O mister de A BOLA: um Sporting à campeão
O destaque do Sporting, Eduardo Quaresma, passa a bola ante o olhar de Ricardo Horta (IMAGO)

O mister de A BOLA: um Sporting à campeão

NACIONAL12.02.202417:08

Álvaro Magalhães analisa a vitória dos leões sobre o SC Braga

1-Afastar fantasmas
As equipas foram fiéis ao seu sistema tático. Os leões apresentaram o 3x4x3, enquanto os bracarenses assentaram num 4x2x3x1.  Artur Jorge, técnico dos arsenalistas, acreditou que podia ser possível superar o Sporting, repetindo a receita do triunfo (1-0) da meia-final da Taça da Liga. Contudo, este devia saber que não há dois jogos iguais. 
Desta feita, o Sporting jogava no seu estádio perante os seus adeptos. Era preciso eliminar o principal fantasma da época leonina, pois o SC Braga, além da (feliz) vitória para a Taça da Liga, já tinha conseguido um (merecido) empate (1-1) na 1.ª volta para a Liga. A 1.ª parte dos comandados de Rúben Amorim foi demolidora, não deixando jogar um adversário desiquilibrado taticamente e incapaz de criar problemas à defesa sólida dos visitados.

2-Mais um aviso à navegação 
Com dois golos de vantagem, o Sporting entrou para a segunda parte com uma postura cínica. Concedeu a iniciativa de jogo aos guerreiros, que entraram muito melhor nos primeiros 15/20 minutos, criando uma ocasião de golo, por Álvaro Djálo. A (aparente) supremacia bracarense era controlada pelos verde e brancos, que procuravam um erro para sentenciar o jogo e assim foi. Aos 71 minutos, recuperação de bola em zona alta e Trincão serviu de bandeja para quem mais? Viktor Gyökeres. Este tiro certeiro foi um valente golpe emocional no SC Braga, que ficou definitivamente perdido no jogo. Cada vez que os leões subiam à área contrária, era sinónimo de golos e a goleada acabou por surgir. O resultado expressivo não é surpresa para ninguém, pois são duas equipas em momentos de forma completamente distintos na temporada. O SC Braga está em baixo, enquanto este Sporting respira confiança. Foi uma vitória à campeão de uma equipa, que, desde o início, afirma e demonstra que o campeonato é o principal objetivo em 2023/24.

3-Eduardo Quaresma continua a dizer presente 
Eduardo Quaresma está num momento de forma espetacular. Direi que merece a atenção de Roberto Martínez, selecionador nacional. É um dos melhores centrais do futebol português e os melhores tem que representar a nossa Seleção Nacional. Não deverá ser escrutinado se conseguirá dar resposta numa linha de quatro defesas, pois este é um jogador jovem, fisicamente forte, muito disciplinado taticamente, que sabe progredir com bola. Mérito para Rúben Amorim e para os companheiros de equipa que tem acompanhado o seu crescimento, essencialmente, psicológico. Mostra jornada após jornada de que é capaz de jogar numa equipa que luta por títulos. Agora, com o regresso de Ousmane Diomande do CAN cabe ao técnico leonino tomar uma complicada decisão de quem será titular...