Trump bate Neil (9-6) e conquista 15.º título no German Masters

Snooker 02-02-2020 22:17
Por António Barroso

O inglês Judd Trump, de 30 anos, número um da hierarquia e campeão mundial em título (2019) conquistou na noite deste domingo a sua quarts prova de ‘ranking’ da época, cimentou a liderança da tabela mundial e alcançou o 15.º título na sua carreira ao vencer o German Masters, prova da temporada 2019/2020 do World Snooker Tour, que neste dia se concluiu em Berlim, ao vencer no final o australiano Neil Robertson, de 37 anos, segundo do ‘ranking’ (e campeão mundial em 2010) por 9-6.

 

Após a vitória, no dia 26, na Áustria, no European Masters (9-0 a Zhou Yuelong na final), Robertson queria repetir o triunfo numa final ante Judd, como já tinha conseguido esta época na Champion of Champions (10-9, mas não uma prova de ‘ranking’) e chegar ao 18.º título em provas de ‘ranking’, deixando a companhia de Mark Selby, que também somava 17 conquistas. Continuam… iguais.

 

A vitória de Judd impede que Neil Robertson tenha já garantido que será o profissional que mais dinheiro irá amealhar nas European Series – conjunto de quatro torneios, dos quais ficam a faltar agora o ‘Shoot Out’ e o Open de Gibraltar -, com o inglês a embolsar as £80 mil (€95.192 euros) para o campeão, que sucede a Kyren Wilson e é o seu quarto título da época, após International Championship, World Open e Open da Irlanda do Norte. Simplesmente notável, a por fim a uma série de nove vitórias seguidas de Neil.

 

Significa isto que o bónus de £150 mil (€178.484) da World Snooker – que não conta para efeitos de ‘ranking’ – para quem melhor estiver nas quatro provas continua em aberto. E há outros £100 mil (€118.990) a conquistar no ‘Shoot Out’ e Gibraltar.

 

Um jogo que começou com respeito mútuo dos dois profissionais mais em forma do planeta nesta altura, com Neil a chegar a segunda final de rajada em Berlim com nove vitórias de rajada e saldo de 51-8 entre ‘frames’ ganhos e perdidos nesses duelos, e Trump como número um, com 14 títulos conquistados e à procura do 15.º, na sua quinta (!) final da temporada: venceu International Championship, World Open e Open da Irlanda do Norte, só tendo mesmo perdido para Robertson (9-10) na Champion of Champions (não de ‘ranking’).

 

Entrada de 60 pontos, após batalha defensiva, valeu o 1-0 para Judd. Estupenda última vermelha de Neil valeu-lhe a limpeza de cores finais para o 1-1, quando Trump poderia ter avançado para 0-2. Mas o inglês, com ‘break’ de 64 pontos, voltou a liderar após o terceiro parcial, por 2-1, com o australiano a mostrar o que têm sido os seus últimos recitais para igualar 2-2 ao intervalo da sessão da tarde: centenária de 120 pontos.

 

No reatamento, golpe de teatro e Judd a acusar a pressão: na frente por 71-45, falhou de forma incrível a bola amarela, que lhe dava o 3-2 – 26 pontos de diferença, para 27 na mesa -, e Neil não se fez rogado: limpou a mesa, 3-2, o australiano pela primeira vez na frente do marcador. Que passaram a 4-2 depois, com ‘break’ de 77 pontos.

Judd sentiu o perigo e reagiu à campeão, para encostar a 3-4 com duas visitas a pontuar no sétimo parcial (entrada de 68 pontos na melhor) e nivelar tudo para a noite na oitava partida: 4-4.

 

A vitória de Judd e desforra da final da Champion of Champions desenhou-se na primeira parte da sessão noturna deste domingo, e derradeira. Com entrada de 54 pontos, Trump passou para a frente a 5-4, e novo ‘break’ de 75 pontos valeu-lhe o 6-4: quatro parciais de rajada para si, antes de Neil encostar a 5-6. Que, com mais uma tacada de 59 pontos de Judd sem falhar uma bola nos buracos, valeu o 7-5 ao inglês… e 8-5 logo após. Faltava um.

 

Robertson ainda conseguiu o 6-8 mas Judd Trump fechou o torneio com chave de ouro: centenária de 100 pontos certos, para o 9-6, a confirmar ser o melhor do planeta nesta variante do bilhar… ante o número dois, ante 2500 fãs no bonito Tempodrom.

 

Final do German Masters, este domingo (campeão a negro):
Neil Robertson-Judd Trump, 6-9
 

A PAIXÃO CONTINUA EM CASA


O momento particular que vivemos determina a permanência das pessoas em casa além do fecho de todas as lojas comerciais alterando dramaticamente os hábitos das pessoas no que toca à leitura e ao acesso à informação.

Neste momento de grandes dificuldades para todos, estamos a trabalhar a 100% para continuar a fazer-lhe companhia todos os dias com o seu jornal A Bola , o site ABOLA.pt e no canal A Bola Tv.

Mas este trabalho só vale a pena se chegar aos seus clientes de sempre sem os quais não faz sentido nem é economicamente sustentável.

Para tanto precisamos que esteja connosco, que nos faça companhia, assinando a versão digital de A Bola e aproveitando a nossa campanha de assinaturas.

ASSINE JÁ

Ler Mais
Comentários (0)

Últimas Notícias