O Trinta-e-Um do Líder Autocrático (artigo de Gustavo Pires, 107)

Espaço Universidade 18-11-2019 16:03
Por Gustavo Pires

Para além da experiência e do conhecimento, todo e qualquer gestor tem um estilo de liderança que será sempre marcado pela sua personalidade, a sua instrução e a sua cultura num amplo espectro ético-moral de soluções entre:
 

(1º) Um estilo de liderança democrático caracterizada por uma gestão partilhada, pessoalizada na partilha do poder, promotora de transparência, de envolvimento e de uma cultura de competência e progresso. Regra geral, gera sucesso pessoal e desenvolvimento social;

(2º) Um estilo de liderança autocrática caracterizada por uma gestão tirânica, pessoalizada no quero, posso e mando, promotora de opacidade, de autoritarismo e de uma cultura de amiguismo e corrupção. Eventualmente, pode gerar sucesso pessoal à custa de subdesenvolvimento social.


A partir do exemplo de Pierre de Coubertin, que imbuiu no Movimento Olímpico (MO) internacional de um espírito democrático, a generalidade das organizações desportivas, sobretudo durante os primeiros três quarteis do século passado, funcionavam numa lógica missionária em que os praticantes, os técnicos e os dirigentes, por vezes assumindo duas ou, até, as três funções, num ambiente hierárquico, corporativo e democrático, dedicavam-se à causa desportiva exclusivamente por amor ao desporto.
 

Entretanto, a partir dos Jogos Olímpicos de Roma (1960), o dinheiro começou a aparecer, em quantidades cada vez maiores, por via das transmissões televisivas que escancararam as portas aos patrocínios desportivos. Posteriormente, a compressão espácio-temporal provocada pelas novas tecnologias da informação e comunicação, bem como o extraordinário progresso das vias de comunicação, proporcionou ao mundo do desporto fluxos monetários até então inimagináveis. E, Antonio Samaranch, o catalão franquista presidente do Comité Olímpico Internacional (COI) (de 1980 a 2001), perante a facilidade com que volumes inimagináveis de dinheiro, das mais variadas proveniências, estava a chegar ao COI, proclamou a metáfora “yes to commercialization” que havia de, definitivamente, institucionalizar no desporto uma cultura de negócios,  em muitas circunstâncias, de características ético-morais mais do que duvidosas. Quando se altera a lógica económica de uma dada atividade, altera-se a essência da sua própria natureza, bem como a natureza daqueles que a administram. Por isso, bem vistas as coisas, o que Samaranch, com o seu “yes to commercialization”, fez foi matar o espírito de Coubertin desencadeando a mudança de paradigma de um MO gerido de acordo com a lógica pedagógica e humanista de uma economia social, para um MO gerido na lógica comercial e racional de uma economia dos negócios. Ao fazê-lo, abriu o MO a uma dinâmica neomercantilista que, com diferentes consequências, passou a presidir ao desenvolvimento do desporto ao serviço da geoestratégia económica dos países. Por exemplo, hoje, Cristiano Ronaldo é importante não porque, eventualmente, possa ser um exemplo de comportamento desportivo e social para os jovens portugueses. Ele é importante porque faz Portugal ser conhecido lá fora, o que facilita a vida aos empresários, anima e diverte as relações dos políticos e, até, permite ao Presidente da República referir-se ao futebolista a fim de explicar a existência de Portugal a Donald Trump.
 

