na ideia de evolução para equipa dominadora que vinha da época transata, assentando assim ainda mais nos momentos de transição e no ataque à profundidade, que extraem o melhor do sueco.

Houve também crédito dado a Trincão, de que mais cedo ou mais tarde iria apresentar finalmente a sua melhor versão como agora acontece, e a um renovado Eduardo Quaresma, que esteve praticamente perdido enquanto segunda ou terceira escolha e depois num empréstimo sem sucesso ao Hoffenheim e agora reaparece como figura e central de redobrado potencial, apagando os últimos dois anos da carreira. 

De todos os embates entre as duas equipas, este foi talvez aquele que teve o melhor SC Braga. Parece paradoxo, mas até começou mais forte até ser engolido por erros próprios sucessivos. O primeiro, aos 8 minutos, colocou os leões na frente e, uma dezena depois, já estava 2-0. Voltou para a segunda parte, cresceu e somou outros dois erros de abordagem que elevaram o resultado a 4-0. 

Falta o talento que existe do outro lado, nada a fazer.