'Rocket regressa a vencer sem convencer (4-3)

Snooker 03-02-2020 20:59
Por António Barroso

O inglês Ronnie O’Sullivan, de 44 anos, quarto da hierarquia e pentacampeão mundial (2001, 204, 2008, 2012 e 2013) regressou esta segunda-feira à competição após ausência de 52 dias (e em três provas) da época 2019/2020 do World Snooker Tour com uma vitória por 4-3 ante o compatriota David Gilbert, de 38 anos, 12.º da hierarquia, em encontro dos 16avos de final do World Grand Prix, que se iniciou neste dia e decorre até domingo, dia 9 do corrente mês, em Cheltenham (Inglaterra).

 

O regresso do ‘Rocket’, mais ganhador na história da era moderna desta variante do bilhar – tem 36 títulos de ‘ranking’, tantos quantos o escocês Stephen Hendry (já retirado, joga o circuito Seniors) e pode em Cheltenham, chegar ao 37.º e estabelecer-se como recordista absoluto - prendia atenções neste primeiro dia: todos queriam avaliar se a opção de se afastar mais de mês e meio teria consequências na qualidade de jogo daquele que é unanimemente reconhecido como predestinado.

 

Podia ter começado mal, com entrada de 50 pontos de Gilbert, a chegar a 54-0, mas à primeira aberta O’Sullivan anotou ‘break’ de 52… com 22 pontos na mesa (castanha, azul, rosa e preta): Ronnie limpou a mesa para entrar a ganhar: 1-0. Um ‘chouriço’ na bola azul antes da sequência final de cores valeu a Gilbert a chance, aproveitada, para o 1-1.

 

Mais 53 pontos, aqui e ali um ou outro falhanço compensado com virtuosismo, e Ronnie voltou ao comando do marcador no terceiro parcial, em que teve entrada de 54 pontos (e outra de 39): 2-1, ampliados para 3-1 sem precisar, até aí, de suar muito, pois Gilbert também acusou o momento e não era assertivo a capitalizar lapsos do ‘Rocket’.

 

Nada mais enganador, e David Gilbert acordou no quinto parcial, para encostar a 2-3, com entrada de 69 pontos. E com Ronnie a claudicar ante vermelha fácil aos 19 pontos no parcial seguinte, David embalou para centenária (115 pontos) e limpeza de mesa na sexta partida: 3-3, ‘negra’.

 

Uma tacada desastrada de Gilbert no preâmbulo do sétimo parcial deu a O’Sullivan a oportunidade que há três partidas reclamava para vencer e fechar o jogo com chave de ouro - a 1036.ª centenária da sua carreira, com 129 pontos, a demonstrar que se a exigência sobe, ele acompanha. Um clássico, de há 28 anos a esta parte.  Ronnie defrontará na noite (19 horas) de quarta-feira, dia 5, nos oitavos de final, o vencedor do duelo entre o norte-irlandês Mark Allen e o chinês Liang Wenbo.

 

Na mesa ao lado, no salão The Centaur, casa de festas do hipódromo de Cheltenham, decorre ainda o duelo entre o escocês Stephen Maguire, de 38 anos, 15.º da hierarquia, e o inglês Tom Ford, de 36 anos, 25.º do ‘ranking’.

 

Este primeiro dia de ação em Cheltenham traz ainda, além de um Zhou Yuelong-Gary Wilson – protagonistas de uma das meias-finais do European Masters, em janeiro, na Áustria, então com o chinês a impor-se ao inglês (5-6) - também às 20 horas, a estreia de outro favorito: o inglês Mark Selby, de 36 anos, quinto da hierarquia e tricampeão mundial (2014, 2016 e 2017), ante o chinês Xiao Guodong, de 30 anos, 27.º do ‘ranking’

 

O World Grand Prix é pontuável para o ‘ranking’ e primeira de três provas do conjunto Coral Series - com Players Championship e o Tour Championship – para o qual há bónus de 100 mil libras (118.976 euros) à espera do jogador que mais amealhar nos três torneios, além de levar a Taça Coral, título que O’Sullivan levou em 2019 e está a defender.

 

O Grande Prémio Mundial é reservado aos melhores 32 do ‘ranking’ a um ano (não o normal, com os ganhos monetários dos últimos dois anos), atribui £400 mil (€475.903) em prémios, das quais £100 mil (€118.976) ao futuro campeão - Judd Trump venceu em 2019 (10-4 a Neil Robertson na final) – e é transmitido para Portugal (EuroSport).

 

Até aos oitavos de final, os jogos do Grande Prémio Mundial são à melhor de sete parciais e um jogador vencer quatro (4-0 a possíveis 4-3). Os ‘quartos’ serão disputados à melhor de nove partidas, até um ganhar cinco (5-0 a possíveis 5-4) e as meias-finais até 11, sendo finalistas os primeiros a vencer seis (de 6-0 a possíveis 6-5). A final será à melhor de 19: é campeão o primeiro a chegar a dez (de 10-0 a possíveis 10-9).

 

16avos de final do World Grand Prix, esta 2.ª feira e até 4.ª feira (apurado a negro):

David Gilbert-Ronnie O'Sullivan, 3-4

Stephen Maguire-Tom Ford, 3-2 (em curso)

Mark Selby-Xiao Guodong, 0-0 (em curso)

Zhou Yuelong-Gary Wilson, 0-0 (em curso)

Joe Perry-Ali Carter (3.ª feira, 13 horas)

Ding Junhui-Scott Donaldson (3.ª feira, 13 horas)

Neil Robertson-Michael Holt (3.ª feira, 14 horas) 

Graeme Dott-Kurt Maflin (3.ª feira, 14 horas)

Judd Trump-Li Hang (3.ª feira, 19 horas) 

Mark Allen-Liang Wenbo (3.ª feira, 19 horas) 

Thepchaiya Un-Nooh-Matthew Selt (3.ª feira, 20 horas)   

Shaun Murphy-Matthew Stevens (3.ª feira, 20 horas) 

John Higgins-Stuart Bingham (4.ª feira, 13 horas)

Yan Bingtao-Zhao Xintong (4.ª feira, 13 horas)

Kyren Wilson-Jack Lisowski (4.ª feira, 14 horas)

Mark Williams-Barry Hawkins (4.ª feira, 14 horas)

A PAIXÃO CONTINUA EM CASA


O momento particular que vivemos determina a permanência das pessoas em casa além do fecho de todas as lojas comerciais alterando dramaticamente os hábitos das pessoas no que toca à leitura e ao acesso à informação.

Neste momento de grandes dificuldades para todos, estamos a trabalhar a 100% para continuar a fazer-lhe companhia todos os dias com o seu jornal A Bola , o site ABOLA.pt e no canal A Bola Tv.

Mas este trabalho só vale a pena se chegar aos seus clientes de sempre sem os quais não faz sentido nem é economicamente sustentável.

Para tanto precisamos que esteja connosco, que nos faça companhia, assinando a versão digital de A Bola e aproveitando a nossa campanha de assinaturas.

ASSINE JÁ

Ler Mais
Comentários (2)

Últimas Notícias