O problema é que, se o poder é afrodisíaco, o poder com dinheiro fácil e a rodos, quer direta, quer indiretamente, proveniente dos bolsos dos contribuintes, é muito mais. E, tomando a nuvem por Juno, acometidos por uma esquizofrénica tentação totalitária de concentração de poder e dinheiro, muitos dirigentes, confundindo aquilo que foi a obra-prima do mestre que foi Coubertin com a prima do mestre-de-obras, começaram a gerir as organizações de que eram responsáveis como autênticos oligarcas sem sentirem necessidade de darem satisfações a ninguém. Em consequência, o mundo do desporto assistiu à passagem de um tradicional estilo de liderança sadio e democrático legado por Coubertin, para um estilo autocrático e doentio que, por incompetência das autoridades políticas, está a transmutar o desporto, dos valores do estádio grego, para a selvageria do circo romano. Tratou-se da passagem do lado transparente da gestão para o lado negro da mesma. Max Weber, no livro Ensaios de Sociologia, de uma forma simples, clara e breve descreveu a referida passagem da seguinte maneira: “Em democracia as pessoas escolhem um líder em que confiam. Depois, o líder escolhido diz ‘calem-se e obedeçam-me’ e, a partir daí, as pessoas deixam de ter liberdade para intervir nos assuntos que lhes dizem respeito”. Ora, perante o apelo do poder do dinheiro e de todas as mordomias que dele decorrem em sistemas sem mecanismos de monitoragem e controlo credíveis, muitos dirigentes desportivos, sem qualquer pudor e perante a abulia do poder político, passaram a gerir as organizações como se fossem donos delas. Muitas vezes, são os próprios estatutos a criar as condições para que o surgimento de um Salto Autocrático possa acontecer, assim que o líder se aborreça com um qualquer constrangimento inerente ao processo de gestão democrática em curso. Então, a gestão deixa de ser um instrumento de organização, planeamento, controlo e progresso e passa a ser um instrumento de exercício e consolidação de um poder de características absolutistas. E, assim, surge o dirigente autocrático no seu máximo esplendor.

Infelizmente, hoje, o desporto, nos mais diversos países do mundo e nas mais variadas organizações nacionais e internacionais, está transformado num espaço onde prima a mais completa ausência de democracia uma vez que, muitos dos dirigentes, depois de serem eleitos através de processos de democraticidade, pelo menos, questionável, por motivos de uma profunda incultura e carência de educação democrática, deslumbrados com o poder e o dinheiro disponível, passam a exercer as suas funções impondo as suas ideias, forçando as suas decisões  e obrigando ao cumprimento dos procedimentos que mais lhes interessam para a eficácia do exercício do seu poder. E, assim, a liderança desenvolvimentista, de características democráticas promotora de esperança e de futuro legada por Coubertin, deu origem a uma liderança oportunista, instrumentalista, de inútil burocracia, de desilusão e sem quaisquer perspetivas de futuro.
 

Ora bem, não existe ninguém mais pernicioso para o normal desenvolvimento de uma instituição do que a existência de um líder que, carente de valores democráticos, desejoso de mando absoluto e autoconvencido de uma importância que não tem, depois de desencadear um Salto Autocrático, passa a considerar-se portador de um Desígnio Providencial ao qual, do Presidente da República ao mais simples cidadão, todos têm de se sujeitar. Eles presentam as seguintes características:
 

1.       Vivem subjugados por um fanatismo psicótico de mando. Por isso, vão mudando o seu posicionamento de acordo com o lado de onde sopra o vento construindo a realidade à medida dos seus próprios interesses;

2.       Exercem um controlo esquizofrénico sobre a informação instituindo um silêncio sepulcral na organização que chefiam;

3.       Afirmam a sua incontida vaidade através de uma pseudo visão estratégica que arvoram em desígnio nacional;

4.       Determinam o desígnio nacional (solução final) enquanto pensamento único do rebanho que pretendem apascentar;

5.       Arrebanham aqueles que lideram construindo um Círculo de Mediocridade que lhes permite perpetuarem-se agarrado ao poder;

6.       Negam-se a aceitar as críticas como um desafio a fim de melhorarem os seus próprios procedimentos;

7.       Recusam o confronto com aqueles que consideram inimigos pois temem a comparação direta de ideias, de conhecimentos e de projetos;

8.       Negam-se a entrar num sadio confronto de ideias a menos que estejam num ambiente que lhe garanta um estatuto de superior vantagem competitiva;

9.       Vivem obcecado pelo facto de o seu brilho poder ser ofuscado por aqueles que lhe estão próximos;

10.   Limitam-se a uma gestão por impulsos no domínio da logística, em alternativa aos riscos de um projeto de desenvolvimento a partir das pessoas;

11.   Defendem a liberdade de expressão desde que as opiniões não os incomodem, não os perturbem, não os prejudiquem nem agitem a zona de conforto em que vivem instalados;

