Barcelona procura esquecer desaires e ganhar terreno aos «Atléticos»
Foto IMAGO/NurPhoto

ANTEVISÃO Barcelona procura esquecer desaires e ganhar terreno aos «Atléticos»

INTERNACIONAL16.12.202307:45

A equipa de João Félix e João Cancelo visita o conjunto de Thierry Correia e André Almeida, depois de duas derrotas consecutivas. Athletic Bilbao e Atlético de Madrid protagonizam o outro grande jogo deste sábado

Em Espanha, aproxima-se o final da primeira volta do campeonato. Este sábado, jogam duas equipas empatadas no pódio: Barcelona e Atlético de Madrid. 

O Valência recebe o conjunto catalão na sua pior fase da época. A equipa onde figura Thierry Correia só ganhou um dos seus últimos seis jogos para La Liga e encontra-se, atualmente, na 11.ª posição da tabela. Sem Gayà, lesionado, e Gabriel Paulista e Javi Guerra, ambos suspensos, fica assim ainda mais difícil a tarefa para Rúben Baraja, treinador ché. Ainda assim, diz, pensa mais em quem joga do que naqueles que estão de fora. Também de fora continua o português André Almeida, que já não joga há mais de dois meses. Thierry Correia deverá assumir a titularidade na lateral direita.

Do lado do Barcelona, o mote é muito simples: acabar com o mau momento. A derrota em casa contra o Girona foi seguida de uma surpresa em Antuérpia, num jogo em que, ainda que com alguma rotação, o emblema catalão ficou muito aquém do previsto.

Xavi sabe da má fase, da partida difícil do Atlético em Bilbau (está em igualdade pontual com o Barcelona, ainda que com menos um jogo) e da distância para o líder Girona e para o Real Madrid. Com tudo isso em cima da mesa, o técnico recusa-se a aceitar os rumores que dão conta da sua possível saída. «Há um mês perguntaram-me se era o Ferguson do Barça, e agora estou na rua. Estabilidade. É disso que o clube precisa. Se perder ou empatar em Valência, ainda acredito no projeto. O clube precisa de estabilidade na era pós-Messi e durante uma situação económica muito complicada.» 

Quanto ao jogo, este é definido por Xavi como «uma final, porque o clube precisa de pontos». «Não estamos na posição em que devíamos estar. As derrotas com o Real Madrid e o Girona afetaram-nos muito. Amanhã jogamos contra uma equipa perigosa e difícil, o Rúben Baraja está a fazer um ótimo trabalho.» Na equipa de Xavi, espera-se o regresso à titularidade de João Félix e João Cancelo, que têm tido presença habitual no onze desde que chegaram a Barcelona, este verão, mas descansaram frente ao Antuérpia.

Em Bilbau, Athletic e Atlético de Madrid enfrentam-se separados por apenas cinco pontos. Para a equipa basca, o objetivo é o ataque ao pódio e, para tal, é preciso roubar pontos aos colchoneros, adversário direto. O técnico Ernesto Valverde destaca os madrilenos como «uma equipa que sempre jogou bem». «Jogam um futebol ofensivo e defensivo, e ambos são importantes. Procuram a bola no espaço e são muito bons no contra-ataque», disse, sobre uma equipa que «procura estar sempre nos lugares de topo.» 

Não sobram dúvidas para o treinador sobre a maior ameaça adversária. «Griezmann já nos prejudicou muito. Move-se por todo o campo, às vezes de forma indetetável, e quando aparece entre linhas é muito perigoso. Na época passada, marcou dois golos e conquistou seis pontos para o adversário. Pode jogar no meio, na linha ou na frente e o seu faro de golo é inquestionável», considerou Valverde, com rasgados elogios ao atacante francês.

Do «outro lado da trincheira», Diego Simeone vem de uma das melhores fases de grupos da Liga dos Campeões ao serviço do Atlético de Madrid, com quatro vitórias e dois empates em seis encontros. No campeonato, a forma é um pouco diferente: três vitórias em cinco jogos é um registo que não favorece uma equipa que quer lutar pelo título. Simeone também elogiou o «todo o terreno» Griezmann, afirmando que ainda não sabe onde vai colocar o campeão do Mundo a jogar. «Pode jogar a avançado, na linha ou no meio-campo, depende do jogo.» O técnico só não conta com os lesionados Barrios e Lemar para esta deslocação a Bilbau.

O Sevilha passa uma má fase antes desta receção ao Getafe. A equipa de Diego Alonso foi eliminada da Europa na última jornada da Liga dos Campeões e, em La Liga, não vence há nove encontros consecutivos e está a apenas três pontos dos lugares de despromoção. O Getafe, por seu turno, só foi derrotado na competição uma vez nos últimos dez encontros e, apesar dos vários empates (e das críticas ao estilo do técnico Bordalás, que costuma recorrer a quebras do ritmo de jogo), a equipa encontra-se a sete pontos dos lugares europeus. Espera-se um jogo equilibrado, apesar das diferentes fases de conjunto, com o Sevilha a utilizar o fator-casa como mais-valia e o Getafe a procurar ser oportunista e incisivo.

Na luta pela manutenção, enfrentam-se Celta de Vigo e Granada. As equipas estão separadas por dois pontos no antepenúltimo e penúltimo lugares, respetivamente, sendo que a equipa da casa não vence há 12 encontros na competição e os visitantes, há 13 partidas. O Celta joga em casa e procurará explorar isso, num daqueles jogos que, como se costuma dizer na gíria, «vale seis pontos».