Humberto Coelho (artigo de José Augusto Santos, 18)

Espaço Universidade 29-04-2021 17:53
Por José Augusto Santos

Na minha longa experiência no futebol deparei com diversos excessos entre os quais se salientam as atitudes de alguns treinadores perante as adversidades decorrentes do treino e competição. Sei bem que cada ser humano está determinado quer pelos fatores genéticos da sua ascendência quer pelo imprinting desenvolvido nos primeiros anos de vida. Como alguém disse, nós somos o que fomos.

 

Contudo, se em relação a algumas situações da vida podemos e devemos expressar a autenticidade do que somos noutras, aquelas que põem em jogo as relações intra e intergrupais, devemos ser controlados por um especial bom senso e controlo emocional. Um líder, qualquer líder, para ser eficaz deve conter as suas emoções dentro de limites que permitam a operacionalidade do seu comando. A emocionalidade descontrolada pode redundar na perda de eficácia na direção do grupo.

 

Isto vem a propósito dos excessos comportamentais de alguns treinadores de futebol veiculados pelos mass media e que dão uma imagem redutora de si e dos grupos que comandam. Nunca por nunca agitação foi sinónimo de eficácia. O berro destemperado, a palavra acintosa e o gesto agressivo são indicadores de descontrolo e podem concorrer para acentuar o carácter patológico da pugna desportiva.

Vou ao meu álbum de memórias e procuro alguém que como líder esteja nos antípodas dos incendiários do futebol. Ele ali está no cantinho mais gratificante das minhas memórias – Humberto Coelho. Trabalhei com ele no Salgueiros, na seleção Portuguesa e na seleção da Coreia do Sul. Nunca lhe reconheci um gesto ou uma atitude que não fosse comandada por uma extreme educação e um admirável controlo emocional.

 

Nunca o ouvi, publicamente, onerar qualquer jogador com o ónus dos inêxitos. Nas nossas reuniões de trabalho escalpelizávamos até ao tutano tudo o que de bom ou mau era feito em termos individuais e coletivos, mas nunca, digo nunca, qualquer crítica interna transpirou para o exterior onde alguns jornalistas pedem a todos os deuses do Olimpo que “o homem morda o cão”.

 

O que mais admirei no Humberto Coelho era a parcimónia das suas atitudes. Nunca embandeirava em arco, lançando os foguetes e apanhando as canas nas vitórias como, com uma calma muito trabalhada, nunca permitia que a derrota se transformasse num fator bloqueador do futuro êxito. Humberto Coelho foi do que melhor Portugal produziu em termos de jogador da bola. Viveu, como capitão do Benfica e da seleção nacional alguns dos desafios mais marcantes da sua riquíssima carreira desportiva. Pois bem, ao sentir no seu corpo e na sua alma as alegrias e vicissitudes arrastadas por uma longa carreira na alta competição utilizou-as como modeladoras do seu carácter que o transformaram no ser humano calmo, sabedor e jovial.

 

Humberto Coelho berrava no campo, no treino, nunca como elemento de crítica, mas como estímulo potenciador. Ele demonstrava, na procura pelo aperfeiçoamento operacional, que tinha sangue bem vivo e pulsante dentro das veias. Contudo, quando se sentava no banco conseguia controlar as emoções de forma admirável. Quantas vezes eu e os outros no banco saltávamos de alegria ou raiva e ele impávido e sereno aproveitava cada momento para resolver algum problema tático chamando o capitão ou o jogador implicado. Nunca admoestou, sempre corrigiu. Nunca berrou para dentro do campo pois sabia que os jogadores quando estão concentrados no jogo não ouvem nem a mãezinha. Durante a semana e como conhecia o futebol como ninguém tentava antecipar os eventuais problemas que podiam surgir com cada equipa e trabalhava-os. O aleatório do jogo ele assumia-o com naturalidade e dentro da estrutura tática e da estratégia específica para cada jogo permitia a criatividade individual que muitas vezes era a solução para os bloqueios táticos e operacionais entre equipas. Nunca o vi admoestar um jogador quando falhava nas suas expressões de individualismo. Ele, estimulava a responsabilização individual dos jogadores, melhor dito, daqueles jogadores cuja individualização trazia normalmente benefícios para a equipa. Aos outros, aconselhava-os a não inventar muito. Humberto Coelho tinha uma consciência muito apurada de todos os fatores que concorrem para a eficácia de uma equipa de futebol.

 

Conheci Humberto Coelho no trabalho, conheci-o também na convivialidade. A sua cultura e o seu sentido de humor fazem dele um ser humano excecional. Só posso dizer Meu Amigo Humberto, bem haja.

 

José Augusto Santos é Professor da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto

Ler Mais
Comentários (0)

Últimas Notícias

Mundos