Volta ao Alentejo: Cyril Barthe conquista etapa e liderança em Estremoz

Ciclismo Volta ao Alentejo: Cyril Barthe conquista etapa e liderança em Estremoz

CICLISMO24.03.202322:15

Num sprint a dois o francês Cyril Barthe (Burgos-BH) ultrapassou nos últimos metros Francisco Guerreiro (Efapel) e venceu a 3.ªetapa da Volta ao Alentejo percorrida entre Vendas Novas e Estremoz na distância de 191,4 km, conquistando a camisola amarela com que parte para a etapa de todas as decisões.

A Burgos-BH começou cedo a trabalhar a vitória na etapa ao colocar na fuga que se iniciou aos 50 km, Clément Alleno e Miguel Fernandez, que tiveram a companhia de Carlos Alvarez (JV Perfis). Depois de Fernandez e Alvarez terem abdicado, os espanhóis apostaram no desgaste dos adversários mantendo Clément na dianteira, que ultrapassou a contagem de montanha na Serra D’Ossa, para ser absorvido a 6 km da linha de chegada.

Ao ataque no ultimo quilómetro de Francisco Guerreiro (Efapel) respondeu Cyril Barthe que valendo-se da experiência e por ser mais rápido que o pegonense, venceu na chegada à cidade branca e conquistou a camisola amarela com a vantagem de 7 segundos para Luke Lamperti (Trinity) e 9 segundos para Orluis Aular (Caja Rural), que com as bonificações se encontra nos lugares de honra. «Só apostando no desgaste dos adversários poderíamos chegar à vitória. Colocámos dois companheiros na fuga com um forte andamento e a equipa resguardou-me do vento.

Quando Guerreiro atacou no último quilómetro fui à sua roda, deixei que fosse o primeiro a arrancar e sprintei porque sabia ser mais forte. Amanhã (hoje) vou defender a camisola amarela, a etapa é muito dura, tudo depende como a corrida se desenrolar porque não sendo especialista em montanha vou dar tudo», afirmou a A BOLA Cyril Barthe que em 2017 venceu duas etapa na Volta do Futuro e no ano seguinte uma no Troféu Joaquim Agostinho.

A fuga que chegou a ter a vantagem e 5,40 minutos, foi controlada à distância e terminou quando as equipas começaram a definir estratégias para a chegada em pelotão.  

As equipas portuguesas que tem passado quase despercebidas, estão preparadas para atacar na etapa de hoje com cinco contagens de montanha, depois do Cabeço do Mouro (2.ª cat.), segue-se Serra de S. Mamede, Porto da Espada, Marvão e Serra de S. Paulo, todas de 3.ª cat., com a ultima a 19 quilómetros da meta.