Maximiano recorda agressões no ataque a Alcochete: «Fiquei bloqueado»

Sporting 09-12-2019 12:32
Por Redação

O guarda-redes do Sporting, Luís Maximiano, contou esta manhã o que aconteceu no ataque à Academia de Alcochete, tendo participado na décima sessão de julgamento que decorre em Monsanto por videoconferência a partir do tribunal do Montijo.

 

Maximiano contou que soube da mudança da hora do treino a 15 de maio na véspera e que a equipa foi surpreendida por pessoas usando «máscara, capuz», e tendo como alvos William Carvalho, Rui Patrício, Misic, Bataglia, Montero e Acuña.

 

 

«Fiquei bloqueado, sem reação. Não disseram nada. O William [Carvalho] levou um murro e o Rui [Patrício] também. O Bataglia e o Montero levaram com um garrafão de água. O Montero levou um estalo, o Misic levou com um cinto na cara e o Acuña levou pontapés e um murro», contou, testemunhando ter visto também duas tochas.

 

O jovem, que à data era guarda-redes dos juniores, disse ao coletivo presidido por Sílvia Pires ter ouvido ameaças como «não ganhem domingo, que vocês vão ver», em alusão à final da Taça, no domingo seguinte, dia 20 de maio, e que o Sporting viria mesmo a perder 1-2 contra Aves, encontro que cgegou a estar em risco por os jogadores mal se terem treinado nessa semana.

 

O julgamento prossegue na tarde de hoje com as inquirições de Wendel e Jeremy Mathieu, também por videoconferência.

Ler Mais
Comentários (21)

Últimas Notícias