Escolas não fecham em novo confinamento

Política 13-01-2021 19:19
Por Redação

O primeiro-ministro António Costa anunciou, esta quarta-feira, um novo confinamento geral, com medidas semelhantes às de março e abril, com a principal diferença a ser a manutenção das escolas abertas. O novo confinamento deverá durar, pelo menos, um mês, entra em vigor no dia 15 e tem como principais medidas:

 

O dever de recolhimento domiciliário, com exceção de 24 de janeiro, dia das eleições presidenciais;

 

A duplicação das coimas em caso de desrespeito das regras sanitárias, como, por exemplo, o uso de máscara na rua;

 

A obrigatoriedade de teletrabalho;

 

O encerramento de cabeleireiros, barbearias e ginásios; bem como do comércio, à exceção dos estabelecimentos autorizados, como, por exemplo, farmácias, consultórios médicos, dentistas, mercearias e supermercados, onde a lotação fica limitada a cinco pessoas por 100 metros quadrados;

 

A limitação dos restaurantes ao regime take-away ou entrega ao domicílio;

 

A proibição das festas académicas, e de todos os eventos públicos, à exceção das celebrações religiosas e de campanha eleitoral.

 

No entanto, além de as escolas continuarem abertas e de os alunos poderem ter aulas presenciais, os voos para as Regiões Autónomas continuam sem restrições e também as feiras para a venda de produtos alimentares estão autorizadas a abrir, desde que sigam as regras sanitárias definidas pela respetiva autarquia.

 

 


 

 

 

Ler Mais

Últimas Notícias

Mundos