Beto considera Benfica hipótese «muito viável» para Unai Emery

Benfica 03-07-2020 09:27
Por Entrevista de Pedro Soares

Não passaram muitos anos, mas, mesmo que tivessem sido mais, Beto teria fresco na memória o tempo glorioso que passou às ordens de Unai Emery em Sevilha. Afinal, seria impossível esquecer a trilogia europeia (vencedores da Liga Europa em 2013/2014, 2014/2015 e 2015/2016) que enriqueceu currículo único ao internacional português de 38 anos, agora a defender as redes do Goztepe.


Em conversa com A BOLA a partir da Turquia, a facilidade com que o experiente guarda-redes desfiou o perfil do treinador basco de 48 anos irá certamente deixar muitos benfiquistas a torcer para que o clube da Luz consiga seduzir Unai Emery. E essa é tarefa, garante Beto, que pode não ser fácil… mas também está longe de ser impossível.

 

Eis a conversa sobre o o tema do momento:

 

A BOLA - Unai Emery. O que lhe vem logo à cabeça?


BETO - A grande relação de amizade e respeito após quase quatro temporadas juntos no Sevilha. Foi um treinador importantíssimo não só para mim como para a história do próprio Sevilha com a conquista de três Ligas Europas consecutivas e é alguém de quem gosto muito, não só a parte humana, mas acima de tudo na parte profissional.


- Vamos por aí. Estamos a falar de que tipo de treinador?

 

- O Unai é um grande profissional, pela capacidade técnico-tática que tem, pela paixão que tem pelo jogo e pelo futebol. É um trabalhador-nato, dedica muitas horas do dia à parte do treino e análise do adversário e é um treinador muito completo, porque também tem capacidade de se relacionar e comunicar muito bem com os seus jogadores, sabe como transmitir a sua ideia de jogo. É um treinador ganhador, com mentalidade ganhadora, e o futebol dele prima muito pela intensidade de jogo, pela posse de bola, mas também, sem posse, pela rápida reação à perda e ocupação de espaços. Tem no fator defensivo algo importantíssimo e busca solidez nesse campo para, a partir daí, ter objetividade a nível ofensivo.


- Do que conhece de Unai Emery e do futebol português, o Benfica seria hipótese viável? Consegue vê-lo a treinar em Portugal?

 

- Vejo-o a deixar-se seduzir por qualquer projeto que envolva desafios e conquista de títulos. O Benfica é obviamente um clube que tem esse perfil, é um grande de Portugal, luta por títulos, luta por ascensão e afirmação a nível europeu e, quiçá, mesmo sem eu saber se é ou não hipótese para o Benfica, julgo que, sendo uma das opções, seria muito viável para o Benfica… Sou muito pró-treinadores portugueses, porque temos muita qualidade a esse nível, mas o Unai preenche perfil de requisitos muito notável mesmo.

 

- Recordo-me de que o Sevilha jogava em 4x3x3, mas Emery não é treinador de um só sistema.

 

- 4x3x3 no Sevilha, sim, mas ele tem maneira muito particular de trabalhar e de preparar os jogos, é muito adaptativo e flexível, ou seja, não é um treinador quadrado no sentido de ter um sistema definido e de só ir com esse. Não. Ele flexibiliza os jogadores e trabalha-os para entenderem o jogo e o que o jogo precisa a cada momento, o que faz com que o 4x3x3 se possa transformar num 4x4x2 ou num 4x2x3x1, o que dá muita dinâmica à componente tática, ao posicionamento e mobilidade dos jogadores. Não é de se agarrar 90 minutos ao mesmo modelo. O jogador da posição 6 sabe que é 6 mas que o jogo lhe pode pedir que seja um 8 também. Então, ele trabalha os jogadores para expandirem a capacidade tática e o raio de ação e isso dá muita dinâmica à equipa.

 

- A caminhada triunfal do Sevilha na Europa começou na final de Turim com o Benfica em 2014. Como é que Emery vos preparou para esse jogo?

 

- A mensagem na final, que nos transmitiu primeiro e depois publicamente, teve a ver com o facto de ele nos ter demonstrado desde a primeira eliminatória quem iria levantar a taça: quem mais a quisesse. Nesse ano fomos a equipa que fez mais eliminatórias, entramos na 3.ª pré-eliminatória e nos três anos seguintes não perdemos uma… Isto diz muito da capacidade de análise dele. Com o Benfica disse-nos que o troféu seria levantado por quem mais vontade demonstrasse e que nós teríamos de ter essa vontade e de a mostrar em campo. Com trabalho tático forte, mentalidade forte, frente a uma grande equipa como era o Benfica, que tinha grande caudal ofensivo, montou estratégia bem delineada e fomos fortes e sólidos defensivamente para a partir daí tentar fazer o máximo de estragos possíveis e levar o Benfica a desgastar-se, porque sabíamos que tínhamos grande capacidade de sacrifício e união e foi isso que nos ajudou a aguentar os 120 minutos, porque durante o jogo, em muitas ocasiões, o Benfica esteve por cima do Sevilha.

 

- Depois foi o seu momento de glória.

 

- [risos] Sim, e é curioso, porque eu e o Unai já tínhamos alguma cumplicidade naquela altura, e quando eu fui para a baliza na hora das grandes penalidades ele nada me disse. Olhou para mim, eu para ele, acenou com a cabeça, e essa foi a melhor mensagem que me podia transmitir, porque foi como dizer que confiava em mim, pelo que nem foi preciso dizer mais nada. E isto tem a ver com o que dizia há pouco, com a tal relação importante que ele constrói com os jogadores.

 

Ler Mais

A PAIXÃO CONTINUA EM CASA


O momento particular que vivemos determina a permanência das pessoas em casa além do fecho de todas as lojas comerciais alterando dramaticamente os hábitos das pessoas no que toca à leitura e ao acesso à informação.

Neste momento de grandes dificuldades para todos, estamos a trabalhar a 100% para continuar a fazer-lhe companhia todos os dias com o seu jornal A Bola , o site ABOLA.pt e no canal A Bola Tv.

Mas este trabalho só vale a pena se chegar aos seus clientes de sempre sem os quais não faz sentido nem é economicamente sustentável.

Para tanto precisamos que esteja connosco, que nos faça companhia, assinando a versão digital de A Bola e aproveitando a nossa campanha de assinaturas.

ASSINE JÁ

Comentários (73)

Últimas Notícias

Mundos