‘Panzer’ sueco frente a dragões que acreditam até ao fim
Festejo de Gyokeres (IMAGO / Maciej Rogowski)

‘Panzer’ sueco frente a dragões que acreditam até ao fim

NACIONAL18.12.202309:21

Sporting cai nas segundas partes mas Gyokeres vai resolvendo. Com defesas goleadores, FC Porto conquistou oito pontos para lá dos 90’

Um clássico entre Sporting e FC Porto, quaisquer que sejam as condicionantes, não precisa de muitos condimentos para ser sempre um jogo especial. Mas com as duas equipas igualadas em pontos e no topo na tabela classificativa, então o confronto ganha emoção e peculiar relevância, mesmo tendo a longa maratona da Liga pouco passado para lá do primeiro terço. E uma análise estatística quanto aos golos marcados e sofridos no campeonato pelas duas equipas vai ajudar a ler melhor o comportamento das turmas de Rúben Amorim e Sérgio Conceição.

Sendo as únicas equipas do campeonato que nunca chegaram ao intervalo a perder, as segundas partes leoninas têm sido mais penosas (Vizela, Benfica, SC Braga e V. Guimarães superiorizaram-se no regresso dos balneários) tendo apenas mais dois golos marcados que sofridos (14 contra 12).

Enquanto o FC Porto não sofreu qualquer golo em tempo de compensação, a equipa de Alvalade perdeu três com a cambalhota encarnada na Luz (de 1-0 para 1-2). E com a crença e espírito de luta que constituem a imagem de marca dos dragões, a equipa conseguiu três reviravoltas (Moreirense, Rio Ave e V. Guimarães) e se dúvidas restassem praticamente metade dos 11 golos apontados nas segundas partes (cinco) foram conseguidos para lá dos 90’, ou seja, em pleno período de compensação… e deles resultaram oito pontos (três triunfos, um com reviravolta, e um empate).

FALTA UM GYOKERES AO DRAGÃO

Sem especialistas, nenhuma das equipas marcou através de livres diretos, mas evidenciando a falta de eficácia nesta época do setor avançado portista, os defesas têm-se distinguido como goleadores e conseguiram quase 30 por cento dos remates com êxito do apenas oitavo melhor ataque da Liga (!) ao marcarem por seis vezes: Marcano (2), Pepe, Wendell, Zaidu e Zé Pedro.

Ao contrário do fraco poder de fogo dos dianteiros portistas - o seu melhor marcador, Evanilson, tem só quatro golos - o Sporting conta com o grande destaque individual nesta Liga: Viktor Gyokeres marcou por nove vezes e fez três assistências. E também neste departamento o FC Porto vive época atípica, pois (sem Otávio…) o melhor registo de passes decisivos para golos é de Eustáquio, Galeno e Gonçalo Borges, com apenas dois.

Outra área a considerar é o impacto trazido pelos suplentes das duas equipas, com Paulinho a entrar para dar duas vitórias aos leões, enquanto Evanilson e Taremi também já saltaram do banco para dar pontos aos dragões.

No que respeita a golos consentidos, o FC Porto ainda não sofreu qualquer golo de cabeça mas concedeu três de penálti. Já o Sporting não defendeu três pontapés de livre direto e é mais vulnerável a lances de contra-ataque, tendo sofrido três golos em jogadas de rápida transição.