Todos contra o racismo

País 15-08-2020 11:25
Por João Pimpim

As recentes e graves ameaças a três deputadas e a elementos de organizações anti-racistas foram a gota de água que fez transbordar o copo da paciência e da tolerância democrática relativamente ao crescimento de atos de racismo no nosso país.
 

Do Governo à Presidência da República, do Bloco de Esquerda (BE) ao CDS, todos afirmaram nos últimos dias o seu firme repúdio a qualquer tipo de descriminação. Depois de anteontem Marcelo Rebelo de Sousa ter apelado a que haja «tolerância zero em relação ao que é condenado pela Constituição» e de ter pedido toda a atenção «às campanhas e escaladas» que colocam em causa os valores democráticos, ontem foi a vez de a secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro, condenar de forma veemente, em nome do governo, o racismo e os crimes racistas, considerando ter chegado a hora de implementar «uma política sistemática e afirmativamente antirracista».

 

«Há um reconhecimento nacional de que estamos, de facto, numa situação de ameaça da nossa democracia e da nossa segurança. E isso tem de ser mobilizador de discursos políticos e de narrativas políticas, não só de repúdio, mas afirmativos do lado em que se está. E o lado tem de ser o da defesa dos direitos humanos», disse Rosa Monteiro, na Presidência do Conselho de Ministros.

 

Por seu lado, Catarina Martins, líder do BE, sublinha que «quem faz ameaças é criminoso e quem faz a apologia do racismo é criminoso». Já Francisco Rodrigues dos Santos, do CDS, pede prisão para «grupelhos de extrema-direita».

 

O Ministério Público instaurou, entretanto, um inquérito-crime na sequência das ameaças da autoproclamada Nova Ordem de Avis - Resistência Nacional.

Ler Mais

Últimas Notícias