12.   Desencadeiam violência sobre aqueles que imaginam poderem empardecê-los;

13.   Processam uma estratégia persecutória sobre aqueles que ousam questionar a sua vontade, as suas decisões e as suas ações;

14.   Servem-se da assimetria do poder de que usufruem para, covardemente, sem qualquer emoção e com a máxima frieza, anular aqueles que consideram inimigos;

15.   Utilizam o seu poder institucional a fim de perseguirem e prejudicarem os que os criticam;

16.   Transformam os críticos numa espécie de Josef K. que, um dia, ao acordar, deu por si acusado de crimes sem substância, sem verdade, sem lógica, sem nexo e sem humanidade;

17.   Declaram as críticas que, relativamente à sua gestão, lhes fazem, em graves ofensas institucionais;

18.   Servem-se dos Tribunais como se, no século XXI, os Tribunais fossem os sucedâneos das câmaras de tortura da idade média;

19.   Movem-se por simples maldade: Na sua ânsia de desforra, acabam por atingir as próprias famílias de quem se atrevem a criticá-los;

20.   Afastam todos aqueles que se atrevem a expressar qualquer sugestão com criatividade e competência;

21.   Armam-se em vítimas utilizando os argumentos daqueles que os criticam acusando-os de lhes estarem a fazer o mal que eles próprio exercem sobre terceiros;

22.   Escondem a sua incompetência na sombra do prestígio da instituição que chefiam;

23.   Utilizam um estilo fascistoide adquirido nos manuais de iniciação dos grandes homens da política mundial como foi, por exemplo, Mao Tsé-tung;

24.   Descomprometem-se de qualquer causa a não ser a deles próprios. Não tomam partido, não se aventuram em causas alheias;

25.   Alimentam uma corte de seguidores à custa do dinheiro dos contribuintes;

26.   Despromovem o desenvolvimento dos recursos humanos da instituição limitando-se a convidar inúteis entidades da socialite a fim de lhes abrilhantarem o ego nas conferências públicas que proferem;

27.   Apostam em temas fraturantes com o objetivo de desviar a atenção dos verdadeiros problemas que afetam o desporto;

28.   Ignoram que o seu sucesso só é verdadeiramente conseguido se for sustentado no sucesso daqueles que lideram;

29.   Entendem que o exercício do temor é o seu melhor instrumento de liderança;

30.   Atiçam, contra os que consideram inimigos, autênticos “rottweilers” que o defenderão enquanto forem bem alimentados;

31.   Demonstram uma superior habilidade na arte de iludir os basbaques.
 

Cuidem-se, pois, os ingénuos porque aquele que sempre viveu dos enganos acabará sempre por encontrar quem queira deixar-se enganar. Mas atenção, o líder autocrata tem a mentalidade de um escorpião. O tal escorpião que pediu a uma inocente e ingénua rã para o transportar para o outro lado do rio. Depois, no final da viagem, quando já se sentia seguro na outra margem, não resistiu à sua maldosa natureza e ferrou a rã. Conta a estória que a última rã a ser ferroada se chamava …

Gustavo Pires é professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana

Ler Mais
Comentários (0)
Espaço Universidade10:24
O surgimento Clube de Veteranos do Atletismo que já conta com meio século - artigo de João Marreiros, 15
Espaço Universidade08-12-2019 15:31
Um olhar sobre o boxe, com “Rodriguinhos” (artigo de Vítor Rosa, 71)
Espaço Universidade08-12-2019 09:22
“O Cru e o Cozido” - uma breve reflexão (artigo de Manuel Sérgio, 317)
Espaço Universidade04-12-2019 19:09
Quem “matou” a mudança? Suspeito 20 – Resistir à Eficácia (Parte 3) - artigo de João Oliveira
Espaço Universidade04-12-2019 00:24
Já conta com 33 anos a Academia Olímpica Portuguesa (de Portugal) - artigo de João Marreiros, 14
Espaço Universidade02-12-2019 15:11
Memórias Olímpicas de Portugal – A Conferência e a Lição (artigo de Manuela Hasse, 12)

Últimas Notícias