«Estoril pode dar passo em frente e participar nas competições europeias»

Estoril 20-11-2021 08:35
Por  Nuno Paralvas e Rafael Batista Reis

Executivo espanhol de 47 anos lidera a SAD do Estoril desde março, quando a empresa Globalon Football tomou controlo do capital social. Os investidores são também proprietários de Beveren (Bélgica) e Alcorcón (Espanha) e estão preparados para investir ainda mais e tornar a equipa mais relevante não só em Portugal.

 

Obrigado por receber-nos em sua casa. É presidente da SAD do Estoril desde março mas sabemos pouco de si. Quem é Ignacio Beristain Borra?


- Em primeiro lugar, bem-vindos, obrigado pela visita. Diz que não me conhecem como presidente e, na verdade, estou há pouco no futebol português. É um orgulho estar aqui, estar neste projeto com o Estoril Praia. Os jogadores e treinadores é que são importantes. Da forma como entendo o futebol, os presidentes estão mais em segundo plano, ajudando a equipa, proporcionando as condições necessárias à equipa. E, bom, sou igual, seguramente, a vós, mais um adepto do futebol que tem a sorte de estar neste projeto no Estoril.


- Estoril atraiu, antes da entrada dos atuais acionistas, outros investidores. Porque é que isso acontece?
- Desconheço as motivações de outros investidores ou donos da SAD. No nosso caso diz respeito ao país, à Liga portuguesa. E, dentro da Liga, entendemos que o Estoril pode ter um papel superior e mais relevante ao que tem na atualidade. E temos grande sorte de estar aqui debaixo de sol, perto da praia, num contexto muito bonito.


- Quais são os planos da SAD?

 O futebol exige o curto, curto e curto prazo, não é verdade? O próximo jogo…


- Até agora não está a ser mau até agora.
- [risos] Sim, não está a ser mau. Seguramente que para todos - jogadores, treinador, equipa técnica - esse deve continuar a ser o foco. NA SAD, temos a vantagem e a possibilidade de pensar um pouco mais para lá do jogo seguinte. E acreditamos que o Estoril tem muito potencial. Que tem potencial para ser um clube importante a nível nacional e, porque não, dissemo-lo no ano passado quando conseguimos a subida, definirmos objetivos além de competir a nível nacional, ou seja, ser um clube que possa dar um passo em frente e participe em competições internacionais.

 

Leia mais na edição impressa e digital de A BOLA. 
 

Ler Mais
Comentários (0)

Últimas Notícias