Tudo o que aconteceu no fim do Estrela da Amadora-Benfica B

Liga 2 01-12-2021 09:22
Por Ricardo Quaresma/Eduardo Pedrosa Marques

A equipa de arbitragem do encontro entre Estrela da Amadora e Benfica B, realizado anteontem no Estádio José Gomes, foi vítima de agressões no corredor de acesso aos balneários no final da partida. O incidente foi denunciado pelo Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol já ao início da última madrugada.

 

A BOLA conta-lhe agora todos os detalhes sobre o que se passou no fim de um encontro muito polémico, no qual o árbitro Miguel Nogueira (Associação de Futebol de Lisboa) e os seus pares estiveram sempre na mira dos responsáveis da equipa da casa, que garantiram, inclusive, ir agir judicialmente contra a equipa de arbitragem.

Tudo começou ao minuto 11 do jogo, quando Miguel Nogueira expulsou o defesa André Duarte por alegada agressão a Tiago Gouveia numa altura em que os tricolores venciam já o encontro graças a golo de Diogo Salomão (3’). O conjunto encarnado haveria de chegar à igualdade, num penálti também muito contestado pelos responsáveis do Estrela da Amadora, que chegou ao intervalo a perder por 2-3. Nesse momento, os sinais de insatisfação deram lugar à ameaça de a equipa não voltar para a segunda parte. Depois de alguns minutos de impasse, os jogadores da equipa da casa lá acabaram por regressar ao relvado, acabando por ver Afonso Figueiredo expulso aos 55 minutos, por acumulação de amarelos. Os protestos contra o trabalho do árbitro subiram (ainda mais) de tom e no final da partida, que o Benfica B venceria por 6-3, o diretor executivo do Estrela da Amadora acabaria por dar voz, de forma contundente, à indignação do clube da casa para com o juiz de Lisboa.

 

Pelo que foi possível apurar depois de contactadas diversas fontes, após dar o apito final para o jogo, e quando se dirigia para o balneário destinado aos árbitros, Miguel Nogueira e os seus auxiliares foram abordados por dois adeptos do Estrela da Amadora, que de alguma forma conseguiram sair das bancadas e entrar numa zona restrita a pessoas ligadas à partida e agrediram o árbitro e um dos seus assistentes ao pontapé. Pelo menos um dos agressores foi identificado pela polícia, mas ao que garantem a A BOLA o outro adepto conseguiu esconder-se e escapar, sendo a sua identidade, até ao momento, desconhecida.

 

Contactada por A BOLA, fonte do Estrela da Amadora não confirma as agressões ao árbitro da partida mas sustenta a ideia de que havia, de facto, nos corredores de acesso ao balneário gente sem autorização para lá estar, sendo-nos garantido que o clube abrirá um processo interno de averiguações para apurar responsabilidades: «Há duas portas que dão acesso a essa zona, sendo que uma delas está sempre devidamente trancada e a outra está aberta, mas com vigilância. Pode ter havido alguma falha de segurança. Vamos averiguar a situação e, se houve factos para tal, responsabilizaremos quem tiver de ser responsabilizado.»

 

Contactado por A BOLA, o Comando da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Lisboa garantiu, também, a identificação de «vários indivíduos na zona dos balneários, já depois de terminado o jogo».

 

A BOLA está também em condições de adiantar que dois dos elementos da equipa de arbitragem, no caso Paulo Brás (4.º árbitro) e Nuno Pereira (árbitro assistente n.º 1), foram identificados pela PSP a pedido de elementos da estrutura do Estrela da Amadora. 

 

Leia mais na edição digital ou na edição impressa de A BOLA.

Ler Mais
Comentários (19)

Últimas Notícias