Abram alas para as estrelas maiores de SC Braga e Benfica
Ricardo Horta está de saída

Abram alas para as estrelas maiores de SC Braga e Benfica

NACIONAL17.12.202312:36

Ricardo Horta e Di María em campo desta noite, pela primeira vez juntos no relvado

Para os grandes jogos, os grandes palcos e os grandes artistas. O SC Braga-Benfica é o primeiro ato de uma jornada de clássicos, a anteceder o Sporting-FC Porto de amanhã. Um deles poderá adormecer na liderança e, se Sporting e FC Porto empatarem, degustar uma consoada mais doce. Abram, pois, alas aos artistas. 

Desde logo Ricardo Horta e Ángel Di María, artífices na arte de inventar espaços, provocar desequilíbrios, marcar golos que marcam histórias e imaginários. Ricardo Horta formado no Benfica (e depois no Vitória de Setúbal), mas figura já histórica do SC Braga. O maior goleador de sempre dos arsenalistas, capitão de bandeira e de comportamento; uma mal explicada e abortada transferência para o Benfica pode ter-lhe roubado o sonho de se afirmar no clube onde se fez homem, mas garantiu-lhe o estatuto de figura maior do SC Braga. Di María, puro talento, nascido e criado em Rosário, Argentina, a quem o Benfica, na época de 2007/2008. abriu as portas de uma Europa cujos principais palcos passou a tratar por tu... Um jogador que, como os maiores, pode andar escondido muito tempo, mas aparece sempre, cintilante, nos momentos de grande decisão. 

Di María com a camisola do benfica. Foto: IMAGO/HMB-Media

Duelos frente a Braga e Benfica Como damos conta no quadro em baixo, Ricardo Horta, como jogador do SC Braga, vai defrontar o Benfica pela 19.ª vez, em todas as competições. O historial não lhe é favorável, já que venceu apenas cinco vezes, a que juntou triunfo no desempate por grandes penalidades no duelo dos quartos de final da Taça de Portugal da última época. Para esta noite, sonha apenas fazer o que fez a 30 de dezembro de 2022. Marcou dois dos três golos com que os arsenalistas venceram o Benfica, em Braga, a primeira equipa a fazer sangue numa águia que voava invicta. 

De resto, Ricardo Horta pode não ter marcado muitos golos ao Benfica - apenas 4 em 18 jogos - mas por norma quando marca é para fazer a diferença, como o golo na final da Taça de 2020/2021 que o SC Braga venceu por 2-0. Fora desta lógica, apenas o que marcou na Luz, em 2021/2022, que de nada valeu em face dos seis golos sofridos. Já Di María vai defrontar o SC Braga pela 7.ª vez como jogador do Benfica. Tem um saldo mais favorável em termos de resultados e um golo marcado, na vitória, 3-1, na Pedreira, em 2008/2009. O jogo desta noite tem tudo para ser um grande espetáculo. Em Braga mora a equipa mais concretizadora da Liga; da Luz segue a que mais remata. Mas se o jogo estiver mais fechado, Ricardo Horta e Di María são abre-latas perfeitos...