Polícia Federal apreende 364 quilos de cocaína que seriam enviados para a Europa

Brasil 20-05-2019 18:27
Por Redação

Agentes da Polícia Federal anunciaram, esta segunda-feira, que encontraram 364 quilos de cocaína abandonada em contentores frigoríficos no porto de Santos, o maior do país, que seriam enviados para a Europa.

 

De acordo com um comunicado da polícia brasileira, parte da droga foi encontrada dentro de balões plásticos coloridos no setor de contentores refrigerados num terminal portuário no Guarujá, uma cidade vizinha de Santos, no litoral do estado de São Paulo.

 

Após a primeira apreensão, as equipas da Polícia Federal, da Receita Federal e da Polícia Marítima Especial (Nepom) encontraram o resto da cocaína em malas pretas introduzidas em tambores industriais que estavam para ser enviados para Roterdão (Holanda).

 

As autoridades suspeitam que os traficantes foram informados da presença da polícia e agentes alfandegários e, por isso, deixaram o local.

 

De acordo com as primeiras informações da polícia brasileira, os proprietários da empresa responsável pelo transporte da mercadoria não sabiam que a droga havia sido infiltrada na carga.

 

A fiscalização aconteceu no sábado, também em Santos, numa operação conjunta em que foram apreendidos 329 quilos de cocaína que tinham como destino o porto de Antuérpia, sul da Bélgica.

 

No mês passado, as autoridades alfandegárias brasileiras apreenderam 1165 quilos num navio atracado em Santos, que também tinha como destino o porto da Antuérpia.

 

O terminal portuário de Santos, o maior do Brasil, é um local onde a polícia faz grandes apreensões de cocaína com frequência.

 

Em 2018, com dados parciais até ao final de dezembro, as apreensões de droga encontradas em cargas de exportação que seriam destinadas principalmente à Europa ultrapassaram as 23 mil toneladas.

 

Esse saldo preliminar supera em muito todas as apreensões registadas em 2017 (11,5 mil toneladas), assim como as de 2016 (10,6 mil toneladas).

O FUTURO COM O NOSSO PASSADO


Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo de qualidade que se faz da grande história, da investigação e da grande reportagem – nós temos esse jornalismo (o jornalismo que fez com que se falasse de A BOLA como a Bíblia) para lhe continuar a dar.

Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo do texto criativo e sedutor e da opinião acutilante que não se faz de cócoras ou de mão estendida – nós temos esse jornalismo para lhe continuar a dar…

… e para nos ajudar a manter e a melhorar esse jornalismo sério e independente com o timbre de A BOLA,

Junte-se a nós nesse novo desafio ao futuro, tornando-se nosso assinante.

ASSINE AQUI

A Edição Digital de A Bola

Ler Mais

Últimas Notícias