Neil arrasa Murphy (6-1) para 2.ª final seguida da época em Berlim

Snooker 01-02-2020 21:34
Por António Barroso

O australiano Neil Robertson, de 37 anos, segundo da hierarquia (e campeão mundial em 2010), qualificou-se na noite deste sábado para a final do German Masters, prova da época 2019/2020 do World Snooker Tour e das European Series a decorrer até domingo, dia 2 do corrente mês, em Berlim, ao vencer o inglês Shaun Murphy, de 37 anos, décimo do ranking (e campeão mundial em 2005), por 6-1, na segunda meia-final do torneio das European Series.

 

Na final, a sua segunda seguida em torneios da época – conquistou a 26 de janeiro o European Masters, em Dornbirn, na Áustria (9-0 a Zhou Yuelong), além da vitória na Champion of Champions (10-9 a Judd Trump na final) esta última uma prova não de ranking –, Robertson defrontará, domingo, o inglês Judd Trump, de 30 anos, número um e campeão mundial (2019), que durante a tarde bateu, na primeira meia jogada no Tempodrom, o escocês Graeme Dott, de 42 anos, 21.º do ranking (e campeão mundial em 2006), por 6-4. No histórico de confrontos diretos entre Judd e Neil, em 31 embates até à data, o inglês venceu 16 e o australiano os restantes 15: equilíbrio quase total...

 

Neil partia com superioridade vincada no confronto direto com Murphy, e em busca do seu 18.º título (tem 17) em torneios de ranking, enquanto Shaun, com oito provas de ranking conquistadas, tentava no Tempodrom nono título da carreira. E uma grande bola amarela, embolsada a longa distância, na sequência final de cores, fê-lo embalar para a liderança logo a abrir: 1-0.

 

Um segundo parcial em que, com as vermelhas espalhadas, se adivinhava que a primeira aberta fosse decisiva: caiu para Murphy, com entrada de 92 pontos, e 1-1. O inglês poderia ter passado para a frente no terceiro parcial, mas aos 53 pontos falhou vermelha… e Neil limpou a mesa, break de 73 pontos para o  2-1. Que com centenária e nova limpeza do pano verde logo após (136 pontos) selaram o 3-1 ao intervalo: australiano intratável e (muito) por cima na partida.

 

O tremendo momento de forma do loiro do hemisfério sul saiu ainda mais sublinhado na segunda metade: no quinto parcial, chegou, com entrada de 62 pontos, a 63-5 mas viu a branca entrar num buraco do meio. Após troca defensiva, Neil levou a melhor e avançou para o 4-1, e o 5-1 logo a seguir, a dois tempos, com breaks de 26 e 53 pontos, respetivamente, para o deixar a um da segunda final de rajada na temporada. Confirmada logo a seguir, com chave de ouro a fechar o encontro: nova centenária, de 129 pontos, para o 6-1. Com todo o mérito: está numa forma de meter respeito, Neil Robertson.

 

A final, domingo, é à melhor de 17 parciais, em duas sessões (13 e 19 horas, oito frames a jogar na primeira sessão): é campeão do torneio e sucede ao inglês Kyren Wilson o primeiro a chegar a nove (de 9-0 a possíveis 9-8). O Masters da Alemanha é a segunda prova das European Series, depois do European Masters. Atribui £400 mil (€475.638) de prémios, das quais £80 mil (€95.128) ao campeão e £35 mil (€41.618) ao vice-campeão – verba mínima que tanto Judd Trump como Neil Robertson já garantiram, pelo menos -, e chegar à meias-finais assegurou a Graeme Dott e Shaun Murphy mínimo de £20 mil (€23.782). A prova é transmitida para Portugal (EuroSport).

 

O jogador que amealhar mais dinheiro na soma dos quatro European Series (ficarão a faltar o Shoot Out e o Open de Gibraltar) terá bónus de £150 (€178.364) da World Snooker. Vencedor do European Masters e na final em Berlim, Neil Robertson está na frente na corrida ao extra. Se o australiano vencer os quatro torneios, aos £260 mil (€309.165) do prémio máximo nas provas junta o bónus: pode chegar a £410 mil (€487.529).

 

Meias-finais, este sábado (apurados a negro):

Graeme Dott-Judd Trump, 4-6

Shaun Murphy-Neil Robertson, 1-6

 

Final do German Masters, domingo (hora de Portugal continental):

Neil Robertson-Judd Trump (13 e 19 horas)

A PAIXÃO CONTINUA EM CASA


O momento particular que vivemos determina a permanência das pessoas em casa além do fecho de todas as lojas comerciais alterando dramaticamente os hábitos das pessoas no que toca à leitura e ao acesso à informação.

Neste momento de grandes dificuldades para todos, estamos a trabalhar a 100% para continuar a fazer-lhe companhia todos os dias com o seu jornal A Bola , o site ABOLA.pt e no canal A Bola Tv.

Mas este trabalho só vale a pena se chegar aos seus clientes de sempre sem os quais não faz sentido nem é economicamente sustentável.

Para tanto precisamos que esteja connosco, que nos faça companhia, assinando a versão digital de A Bola e aproveitando a nossa campanha de assinaturas.

ASSINE JÁ

Ler Mais
Comentários (0)

Últimas Notícias