«Ronaldo não é o melhor do mundo, mas treinou muito para se tornar no melhor»

Itália 22-01-2021 11:18
Por Redação

Antigo avançado do Milan – e hoje presidente da Libéria - , George Weah acredita que, apesar de o antigo clube ser líder da Serie A, a Juventus continua a ser grande ameaça, apesar de separadas por 10 pontos.

 

«O Milan começou um caminho novo e voltou a abraçar a cultura da vitória que faz parte do seu ADN. Paolo Maldini [diretor técnico do Milan atualmente] é um grande homem, um bom amigo, foi um grande capitão. Sabe o que é preciso para chegar ao topo. Inter, Juventus e Nápoles continuam a ser grandes rivais. Não sei se o Milan vai ser campeão, mas sei que vão lutar até ao fim», avaliou em entrevista ao jornal italiano Gazzetta dello Sport.  

 

O antigo avançado avaliou as longevidades de Zlatan Ibrahimovic (39 anos) e Cristiano Ronaldo (35), que continuam no topo e a marcar.

 

«Ronaldo é também exemplo e como combinar trabalho no duro e paixão pelo jogo, e como isso pode trazer resultados. Ele não é o melhor jogador do mundo, mas treinou muito para se tornar no melhor. Admiro Ronaldo porque ele se manteve humilde e trabalhou para merecer tudo o que tem. Lutou muito para chegar onde está agora», avaliou.

 

«Ibra é forte e confiante, mas há mais nele. O Milan contratou-o porque ele pode ser útil na relação com os mais jovens, como um exemplo e uma inspiração para eles. Está sempre concentrado e quando se trabalha como ele a idade é apenas um número», disse.

 

Voltando à luta pelo título, o presidente liberiano explicou o «perigo» Juventus: «Primeiro porque torci um pouco pela Juve quando era miúdo, por causa de Platini. Depois, porque ganharam o título nos últimos nove anos. A minha vida levou-me ao Milan, o clube deu-me tudo, mas continuei a apoiar a Juve.»

Ler Mais
Comentários (51)

Últimas Notícias