Atletas e treinadores do Sporting apreensivos

Mais Desporto 14-08-2020 08:46
Por Cipriano Lucas

Patrícia Mamona renovou esta semana o contrato com o Sporting, na nova politica de reestruturação que a direção do clube de Alvalade esta a implementar em todas as modalidades após o impacto do Covid-19. Aquela que é, neste momento, uma das mais competitivas atletas portuguesas, garante a estabilidade na sua carreira quando falta um ano para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2021, embora o mesmo ainda não aconteça com os atletas que estão integrados no gabinete olímpico dos leões.


O plano de reestruturação que o Sporting está a apresentar a atletas e treinadores, desde a formação até à alta competição, vai no sentido do corte transversal a todas as modalidades com atletas olímpicos, comprometendo a continuidade de muitos dos seus atletas, como A BOLA ontem noticiou. Já as cinco modalidades coletivas de pavilhão apresentadas em Alvalade como as big five ou premium - basquetebol, andebol, voleibol, hóquei em patins e futsal - serão também reavaliadas, mas sem sofrerem cortes tão acentuados.

 

Atletas e treinadores estão a ser contactados por email e a ser chamados a reunir individualmente para reavaliação das respetivas situações contratuais, que passam por dispensa ou renovação com cortes que podem ir até aos 30% dos seus subsídios.
As modalidades olímpicas - atletismo, natação, judo canoagem, ténis de mesa - são as que sofrerão mais cortes, que vão afetar desde os atletas de formação até aos do projeto olímpico.

 

A BOLA sabe que muitos dos atletas decidiram repensar a continuidade no clube, mas as opções que neste momento encontram são praticamente nulas, tendo em conta as dificuldades que os outros clubes também atravessam em período de pandemia e o alegado acordo de cavalheiros, de não contratação de atletas do rival, estabelecido entre os presidentes de Sporting e Benfica.

 

O atletismo será, a par da natação, um dos mais afetados pelos cortes que passam por reduzir a equipa masculina a uma maioria do escalão até sub-23 e manter a equipa feminina a competir pelo titulo coletivo. No plano individual todos os atletas viram os seus contratos reavaliados. O clube pretende reduzir a equipa técnica aos mínimos possíveis, que serão um treinador por setor - saltos, lançamentos, meio fundo, velocidade e barreiras.

 

Leia o artigo completo na edição impressa ou digital de A BOLA.

Ler Mais
Comentários (17)

Últimas Notícias

Mundos