Judd na final em Southport: a um passo de igualar recorde de 5 títulos numa época

Snooker 28-02-2020 23:13
Por António Barroso

O inglês Judd Trump, de 30 anos, líder da hierarquia e campeão mundial (2019) qualificou-se na noite desta sexta-feira para a sua sexta final de uma prova de ‘ranking da temporada 2019/2020 do World Snooker Tour, o Players Championshio, a decorrer até domingo, 1 de março, em Southport (Inglaterra), ao vencer o escocês Stephen Maguire, de 38 anos, 15.º da tabela, por 6-5, na primeira das meias-finais do torneio reservado ao top 16 da hierarquia a um ano, e após um verdadeiro jogo de loucos que se arrastou por mais de quatro horas.

 

Será a sexta final do líder incontestado da tabela mundial na época em curso, e o Ace in the Pack está a uma vitória (na final) de igualar um recorde e proeza apenas conseguida por quatro ases dos panos verdes na era moderna do snooker, Stephen Hendry, Ding Junhui, Mark Selby e Ronnie O’Sullivan: vencer cinco torneios na mesma época.

 

Até agora, apenas Neil Robertson, na Champion of Champions, o conseguiu bater numa final na corrente época, por 9-10, num duelo em que o inglês, a vencer por  9-8, chegou a ter mais pontos de vantagem do que o australiano dispunha na mesa e a ter a vitória em pontos matematicamente garantida, mas Robertson conseguiu arrancar-lhe falta e embolsar as bolas necessárias e amealhar pontos para vencer esse 18.º frame, forçar a negra e vencer o parcial decisivo.

 

No bolso do profissional de Bristol, também a uma vitória do seu 16.º título em provas de ranking da carreira, estão já International Championship, em agosto (10-3 a Shaun Murphy na final), dois outros troféus em novembro, World Open (10-5 a Thepchaiya Un-Nooh na final) e Open da Irlanda do Norte (9-7 a Ronnie O’Sullivan na final), a que juntou, já no corrente mês e corrente ano civil, o German Masters (9-6 a Neil Robertson no duelo decisivo).

 

Impressionante registo de Judd Trump, que se arrisca a reencontrar nova final o compatriota Shaun Murphy, a quem arrebatou o International Championship em agosto… mas que o venceu nos dois útimos encontros, ambos em quartos de final: Masters de Londres, em janeiro (6-3) e Open de Gales, já no corrente mês (5-3).

 

Judd fica agora à espera do rival a sair da segunda meia-final, a jogar-se na noite de domingo (19 horas) ainda à melhor de 11 parciais - até um vencer seis (de 6-0 a possíveis 6-5), entre… o compatriota Shaun Murphy, de 37 anos, nono da hierarquia (e campeão mundial em 2006) e o chinês Yan Bingtao, de 20 anos, 18.º do ranking.

 

O embate da sessão noturna da noite desta sexta-feira no Waterfront de Southport começou logo com a tensão ao máximo: 48 pontos para cada um, com Maguire a embolsar a preta, respotted black para o desempate, com  Stephen a falhar chance para o buraco mais próximo da bola amarela e Judd a não perdoar: 1-0, após longos e emotivos 45 minutos de parcial inaugural. Até ao 3-0, com entradas de Judd de 60 pontos para o 2-0 e centenária (132 pontos) para o 3-0, foram precisos só mais 20 minutos. E ia a caminho do 4-0, com entrada de 55 pontos, quando claudicou e o escocês, com break de 56 pontos, acabou por atenuar (1-3) antes do intervalo.

 

E uma hora após Maguire ver a vida bem complicada, com 0-3 em frames e 0-55 no marcador do quarto parcial (com Judd na mesa) tudo voltava ao princípio: o escocês veio revigorado e a capitalizar a preceito pequenos lapsos do número um mundial após o descanso e, com breaks de 73 e 67 pontos, igualou a 3-3: voltava tudo ao princípio. E depois do desgaste psicológico do primeiro parcial, perdido na bola preta, Maguire passou mesmo para a frente no marcador - novidade e um sinal de que estava (muito) melhor no jogo nesta altura - na sétima partida, a 4-3, também na última bola na mesa (63-59).

 

O quinto parcial de rajada para Maguire - e quatro em quatro após o intervalo - veio logo a seguir, com entradas de 48 pontos, primeiro, e de 70 pontos, depois, para o 5-3. O campeão do Mundo estava, sensacionalmente, à beira do KO, e o escocês à beira da sua segunda final da temporada: perdeu a do UK Championship (6-10, Ding Junhui). Stephen teve a chance de fechar o duelo a 6-3 nessa nona partida.

 

O escocês claudicou uma primeira vez na hora da decisão e Judd respirou com o 4-5, ganhou confiança e entrada de 51 pontos valeu-lhe o 5-5 e forçar a negra. Segundo xeque de Maguire também não teve mate, mesmo com o escocês a chegar a 49-0 na 11.ª partida, mas Judd a tirar coelhos da cartola e manter o nervo e o gelo na altura escaldante: arrancou entrada arrebatadora (deliciosa a forma como, com a branca, foi buscar uma vermelha da tabela para ficar fácil de embolsar) de 70 pontos, a limpar a mesa e ganhar.

 

O Players Championship é reservado ao top 16 do ranking a um ano e segunda de três provas das Coral Series, distribui £385 mil (€453.490) em prémios, £125 mil (€147.237) ao campeão e £50 mil (€58.895) ao finalista, verba que Judd Trump já garantiu como mínimo.

 

Chegar às meias-finais valeu a Stephen Maguire, tal como, e para já, a Shaun Murphy e Yan Bingtato, mínimo garantido de £30 mil (€35.337). A final do torneio, transmitido para Portugal (EuroSport) é domingo, 1 de março, em duas sessões (13 e 19 horas, oito parciais a jogar na primeira) à melhor de 19 frames: é campeão quem vencer dez (10-0 a possíveis 10-9). O inglês Ronnie O’Sullivan venceu o torneio em 2019 (10-4 a Neil Robertson na final).

 

Meias-finais (apurado a negro):

Judd Trump-Stephen Maguire, 6-5

Yan Bingtao-Shaun Murphy (sábado, 19 horas)

 

Final do Players Championship, domingo (hora local e de Portugal continental):

Judd Trump-Yan Bingtao/Shaun Murphy (13 e 19 horas)

A PAIXÃO CONTINUA EM CASA


O momento particular que vivemos determina a permanência das pessoas em casa além do fecho de todas as lojas comerciais alterando dramaticamente os hábitos das pessoas no que toca à leitura e ao acesso à informação.

Neste momento de grandes dificuldades para todos, estamos a trabalhar a 100% para continuar a fazer-lhe companhia todos os dias com o seu jornal A Bola , o site ABOLA.pt e no canal A Bola Tv.

Mas este trabalho só vale a pena se chegar aos seus clientes de sempre sem os quais não faz sentido nem é economicamente sustentável.

Para tanto precisamos que esteja connosco, que nos faça companhia, assinando a versão digital de A Bola e aproveitando a nossa campanha de assinaturas.

ASSINE JÁ

Ler Mais
Comentários (0)

Últimas Notícias