Liga pede revistas eficazes e identificação nominativa de adeptos nos estádios

DESPORTO E LEI Liga pede revistas eficazes e identificação nominativa de adeptos nos estádios

NACIONAL23.03.202315:32

A Liga defendeu esta quinta-feira, em audição da respetiva diretora executiva, Helena Pires, na Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto - integrada no Grupo de Trabalho de Integridade, Igualdade e Combate à Violência no Desporto – da Assembleia da República, em Lisboa, três medidas essenciais para o regresso das famílias aos estádios, no âmbito da revisão da Lei 39/2009, que estabelece o Regime Jurídico da Segurança e Combate ao Racismo, Xenofobia e à Intolerância nos Espetáculos Desportivos.

«Na qualidade de organizador das competições profissionais […], a Liga Portugal participou, sempre de forma ativa, nas revisões do enquadramento legal que o diploma conheceu em 2011, 2013, 2019 e 2021 e reafirmou o regresso das famílias aos estádios como uma das prioridades», refere a nota enviada pelo organismo presidido por Pedro Proença às redações, antes de detalhar as três medidas propostas neste dia aos deputados, no Parlamento.

«Potenciar uma intervenção mais efetiva das Forças de Segurança durante os eventos desportivos, nomeadamente no maior enfoque na supervisão da revista e controlo de entrada de artefactos proibidos, e numa intervenção mais eficaz das Forças de Segurança no interior dos recintos desportivos, sobretudo nas bancadas, situações de desordem ou comportamentos desadequados de adeptos» é a primeira das medidas preconizadas pela Liga para fomentar a ida de mais espectadores aos recintos.

A segunda medida é «a aplicação efetiva de medida acessória de obrigação de apresentação e permanência junto de uma autoridade judiciária ou órgão de polícia criminal, como sanção acessória de interdição de acesso a recintos desportivos», defendeu a responsável da Liga junto dos parlamentares, finalizando com a identificação nominal dos adeptos que vão aos estádios.

«A construção de um modelo de gestão e controlo de acessos nominativo, que permita ao organizador ter acesso, em tempo real, ao controlo global de acessos em cada estádio», completa o rol das três medidas.

Reforça o líder do organismo que tutela as provas profissionais (Liga e Liga 2), Pedro Proença, na nota enviada esta quinta-feira às redações, a vontade de contribuir para a pacificação e criação de ambiente mais propício ao regresso ou ida de mais adeptos aos estádios.

«A Liga Portugal definiu o regresso das famílias aos estádios como uma das prioridades e, desde a primeira hora, sempre manifestou disponibilidade para, em conjunto com outras entidades, trabalhar com o governo e grupos parlamentares na revisão do enquadramento legal que combate os fenómenos de violência associada ao Desporto», afirma Pedro Proença, no documento que sintetiza a reunião e a posição da organização.

«A aprovação, na generalidade, da revisão da lei, representa um avanço significativo, mas entendemos que as três propostas defendidas pela Liga Portugal resultariam num quadro ainda mais propício para o regresso das famílias aos estádios», concluiu Pedro Proença, presidente da Liga Portugal.