Reviravolta de Bingham ante Kyren (6-4): nas ‘meias’ do Masters com Gilbert

Snooker 18-01-2020 01:35
Por António Barroso

O inglês Stuart Bingham, de 43 anos, 14.º da hierarquia (e campeão mundial em 2015) apurou-se na madrugada deste sábado para as meias-finais do Masters, prova da época 2019/2020 do World Snooker Tour a decorrer até domingo, dia 19 do corrente mês, em Londres, ao bater o compatriota Kyren Wilson, de 28 anos, oitavo do ranking por 6-4, no último jogo dos quartos de final do torneio, disputado no Alexandra Palace, em Londres, com uma reviravolta memorável, de 1-4 para vencer.

 

Irá defrontar nas meias-finais David Gilbert, de 38 anos, 11.º do ranking, no sábado (19 horas), após o compatriota ter ganho a Stephen Maguire durante a sessão da tarde (6-2). No histórico de duelos de David e Stuart, supremacia total de Bingham até à data: 11 vitórias noutros tantos jogos...

 

Um jogo tenso e disputado bola a bola na noite desta sexta-feira. Brilhante Wilson logo a abrir e a mostrar ao que vinha: entrada centenária, de 139 pontos, e 1-0, que passou a 2-0 após demorado parcial e longa troca defensiva na verde: Stuart teve hipótese de embolsar, falhou e Kyren limpou para dilatar a vantagem inicial, antes do rival, com break de 69 pontos, encostar a 1-2. E 1-3 após novo prolongado jogo defensivo – 25 pontos possíveis à mesa, Kyren com os mesmos 25 pontos na frente do marcador do parcial - e Wilson sentenciar a vantagem ao intervalo, ditada pelo triunfo nas duas partidas que poderiam ter caído para qualquer dos contendores à mesa.

 

No reatamento, nova machadada no ânimo de Bingham em tentar chegar à sua primeira final do Masters: entrada de 65 pontos e falhou vermelha… ainda com 75 pontos possíveis sobre o pano verde, com Kyren a não se fazer rogado e com determinada entrada de 71 pontos a limpar a mesa, para um 4-1 que prognosticava fim do sonho de Stuart. Mas a esperança renasceu para o mais velho à mesa com a vitória... na bola preta (59-53) na sexta partida, também tensa, discutida e emotiva com Bingham a reduzir para 2-4... para logo a seguir sedimentar a aspiração de ganhar com entrada de 82 pontos para encostar a 3-4 e conferir importância capital ao oitavo frame: 4-4 bem diferente de 3-5...

 

E o renascer de Stuart confirmou-se: deu tudo, arriscou numa vermelha longa e nova entrada ganhadora, de 75 pontos, permitiu a Bingham o terceiro parcial de rajada e o empate, 4-4: voltava tudo ao princípio, mas o jogo passava a ser à melhor de três... e a vitória para quem vencesse primeiro dois. E o espectro de uma recuperação e reviravolta sensacional no marcador passou de pairar a instalar-se no meio da sala quando Stuart conseguiu prodígioso snooker (branca escondida) atrás da castanha e aproveitou para, com mais experiência, em várias entrada e após falhanços de parte a parte - sim, Kyren teve chance para o 5-4 - passar para a frente, pela primeira vez no marcador, na nona partida, a 5-4. Quem diria? Stuart por todo o lado, Wilson a sumir-se do jogo, então já com mais de quatro horas de batalha.

 

Cereja no topo do bolo, o 10.º parcial, e o desfecho do duelo, teria de ser decidido mesmo na bola preta, após Kyren desperdiçar a hipótese de forçar a negra: chegou a 55-56 mas falhou a bola rosa, Stuart respirou de alívio e pode festejar uma vitória saborosa após uma verdadeira maratona, de intrensidade psicológica tremenda, de mais de quatro horas. Ponto final no sonho de Kyren em marcar presença numa segunda final no torneio londrino, batido pelo norte-irlandês Mark Allen (7-9) no duelo decisivo de 2018.

 

Na primeira das meias-finais 100 por cento inglesas, às 13 horas de sábado, vão encontrar-se ainda Shaun Murphy, de 37 anos, 10.º do ranking (e campeão mundial em 2005), que tenta terceira final do Masters, após desaire em 2012 (5-10 para Neil Robertson) e a vitória de 2015 (10-2, desforra ante o mesmo australiano) – e Ali Carter, de 40 anos, 17.º da hierarquia, este em busca de primeira final no Ally Pally… tal como, de resto, David Gilbert e Stuart Bingham. Em 32 duelos até à data entre Shaun e Ali, 12 vitórias de Murphy, 18 de Carter e dois empates (na Premier League).

 

As meias-finais ainda serão jogadas à melhor de 11 frames, até um vencer seis parciais (de 6-0 a possíveis 6-5). A final, domingo, será à melhor de 19, e em duas sessões (13 e 19 horas): é campeão e sucederá a Judd Trump - 10-4 a Ronnie O’Sullivan, na final de 2019 - o primeiro a vencer dez (de 10-0 a possíveis 10-9).

 

O Masters é reservado aos 16 melhores da hierarquia – o 17.º, Ali Carter entrou no lugar de Ronnie O’Sullivan, número três, que declinou participar - e não pontua para o ranking.. O torneio atribui £725 mil de prémios (€849.113): £250 mil (€292.798) ao campeão e £100 mil (€117.119) ao vice-campeão. É transmitido para Portugal (EuroSport), a vitória em dois jogos e chegar às meias garante já um mínimo de £60 mil (€70.241) a Shaun Murphy, Ali Carter, David Gilbert e Stuart Bingham.

 

Quartos de final (apurados a negro):

Shaun Murphy-Joe Perry, 6-3

Ali Carter-John Higgins, 6-3

Stephen Maguire-David Gilbert, 2-6

Kyren Wilson-Stuart Bingham, 4-6

 

Meias-finais (hora local e de Portugal continental):

Shaun Murphy-Ali Carter (sábado, 13 horas)

David Gilbert-Stuart Bingham (sábado, 19 horas)

Ler Mais
Comentários (1)

Últimas Notícias