«Não podemos confiar na sorte» - Marta Temido

Saúde 29-03-2020 13:11
Por Redação

A ministra da saúde, Marta Temido, esteve presente este domingo em conferência de Imprensa, juntamente com a diretora geral da Saúde, Graça Freitas, para fazer o ponto de situação da evolução epidemiológica da doença Covid-19 em Portugal.
 

«Tivemos desde ontem um acréscimo de 792 casos confirmados, o que significa um crescimento de quinze por cento face ao dia anterior. Gostava de sublinhar que o relatório permanece com a referência de 43 casos recuperados. Sublinho que os registos de recuperação podem ainda estar a ser enviesados por algum atraso temporal», começou por dizer Marta Temido.


«Quanto aos óbitos verificados, eram 119, o que significa estamos, neste momento, com uma taxa de letalidade pela Covid-19 de dois por cento, uma taxa ligeiramente superior em relação à última referida, e a taxa de letalidade nas pessoas com mais 70 anos está situada nos 8,1 por cento», explicou.


«Do total de casos confirmados com Covid-19, temos 89 por cento de doentes em casa, temos cerca de 486 pessoas hospitalizadas e 138 internadas em unidades de cuidados intensivos», enumerou ainda.
 

A ministra da Saúde abordou o falecimento de um menino de 14 anos, registado na manhã deste domingo, no Hospital de Santa Maria da Feira, e que, por isso, não consta do relatório: «Trata-se de um caso cuja causa de óbito ainda está em investigação. Era, contudo, um doente com Covid-19.»
 

Marta Temido falou novamente sobre a data prevista para o pico da pandemia no País, que deverá ocorrer «no final de maio». «Esta estimativa é atualizada diariamente e reflete o impacto das medidas do governo e da nossa capacidade de as tomarmos. Não podemos confiar na sorte. Continuamos a estimar um número muito elevado de infeção por covid-19 e precisamos da ajuda de todos para diminuir o número de infetados e o número de vitimas», alertou a ministra.

 

 

 

Ler Mais

A PAIXÃO CONTINUA EM CASA


O momento particular que vivemos determina a permanência das pessoas em casa além do fecho de todas as lojas comerciais alterando dramaticamente os hábitos das pessoas no que toca à leitura e ao acesso à informação.

Neste momento de grandes dificuldades para todos, estamos a trabalhar a 100% para continuar a fazer-lhe companhia todos os dias com o seu jornal A Bola , o site ABOLA.pt e no canal A Bola Tv.

Mas este trabalho só vale a pena se chegar aos seus clientes de sempre sem os quais não faz sentido nem é economicamente sustentável.

Para tanto precisamos que esteja connosco, que nos faça companhia, assinando a versão digital de A Bola e aproveitando a nossa campanha de assinaturas.

ASSINE JÁ

Últimas Notícias