Nesta corrida temos de superar-nos! (artigo de António Félix da Costa)

A BOLA É MINHA 22-05-2020 11:35
Por António Félix da Costa

Isolados mas não sozinhos, confinados mas não alheados. Num momento único na história mundial, a capacidade de refletir sobre as nossas experiências e o que nos rodeia é, também, uma forma de liberdade. A BOLA dá voz aos grandes protagonistas do desporto em crónicas assinadas na primeira pessoa sob o título ‘A bola é minha’. Sem filtros.

 

Os últimos dois meses foram diferente e únicos para todos nós. Uns mais que outros, dependendo do seu trabalho, mas diferente para todos. O meu caso é dos mais extremos, visto que nunca estive tanto tempo sem guiar um carro de corridas e não temos ainda data definida de quando vamos voltar às pistas.

 

Quando nos confinámos em março percebeu-se que os campeonatos iriam demorar a regressar e logo decidi que tinha de fazer algo para me manter o mais ativo possível e ao mesmo tempo garantir a minha preparação física e mental. Lidero a Fórmula E e também estou na luta pelo título no Mundial de Resistência, na categoria LMP2. Quero trazer estas vitórias para Portugal e sei que tenho de fazer mais do que todos os meus rivais nesta fase.

 

O meu dia começa bem cedo, saio de casa pelas 06.00 h com treino de bicicleta e aproveito para passar pelos sítios que mais me fazem sentir bem, a praia do Guincho e toda a estrada que liga Cascais ao Guincho, onde aproveito para perceber como está o mar para um possível surf mais tarde. Depois quando chego a casa tomo um reforço de pequeno almoço e dedico algum tempo ao simulador que tenho em casa, onde aproveito para me manter ativo e trabalhar os reflexos. Tem sido interessante pois sempre levei o simulador que tenho em casa como uma brincadeira, mas devido à situação que atravessamos, a verdade é que há cada vez mais campeonatos com pilotos reais e o nível é muito alto. Tenho participado em corridas onde está o Max Verstappen, o Lando Norris, o Charles Leclerc e tantos outros. Portanto, tenho passado muitas horas no vício. Posso dizer tenho evoluído o meu simulador, mas estou longe de ter material ao nível dos melhores do Mundo, que podem chegar a custar 50 mil euros. É um mundo que não pára e que está agora a ganhar muita força pelas razões que todos sabemos.

 

À hora de almoço, uma ou duas vezes por semana, aproveitamos para comer em família e procuramos manter a união familiar bem presente. Entre o meu pai, os meus irmãos e os meus sobrinhos, acaba por ser um tempo bom em família, onde nos desligamos um pouco do exterior. Depois, se o tempo e o mar permitirem, aproveito para dar aquele surf com o Kikas, o Vasco Ribeiro e outros amigos mais amadores, como eu. O surf é um hobby espetacular, onde junto a preparação física ao lado mental de me libertar totalmente.

Ao final da tarde aproveito para passear os meus cães e duas ou três vezes por semana também comunicar com os meus engenheiros e staff da minha equipa, para saber como estão e também falarmos um pouco do que aí vem e procurar evoluir o nosso carro com os dados que temos das últimas corridas. Mais uma área onde podemos fazer a diferença face aos nossos adversários e procuramos fazer o máximo trabalho de casa possível nesta fase…

 

Ainda na minha agenda está a visita à obra da minha casa, que estou a construir e me dá um gozo especial, pois por um lado é o resultado do esforço do meu trabalho e por outro gosto de me envolver nas decisões e dar o meu próprio cunho nos detalhes da casa, apesar de confiar nos arquitetos e nos engenheiros de obra. Ainda assim, por ter mais tempo nesta fase, acaba por ser mais um programa semanal estas visitas à obra.

 

Enfim, tem sido um dia a dia diferente e não muito fácil, mas como já referi tenho procurado manter-me bem e sobretudo focado, pois as corridas podem voltar a qualquer altura. Sei que tenho uma grande oportunidade de vencer este título da Fórmula E e tudo depende muito do método, foco e energia que puser nos meus dias, nesta fase complicada. Acredito que nas dificuldades temos de encontrar forças para nos superarmos e sem dúvida que o facto de estar muito bem rodeado com pessoas que me apoiam incondicionalmente é muito importante. Entre o Tiago Monteiro (meu manager), a minha família, os meus amigos e toda a equipa que tenho por trás de mim, tudo me motiva altamente para não parar e continuar a trabalhar com energia máxima.

 

Agora só quero regressar quanto antes às pistas, mas sempre em segurança para todos. Sei que a Fórmula E tem várias hipóteses de pistas e locais para a fase final da temporada e nós, pilotos e equipas, cá estaremos para aceitar a decisão, seja ela qual for. Certo é que as corridas são fundamentais para a minha vida e de facto só quando não temos as coisas é que damos mais valor ao essencial da nossa vida.

 

Tenho a sorte de chamar trabalho aquilo que mais adoro de fazer na vida e sei que sou um privilegiado. 

Ler Mais

A PAIXÃO CONTINUA EM CASA


O momento particular que vivemos determina a permanência das pessoas em casa além do fecho de todas as lojas comerciais alterando dramaticamente os hábitos das pessoas no que toca à leitura e ao acesso à informação.

Neste momento de grandes dificuldades para todos, estamos a trabalhar a 100% para continuar a fazer-lhe companhia todos os dias com o seu jornal A Bola , o site ABOLA.pt e no canal A Bola Tv.

Mas este trabalho só vale a pena se chegar aos seus clientes de sempre sem os quais não faz sentido nem é economicamente sustentável.

Para tanto precisamos que esteja connosco, que nos faça companhia, assinando a versão digital de A Bola e aproveitando a nossa campanha de assinaturas.

ASSINE JÁ

Comentários (1)

Últimas Notícias