Estrela da Amadora dedicou o triunfo ao azarado Gustavo Henrique
Léo Jabá, do Estrela da Amadora, exibe a camisola de Gustavo Henrique, companheiro de equipa que foi sujeito a intervenção cirúrgica. Foto: Estrela da Amadora SAD.

Estrela da Amadora dedicou o triunfo ao azarado Gustavo Henrique

NACIONAL10.02.202423:09

Tricolores homenagearam o extremo após o golo de Léo Jabá e no final do jogo, por Sérgio Vieira; contraiu uma rotura no menisco do joelho esquerdo e parará, pelo menos, dois meses

Na noite desta sexta-feira, o êxito do Estrela da Amadora foi absoluto: garantiu o seu primeiro triunfo em 2024 ao ter derrotado o Portimonense (3-0) e ainda pôde dedicar esse sucesso a Gustavo Henrique, certamente o elemento do plantel que tem sido perseguido pelo azar e que, sabe-se agora, será obrigado a voltar a parar. 

O extremo havia regressado à competição em dezembro, após uma longa paragem de aproximadamente dez meses (302 dias) devido a uma lesão grave no joelho esquerdo, que surgiu numa torção no seguimento de uma disputa de bola no decorrer de uma partida ante o Farense, na altura pela Liga 2 – as duas equipas haveriam de consumar a promoção ao escalão principal - há pouco mais de um ano. Gustavo completou toda a recuperação, que foi documentada num vídeo lançado pelo próprio Estrela…mas o infortúnio voltou a bater-lhe à porta.

O brasileiro enfrenta nova paragem prolongada, devido a um problema no mesmo joelho, e os seus colegas de equipa não ficaram indiferentes no embate com o Portimonense, mais precisamente aos 12 minutos, quando Léo Jabá apontou o segundo golo dos tricolores e, acompanhado pelos restantes companheiros de equipa, foi ao banco de suplentes e ergueu a camisola 11 de Gustavo Henrique, erguendo-a e exibindo-a para os repórteres fotográficos e adeptos presentes.

No final, na conferência de imprensa que se seguiu ao triunfo sobre os algarvios, foi o próprio treinador, Sérgio Vieira, quem não se esqueceu de deixar uma palavra de conforto ao seu pupilo, declarando que «aqui todos contam e queria aproveitar também para dar uma palavra muito especial para o Gustavo Henrique» depois de na semana passada, na Amoreira, se ter referido à sua ausência como «uma situação nebulosa» que o obrigou a deixar o atleta de fora da convocatória, confessou, «contra vontade».

Infelizmente para o Estrela e para as opções de Sérgio Vieira, os exames complementares feitos a Gustavo Henrique permitiram detetar uma rotura no menisco - desta feita, em princípio, não tão grave quanto a lesão anterior, que o afastou na segunda metade da época passada e a primeira metade da atual - mas que ainda assim não permitiu evitar uma intervenção cirúrgica, realizada já no decorrer da presente semana, e deixar a equipa órfã de uma opção para as alas ofensivas.

O problema surgiu quando o atacante de 24 anos acusou queixas, há cerca de duas semanas, e o departamento médico do Estrela ponderou sobre o melhor procedimento a realizar, optando por nova operação, a segunda no espaço de um ano, assim que se deparou com a gravidade da situação. O tempo de paragem deverá rondar os dois meses, pelo que apenas com uma recuperação exemplar o jogador poderá voltar a competir até ao final da época, ambição que servirá agora como incentivo para o processo de recuperação.