Balanço da época: Mais caras novas no FC Porto, Sporting usou mais os contratados, Benfica aproveitou formação

Liga 17-05-2022 13:24
Por Rogério Azevedo

Terminada a época, façamos um balanço às contratações dos três maiores clubes portugueses para 2021/2022. O FC Porto foi a equipa que mais caras novas utilizou na temporada (16), o Sporting foi aquele que teve maior taxa de utilização de contratados (21% dos minutos) e o Benfica foi o que mais aproveitou estreantes vindos da formação (7).

Sérgio Conceição foi o treinador dos três grandes que mais novos jogadores utilizou ao longo da temporada: Vitinha (não estava em 2020/2021), Pepê, Fábio Cardoso, Wendell, Bruno Costa, Galeno, Eustaquio, João Marcelo, Zé Pedro, Rúben Semedo, Danny Loader, Gonçalo Borges, João Mendes, Bernardo Folha, Andrade e Meixedo.


O plantel do FC Porto, nos 51 jogos da época (Liga, Taça de Portugal e da Liga, Liga dos Campeões e da Europa), teve 50 490 minutos de competição para os 11 jogadores (4590 para a equipa). Logo, como os 16 novos de 2021/2022 realizaram 10 143  minutos, a taxa de utilização foi de exatos 20 por cento. Vitinha, Pepê e Fábio Cardoso foram os reforços mais chamados por Conceição: 46 jogos para o internacional A português, 41 para o brasileiro e 21 para o defesa central.
Vindo do Leverkusen, Wendell terá sido, até agora, a contratação mais débil do FC Porto. O lateral-esquerdo chegou no final de agosto e previa-se que, a curto prazo, ganhasse o lugar a Zaidu. Porém, o nigeriano mostrou-se imperturbável e Sérgio Conceição manteve-o quase sempre a titular. A diferença de jogos (39/27), minutos (2824/1262) e taxa de utilização por jogo (71%/46%) entre Zaidu e Wendell acaba por ser marcante.

Cerca de 21 por cento do tempo de jogo do Sporting nas cinco provas que disputou em 2021/2022 (Liga, Taça de Portugal e da Liga, Liga dos Campeões e Supertaça Cândido de Oliveira) foi através de futebolistas que não estavam no plantel na época anterior. Sarabia, Esgaio e Ugarte tornaram-se nos reforços mais utilizados por Amorim: 45 jogos para espanhol, 44 para o português, 38 para o uruguaio, no total de época de 53 jogos para os leões.


O Benfica foi a segunda equipa em que os reforços tiveram mais tempo de jogo e aquela que  utilizou mais estreantes vindos das camadas jovens: Paulo Bernardo, Tomás Araújo, Sandro Cruz, Henrique Araújo, Tiago Gouveia, Diego Moreira e Martim Neto.

 

Leia na íntegra na edição impressa ou digital de A BOLA.

Ler Mais
Comentários (3)

Últimas Notícias